A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

29/10/2012 17:20

Em protesto por crise financeira, prefeituras de MS "fecham" no dia 7

Fabiano Arruda

Prefeituras do Estado devem paralisar as atividades no dia 7 de novembro em protesto por conta da situação financeira gerada, sobretudo, pela queda de receita, principalmente, do FPM (Fundo de Participação dos Municípios), que tiveram redução ao longo do ano e prejudicaram diretamente a conta dos executivos municipais.

A Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul) lidera a mobilização. Por meio da assessoria de imprensa, informou que fez o convite a todas as prefeituras, mas não soube precisar quantas vão aderir ao movimento.

Por conta da “pendenga”, principalmente em pequenas cidades do interior do Estado, os prefeitos encontram sérias dificuldades e boa parte deles deve fechar as contas no vermelho no final do ano.

Segundo a Assomasul, durante o dia de paralisação, apenas os serviços essenciais, como saúde e coleta de lixo, devem funcionar normalmente.

Ainda conforme a associação, simultaneamente ao protesto, os prefeitos vão se reunir no dia na sede da entidade, a partir das 13h30, para discutir uma saída para a crise.

“A reclamação é geral, até mesmo nos municípios de médio e grande porte. Do jeito que o barco navega poderá afundar e dificilmente haverá sobreviventes”, ironizou o presidente da Assomasul, prefeito de Chapadão do Sul.

No entendimento da entidade, o Governo Federal foi o maior “vilão” e “estrangulou” as prefeituras com a concessão de isenções, como do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) na compra de carro zero e eletrodomésticos. O tributo é um dos itens que compõem o FPM que, para alguns prefeitos, forma parcela significativa do orçamento. 

“Para piorar a situação, o governo decidiu prorrogar até 31 de dezembro a redução do IPI para automóveis”, criticou Krug, voltando a citar os impactos e reduções no FPM.

Segundo ele, ainda conforme a assessoria da Assomasul, os prefeitos temem não conseguir cumprir a LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal), que prevê severas punições para o gestor que porventura venha a ferir alguns de seus dispositivos.

FPM soma R$ 47 milhões e Assomasul alerta sobre nova queda
O repasse do FPM (Fundo de Participação dos Municípios) setembro deve ser de R$ 47,1 milhões, R$ 9 milhões a menos que os R$ 56 milhões repassados em...
Com aumentos populacionais, Nova Alvorada e Sidrolândia terão maior FPM
Os municípios de Nova Alvorada do Sul e Sidrolândia serão os únicos em Mato Grosso do Sul a terem aumento no repasse do FPM (Fundo de Participação do...
Repasse do FPM encolhe e agrava situação dos municípios
A redução é devido às restituições do IR (Imposto de Renda) e as desonerações do IPI (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços)O repasse d...
Temer diz que adiamento da reforma da Previdência foi 'ótimo' para ganhar votos
O presidente Michel Temer procurou mostrar otimismo ao falar sobre a reforma da Previdência ao dar posse ao deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) c...


Quando minha receita diminui, eu apago luzes, diminuo gastos nos mercados, reduzo minhas idas aos bares, economizo no telefone, demito a empregada e começo a lavar a louça.
Acho que tem muita prefeitura que precisa rever seus gastos também.
 
Cleberson Silva em 30/10/2012 09:02:21
E reduzir o esbajamento, alguem já pensou. é comum esses prefeitos incharem as despesas contando com esse FPM...depois ficam chorando...
 
Ari Vargas Leal em 29/10/2012 23:39:55
Todo mundo briga para ser prefeito, depois que assumem ficam sabendo que o buraco é mais embaixo, aí começa a choradeira, o pior fica para os fornecedores com contas a receber, com a crise ninguem recebe e aí forma se uma corrente que acaba sempre arrebentado em cima dos mais fracos.
 
juvenil marques em 29/10/2012 19:34:29
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions