ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, QUARTA  23    CAMPO GRANDE 19º

Política

Lei que cobra justificativas de planos de saúde será referência, afirma Mochi

Proposta apresentada pelo deputado foi considerada regular por unanimidade pelo Supremo; planos são obrigados a explicar motivos para não cobrir procedimentos

Por Humberto Marques e Leonardo Rocha | 08/02/2018 12:31
Autor da lei, Mochi afirma que dispositivo garante a usuários meios de recorrer na Justiça de negativas dos planos de saúde. (Foto: Wagner Guimarães/Assembleia Legislativa)
Autor da lei, Mochi afirma que dispositivo garante a usuários meios de recorrer na Justiça de negativas dos planos de saúde. (Foto: Wagner Guimarães/Assembleia Legislativa)

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Junior Mochi (MDB), usou a tribuna da Casa de Leis na manhã desta quinta-feira (8) para comemorar o resultado de julgamento do STF (Supremo Tribunal Federal) que, por unanimidade, manteve a validade de uma lei estadual de sua autoria que obriga os planos de saúde a justificarem aos clientes os motivos para recusarem a prestação de exames ou procedimentos cirúrgicos. A decisão do Judiciário foi expedida na quarta (7) e, para Mochi, pode se tornar referência para outros Estados.

Sancionada em 2010, a lei estadual 3.885 foi contestada no STF pela Unidas (União Nacional das Instituições de Autogestão em Saúde), sob o argumento de que não caberia ao Legislativo estadual decisões sobre a prestação de serviço por operadoras do setor –que têm alcance nacional. No entanto, a relatora do caso, ministra Cármen Lúcia, reforçou ao julgar a Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade) que as Assembleias Legislativas têm a prerrogativa de agirem para proteger os consumidores.

“Muitas vezes o consumidor compra o plano sem ter detalhes do que tem ou não à sua disposição. Quando vai requisitar o serviço, recebe uma negativa, mas sem explicar o porquê”, afirmou Mochi. “Essa justificativa por escrito pode ser apresentada pelo usuário na Justiça para brigar que a empresa cubra o procedimento ou que ele consiga o ressarcimento dos dos recursos”.

O deputado frisou que, mesmo com a Adin, a lei nunca deixou de funcionar. Agora, a expectativa de Mochi é de que, com a decisão do Supremo, “a lei sirva de referência para os demais Estados. Cada um vai fazer uma lei parecida e exigir a justificativa dos planos”. Mochi ainda destacou que muitas pessoas desconhecem a existência da lei. “Quem tiver uma negativa do seu plano de saúde deve exigir a justificativa na hora e, assim que a tiver, avaliar se pode ir à Justiça”.

Aval – Ao analisar o pedido da Unidas, Cármen Lúcia considerou que a lei não interfere, direta ou indiretamente, nos acordos firmados entre operadoras e usuários.

“O legislador estadual exerceu competência legislativa rigorosamente nos termos da Constituição Federal e no que dispõe o Código de Defesa do Consumidor. A lei impugnada se voltou à proteção do consumidor e não disciplina direito civil, comercial ou de política securitária”, afirmou, conforme a assessoria do STF.