A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

30/06/2013 15:39

Na Capital, eleitor defende plebiscito, mas desconhece Reforma Política

Ângela Kempfer e Helton Verão
Comerciário Manoel Messias, 52 anos.,Comerciário Manoel Messias, 52 anos.,
Operador de caixa, Eurico Alves da Silva, de 35 anosOperador de caixa, Eurico Alves da Silva, de 35 anos

A semana terá como um dos assuntos centrais a possibilidade de plebiscito ou referendo para saber se a população é favorável ou é contra pontos da Reforma Política no Brasil. A presidente Dilma Rouseff deve encaminhar a proposta nos próximos dias ao Congresso Nacional.

Mas em Campo Grande, o caminho entre a decisão e a consulta popular parece exigir ainda muitos esclarecimentos.
Nas ruas, é difícil encontrar alguém que entenda do assunto, a maioria concorda com a necessidade de consultar a população, mas não sabe como pode contribuir.

“Não tenho o menor conhecimento do que é reforma política”, admite a balconista Rosilda Farias, de 45 anos. Apesar de ter ouvido falar do tema, depois da série de manifestações pelo País nas última semanas, ela só concorda com o poder das decisões do povo.

O comerciário Manoel Messias, 52 anos, também não sabe do que se trata. A estudante Geiciele Nunes, de 17 anos, muito menos.

O operador de caixa, Eurico Alves da Silva, de 35 anos, também recebe a pergunta com ar de dúvida. Sem saber o que tal mudança significaria para a estrutura partidária e eleitoral no Brasil, ele prefere apenas dizer que “sim”, que o País precisa de reforma política.

A estimativa do TSE é de que uma consulta popular sobre deve custar cerca de R$ 500 milhões, mais de R$ 3,00 por eleitor, nas contas do órgão. Mas o custo pode ser bem mais significativo se somados gastos com campanha de divulgação, estimada em cerca de R$ 3 milhões.

O universitário Célio Hoffmeister, estudante de Relações Internacionais, lembra que o estopim para a proposta é a corrupção. Por isso, nos cálculos dele, o invetimento em um plebiscito não seria à toa. “Dizem que a corrupção custa R$ 1 bilhão ao Brasil. Se for gastar R$ 500 milhões para acabar com ela, tudo bem, desde acabe logo”, comenta.

 

Universitário Célio Hoffmeister, estudante de Relações Internacionais,Universitário Célio Hoffmeister, estudante de Relações Internacionais,
Rosilda Farias, de 45 anos.Rosilda Farias, de 45 anos.

Hoje, o Governo Federal estuda 3 dadas para a consulta popular: nos feriados de 7 de setembro ou 15 de novembro, ou nas eleições presidenciais do próximo ano, para baratear custos.

Se a consulta for feita em setembro, a campanha de esclarecimento tem de ser veiculada no rádio e na televisão em agosto, com as perguntas que serão apresentadas aos eleitores. O comparecimento é obrigatório.

A ideia de realizar a consulta ainda neste ano tem como defensores os que já querem mudanças a partir das eleições de 2014. Pela lei, qualquer alteração no processo eleitoral deve entrar em vigor ao menos 12 meses antes de ser aplicada.

Demora - Há 20 anos o Congresso Nacional discute o assunto. O debate inclui a mudança para o voto distrital, no qual as regiões são divididas em distritos e os candidatos eleitos conforme os distritos que representam. Hoje, o sistema é proporcional, em que o candidato é eleito com base no voto do partido ou da coligação.

A consulta popular também deve perguntar aos eleitores se eles concordam com o financiamento exclusivamente público de campanha e o fim das doações por empresas. Atualmente, tais doações são apontadas como o começo da corrupção no poder público. Depois de eleitos, governantes costumam fraudar licitações para beneficiar quem doou dinheiro à campanha.

Referendo ou plebiscito? - A principal diferença entre as duas possibilidades é que plebiscito é convocado previamente, antes de aprovada legislação. Já o referendo é convocado depois, para ratificar ou rejeitar a proposta.

Nos últimos 20 anos, houve um plebiscito e um referendo. Em 1993, plebiscito decidiu sobre qual o sistema de governo deveria ser adotado no País: monarquia parlamentar ou República; parlamentarismo ou presidencialismo. Venceram a República e o presidencialismo.

Em 2005, o Congresso Nacional aprovou o Estatuto do Desarmamento com uma cláusula determinado a realização de referendo sobre a liberação da compra de armas. A população foi consultada sobre a proibição da comercialização de armas de fogo e munições. Na ocasião, as opções eram sim, a favor da proibição, ou não, contra. A maioria do eleitorado optou pelo não.

Temer diz que adiamento da reforma da Previdência foi 'ótimo' para ganhar votos
O presidente Michel Temer procurou mostrar otimismo ao falar sobre a reforma da Previdência ao dar posse ao deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) c...
Diretor da PF entrega ao STF relatório de investigação sobre ministros
O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, entregou hoje (15) à ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), um re...
TRE realiza plantão para cadastramento biométrico neste sábado na Capital
O TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) realiza neste sábado mais um plantão para atender eleitores de Campo Grande que ainda nã...


Pra mim o importante nessa reforma é acabar com a reeleição para todos os políticos desde vereadores, deputados federais e estaduais. Política não é pra ser meio de vida e sim para cidadãos trabalhar em benefício da população.
 
Osney Donisete em 01/07/2013 12:47:11
É. COM CERTEZA É UM MEIO DE ENGAMBELAR O POVO. PRECISAMOS, NÃO DE REFORMA POLÍTICA, MAS, DE GENTE SÉRIA NO PODER. CADÊ OS POLÍTICOS QUE FORAM CONDENADOS, FORAM PRESOS?
ENTÃO... PARA QUE NOS SERVE REFORMA POLÍTICA????????????????????
 
Angélica Nunes Dourado em 01/07/2013 11:57:10
Pois é. Vi muitos cartazes com vários dizeres e nenhum com reforma politica já. Na minha opinião essa reforma é só para enganar o povo. Poque não realizar a reforma tributária e a reforma fiscal, em vez de ficar tapando o sol com peneira
 
Claudio Silva em 01/07/2013 11:47:06
É uma pena quando vemos até universitário que não sabe nem onde está. Mas, se perguntar de novela, filmes ou de futebol, as vezes entende tudo. É precisa sim consultar e nós temos por obrigação saber o que queremos para nós e para nossos filhos. Pesquisem, leiam e descubra através do conhecimento. Antes de pensar em diminuir ministério, por embalo, pense em diminuir um Congresso Nacional que tem 504 deputados, gastando feito loucos o dinheiro público. Mais de 80 senadores, com mais de 500 funcionários, sem necessidade de um 2º poder legislativo. Leia e analise tudo, antes das paixões políticas partidárias.
 
Luiz Alves em 01/07/2013 09:23:30
Estou achando que o plebiscito é mais uma manobra do Governo Federal para engabelar o povo. Ao dizermos SIM, queremos a reforma política estaremos concordando ANTECIPADAMENTE com o que o congresso, QUE É DO GOVERNO FEDERAL, venha a fazer em termos de reforma. E assim será com todos os outros questionamentos. Na verdade, o povo NEM está interessado na reforma. O que a população quer é que quem foi eleito trabalhe com afinco. Que os governos não joguem dinheiro fora, que diminua o número de ministério e de secretarias, que diminua o número de funcionário público. Que parem os desvios feitos através de contratações de mão de obra terceirizada. Que os funcionários públicos trabalhem o mesmo tanto que o trabalhador da iniciativa privada, que tenha fim o fator previdenciário. Acorda Brasil.
 
Maria Pereira em 30/06/2013 17:44:58
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions