ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, SÁBADO  25    CAMPO GRANDE 19º

Política

Duas novas vagas de desembargador no TJ são aprovadas pela Assembleia

Além disso, os parlamentares estaduais deram sinal positivo para mais uma câmara civil e 15 assessores

Por Nyelder Rodrigues | 03/11/2021 10:55
Deputados estaduais votando a questão na sessão desta quarta-feira da Assembleia de MS. (Foto: Reprodução/Live Alems)
Deputados estaduais votando a questão na sessão desta quarta-feira da Assembleia de MS. (Foto: Reprodução/Live Alems)

A Assembleia Legislativa aprovou em dois turnos, votados nesta quarta-feira (3), o projeto de lei que cria mais duas vagas de desembargador no TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), além de 15 vagas de assessores e mais uma câmara cível para compor a estrutura do Poder Judiciário estadual.

Em primeira discussão - realizada ainda em sessão ordinária - o projeto enviado pelo presidente do Tribunal, Carlos Eduardo Contar, foi aprovado com 22 votos a favor e apenas um contra, do deputado estadual Renan Contar (PSL).

Na sequência, foi convocada uma sessão extraordinária, onde a questão passou pela CCJ (Comissão de Constituição, Justiça e Redação) e pela Comissão de Finanças e Orçamento, sendo aprovada em ambas por maioria de votos dos integrantes.

Logo depois, o projeto que tramitou sob o número 308/2021 voltou ao plenário, repetindo novamente a votação com ampla vantagem. Apenas Renan Contar voltou a ser contra o projeto, fazendo várias críticas ao mesmo, enquanto os demais 17 parlamentares participantes votaram a favor da aprovação, encerrando a tramitação.

Plenário onde ocorrem sessões do órgão especial do Tribunal de Justiça de MS, com os desembargadores reunidos. (Foto: Divulgação/Arquivo)
Plenário onde ocorrem sessões do órgão especial do Tribunal de Justiça de MS, com os desembargadores reunidos. (Foto: Divulgação/Arquivo)

Todos os cargos de assessor criados no TJ serão comissionados. Com vencimento de R$ 35,4 mil, cada novo desembargador terá direito a cinco assessores, que terão salário de R$ 12 mil. Os outros cinco comissionados seriam para os magistrados que deixarem o Órgão Especial, o plenário da Corte sul-mato-grossense.

Na justificativa, o presidente do TJ alega que o tribunal teve aumento no volume de julgamentos, necessitando então da criação de mais duas cadeiras para atender a atual demanda do Judiciário, assim como a nova câmara cível, que será a quinta.

"O excesso de trabalho suportado pelos julgadores de segundo grau desta corte estadual importa aumento de desgaste físico e mental, excessiva demora no trâmite dos processos e insatisfação dos jurisdicionados [partes do processo], ferindo assim o princípio constitucional da eficiência", argumenta o desembargador.

A nova Câmara Cível terá os dois novos desembargadores e outros magistrados que são tidos como excedentes nas demais câmaras cíveis e criminais do tribunal. Ainda conforme o texto, apesar do impacto de R$ 252,2 mil na folha salarial, a Corte garante que usará recursos próprios do duodécimo, suplementando se necessário.

Reinaldo foi à Assembleia nesta quarta e conversou com os deputados em videoconferência, durante a sessão, após pedido de Paulo Corrêa. (Foto: Reprodução/Live Alems)
Reinaldo foi à Assembleia nesta quarta e conversou com os deputados em videoconferência, durante a sessão, após pedido de Paulo Corrêa. (Foto: Reprodução/Live Alems)

Durante a sessão extraordinária, a votação da pauta na comissão orçamentária foi interrompida pelo presidente da Casa, Paulo Corrêa (PSDB), que se ausentou para receber o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) - quem tocou a votação final foi o seu adjunto, Lídio Lopes (Patriotas). Corrêa pediu espaço para Reinaldo.

"É um prazer estar aqui. Vim acompanhado pela Patrícia [Elias Cozzolino de Oliveira, defensora pública-geral do Estado] para tratar de assunto da Defensoria, que em parceria com todo o Mato Grosso do Sul, faz um trabalho de combate à exploração sexual de crianças e adolescentes", explica Reinaldo, ao falar sobre a visita.

Atualmente, a Casa analisa na CCJ uma matéria para ampliar a atuação da Defensoria nesses casos, mas o Executivo protocolou um substitutivo nesta quarta-feira. Além disso, é pretendido a ampliação do atendimento da Defensoria Pública do Estado para os postos de serviços do Fácil, em todo o Mato Grosso do Sul.

Nos siga no Google Notícias