A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 22 de Abril de 2018

21/12/2016 17:21

Ex-vereador conta como era antes na Câmara, sem salários ou regalias

Paulo Nonato de Souza
Odilon Nakasato mostra na foto o pai, de quem herdou a profissão de massagista de técnica japonesa (Foto: Campo Grande News)Odilon Nakasato mostra na foto o pai, de quem herdou a profissão de massagista de técnica japonesa (Foto: Campo Grande News)

Se olhar para o tempo em que os vereadores da Câmara Municipal de Campo Grande não recebiam salário ou qualquer tipo de auxilio financeiro, é até surreal o salário de R$ 15,3 mil dos atuais parlamentares, fora as regalias.

A maioria não lembra, mas até o final da década de 1970 os vereadores campo-grandenses trabalhavam de graça e participavam de uma única sessão, todas as terças-feiras à noite. A renumeração foi instituída em 1977, quando Campo Grande se tornou Capital de Mato Grosso do Sul.

“A gente começou a ter remuneração a partir de 1977, mas não era exatamente salário, era uma ajuda de custo. Dava apenas para pagar a gasolina”, disse o ex-vereador Odilon Nakasato em entrevista há pouco ao Campo Grande News, por telefone.

Odilon conta que chegou à Câmara Municipal exatamente em 1977 com 20 anos de idade, e logo na primeira sessão teve uma conversa inesquecível com o colega Valdir Pires Cardoso, falecido no últimos sábado, 17, aos 68 anos, vítima de aneurisma cerebral.

“Ele vinha de outra legislatura e chegou para mim e disse: Você é que tem sorte, hein. Perguntei o motivo da minha sorte e o Valdir Cardoso respondeu: Por que antes a gente não ganhava nada e você chega e já começa a receber”, lembrou Odilon Nakasato.

Segundo Odilon, a Câmara funcionava na Avenida Afonso Pena, esquina com a Calógeras, e dos 15 vereadores da época (hoje são 29) apenas o presidente da Casa tinha regalias, que se resumiam em um motorista e uma secretária. O carro oficial era um Opala velho de 4 portas.

“Os demais vereadores não contavam com nenhum tipo de apoio. A gente chegava mais cedo e nós mesmos fazíamos nossos requerimentos, petições e projetos na maquina de escrever para apresentar na sessão”, recorda o ex-vereador.

Odilon Nakasato foi vereador por Campo Grande em 1977 e 1978, e acabou trocando a Câmara Municipal pela Assembléia Legislativa ao ser eleito deputado estadual com 22 anos de idade. Atualmente ele vive do seu trabalho de massagista de shiatsu, do-in ou reiki, profissão que herdou do pai, Maçao Nakasato.

Lista dos 15 vereadores de Campo Grande em 1977:

Eduardo Contar Filho - Presidente
Valdir Pires Cardoso
Odilon Nakasato
Aurélio Cance Júnior
Armando Tibana
Ramão Alcides Achucarro
Yvon Moreira do Egito Filho
Marisa Serrano Ferzelli
Nelly Elias Bacha
Albino Coimbra Filho
Ricardo Trad
Tetsuo Arashiro
Plínio Barbosa Martins
Leon Denizart Conte
Félix Balaniuc

 

 



Devagar com o andor.
Não vamos colocar as coisas dessa forma. Que antes todos eram "bonzinhos" e hoje todos são "mauzinhos".
Se os vereadores não tinham salários, isso não significa que as coisas andavam às mil maravilhas.
Basta ler os jornais da época e vamos verificar que a administração municipal e a câmara também tinham uma relação promíscua, tanto quanto é hoje.
Então senhores, o assunto merece um trabalho jornalístico mais profundo para não passar para a população uma visão distorcida da realidade.
Cada época tem suas mazelas.
 
Critico em 22/12/2016 07:58:24
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions