ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, QUINTA  18    CAMPO GRANDE 25º

Política

Interceptação telefônica sugere que Dilma agiu para evitar prisão de Lula

Michel Faustino | 16/03/2016 18:44
A presidente Dilma Rousseff em conversa com o ex-presidente e, agora ministro da Casa Civil, Lula. (Foto: Agência Brasil/ Arquivo)
A presidente Dilma Rousseff em conversa com o ex-presidente e, agora ministro da Casa Civil, Lula. (Foto: Agência Brasil/ Arquivo)

Interceptação telefônica feita pela Polícia Federal encontrou indícios de que a presidente Dilma Rousseff (PT) pode ter agido para tentar evitar a prisão do ex-presidente Lula. Em trecho de diálogo divulgado nesta quarta-feira (16), de conversa entre Lula e Dilma, ela diz que encaminharia a ele o “termo de posse” de ministro que deveria ser usado “em caso de necessidade”.

A conversa foi registrada no início da tarde desta quarta-feira, às 13h32, pela PF, poucas horas antes da publicação da posse de Lula para o cargo de ministro da Casa Civil.

De acordo com informações do jornal O Globo, a conversa foi captada pela PF porque o telefone de um segurança do ex-presidente, o tenente Valmir Moraes da Silva, foi grampeado com autorização da Justiça. Lula utilizava o aparelho do segurança para se comunicar com autoridades e seus interlocutores.

Em uma das conversas interceptadas pela PF, o ex-presidente se diz insatisfeito com a atuação do então vice procurador-geral Eugênio Aragão, em conversa com um dos diretores do Instituto Lula, Paulo Vannuchi, em 27 de fevereiro deste ano. Na gravação, o ex-presidente se mostrou insatisfeito com o vice-procurador-geral, Eugênio Aragão, e diz que colocaria duas parlamentares do PT "em cima" de um outro procurador da PGR (Procuradoria Geral da República), segundo a publicação do jornal O Globo.

"Aquele filho da p... do Procurador antes de dar a notícia da intimação, na quinta-feira, para o advogado, deu pra Globonews. É um filho da p... mesmo (...) O problema é o seguinte, Paulinho, nós temos que comprar essa briga, eu sei que é difícil, sabe?! Eu às vezes fico pensando até que o Aragão deveria cumprir um papel de homem naquela porra, porque o Aragão parece nosso amigo, parece, parece, mas tá sempre dizendo "olha...", diz Lula.

Em outro trecho, o ex-presidente aponta o que seria uma solução para ter alguém de confiança dele na PGR: "Nós vamos pegar esse de Rondônia agora, eu vou colocar a Fátima Bezerra e a Maria do Rosário em cima dele", diz. Segundo a PF, trata-se do procurador Douglas Kirchner.

O relatório da PF também mostra que Lula suspeitava já no fim de fevereiro, dias antes da operação que o teve como alvo, de que haveria um mandato de busca e apreensão em sua casa e na de seus filhos.

Na conversa, registrada em 27 de fevereiro, com o presidente do PT, Rui Falcão, ele diz esperar a ação da PF para o dia 29 daquele mês. O mandado de busca e apreensão acabou acontecendo uma semana mais tarde.

"É eu tô esperando segunda-feira. Eu tô esperando segunda-feira a Operação de busca e apreensão na minha casa, do meu filho Marcos, do meu filho Fábio, do meu filho Sandro, do meu filho Cláudio", diz o ex-presidente.

Quebra do sigilo - O juiz Sérgio Moro decidiu derrubar nesta quarta-feira o sigilo do inquérito que investigava as atividades do presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, e o ex-presidente e remetê-lo à Procuradoria Geral da República, por sugestão da força tarefa da Lava-Jato em Curitiba.

"Constata-se que o ex-presidente já sabia ou pelo menos desconfiava de que estaria sendo interceptado pela Polícia Federal, comprometendo a espontaneidade e a credibilidade de diversos dos diálogos", escreveu Moro em despacho divulgado nesta quarta.

Segundo juiz, "alguns diálogos sugerem que tinha conhecimento antecipado das buscas" realizadas em 4 de março. Moro argumenta que "somente o terminal utilizado pelo ex-presidente foi interceptado", e não o de "autoridades com foro privilegiado, colhidos fortuitamente", em menção à presidente Dilma Rousseff e a ministros que conversaram com Lula.

Moro explicou ter mantido no despacho diálogos interceptados de Roberto Teixeira, advogado de Lula, por entender haver motivos para considerá-lo “um investigado”, e não apenas advogado do ex-presidente.

Veja o diálogo:

Dilma: Seguinte, eu tô mandando o "bessias" junto com o papel pra gente ter ele, e só usa em caso de necessidade, que é o termo de posse, tá?!

Lula: "Uhum". Tá bom, tá bom.

Dilma: Só isso, você espera aí que ele tá indo aí.

Lula: Tá bom, eu tô aqui, eu fico aguardando.

Dilma: Tá?!

Lula: Tá bom.

Dilma: Tchau

(Leia a íntegra do auto de interceptação telefônica da presidente Dilma)

Nos siga no Google Notícias