ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, DOMINGO  21    CAMPO GRANDE 23º

Política

Para tirar cultura do esquecimento, candidatos prometem investir 1%

Ricardo Campos Jr. | 22/09/2016 17:59
Grupos de dança, teatro e música têm sobrevivido por conta em Campo Grande (Foto: Marcos Ermínio)
Grupos de dança, teatro e música têm sobrevivido por conta em Campo Grande (Foto: Marcos Ermínio)

Artistas e entidades ligadas à cultura afirmam que o setor está esquecido pelo poder público. Muitas feiras culturais e eventos artísticos continuam realizados graças aos esforços dos próprios organizadores, que se mobilizam e envolvem parceiros para mantê-los em atividade.

Fundos que prometiam viabilizar livros, álbuns musicais e outros espetáculos estão atrasados há quase três anos. Uma lei que consolidava 1% da receita da cidade para o setor anualmente chegou a ser aprovada, mas depois caiu na gestão do ex-vice-prefeito Gilmar Olarte, que obteve aval da Justiça para a anulação.

Cultura é o tema da quarta matéria de uma nova série do Campo Grande News sobre propostas dos candidatos a prefeito. As respostas estão em ordem alfabética segundo os nomes usados nas urnas.

Adalton Garcia (PRTB) pretende aplicar a verba destinada no orçamento para a cultura, promover incentivos para empreendedores com projetos viáveis, realização de festivais escolares, resgatar talentos que fizeram e fazem parte da nossa história, criar o “Calendário Cultural da Capital Morena” com atividades de dança, música, artes plásticas, teatro, cinema e implementar atividades culturais no contra turno escolar.

Alex do PT promete cumprir a lei e aplicar 1% do orçamento na cultura e pagar os projetos culturais sem atraso; criar o Cartão Jovem Cidadão para beneficiar jovens de baixa renda com acesso às atividades de arte e cultura; criar a Escola Municipal de Artes, reformar o Teatro Otávio Guizo e levar o cinema popular às regiões da Capital, além da criação da Rua 24 horas no Centro, com foco
nas atividades culturais.

Aroldo Figueiró (PTN) pretende, antes de tudo, valorizar e dar apoio aos milhares de artistas já em atividade, pois segundo ele a cidade conta com uma rica variedade de talentos em todos os segmentos culturais e é preciso olhar com carinho e respeito para os artistas, assim como despertar nas crianças a curiosidade e o interesse pela cultura de forma geral. Diante disso, vai trabalhar a busca pela vocação artística e impor a arte no currículo educacional.

Athayde Nery (PPS) traçou 15 metas para a cultura, sendo um dos responsáveis pela lei do 1% para a cultura, e a principal delas é a criação de um sambódromo para a Capital. A intenção é que o local também seja utilizado para o desenvolvimento de atividades ligadas às escolas de samba. No projeto também esta a conclusão do Centro de Belas Artes e promover ações transversais entre os diversos gêneros de arte, preservando as culturas populares e tradicionais.

Coronel David (PSC) vai cumprir a lei municipal que prevê investimento de 1% da receita na cultura e também vai concluir o Centro de Belas Artes num amplo programa de revitalização, que contemplaria a Orla Ferroviária e a antiga estação rodoviária, e criará o novo polo cultural e gastronômico na região central de Campo Grande.

Lauro Davi (PROS) criará programas como o “Programa Rede Cultural” e o “Programa Municipal de Fomento às Artes”, que são iniciativas de incentivo e apoio para a cultura do município, além de investir na ocupação de espaços públicos como espaços culturais e garantirá o pagamento em dia dos editais e maiores investimentos nos projetos já existentes.

Marquinhos Trad (PSD) pretende trabalhar junto com pessoas capacitadas e técnicas. Ele pretende restaurar e conservar os museus, valorizar os novos talentos, incentivar propostas culturais independentes e realizar os projetos “Arte na Praça”, “Palco Campo Grande Itinerante” e “Praça Viva” para levar a expressão da música, do teatro, da dança e do artesanato à população.

Rose Modesto (PSDB) pretende recompor o Conselho Municipal de Cultura, elaborar um calendário anual de eventos e captar os recursos para os editais existentes, além de reformar o Teatro do Paço, concluir o Centro de Belas Artes, incentivar a produção audiovisual e utilizar as praças públicas como espaços de cultura, lazer e esporte e promover a arte e a cultura nas escolas da rede municipal para a juventude.

Suél Ferranti (PSTU) diz que todos os espaços públicos, dentre eles, escolas, praças, centros de convenções e postos de saúde devem ser abertos a todos os artistas da cidade para que possam expor o seu trabalho sem cobrança de nenhuma taxa e promete valorização e incentivos aos artistas, artesões, autores da casa, para depois atender aos expoentes externos. Os espaços abandonados serão desapropriados e destinados à cultura.

Todos os 15 candidatos foram convidados a participar da série. Alcides Bernal (PP), Arce (PCO), Elizeu Amarilha (PSDC), Marcelo Bluma (PV), Pedrossian Filho (PMB) e Rosana Santos (PSOL) não enviaram as repostas até a publicação desta reportagem.

Nos siga no Google Notícias