A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

29/06/2011 18:00

Parlamentares fazem pressão para manter base da Força Nacional em MS

Fabiano Arruda
Força Nacional atua em MS desde fevereiro do ano passado. (Foto: Arquivo)Força Nacional atua em MS desde fevereiro do ano passado. (Foto: Arquivo)

O deputado estadual Zé Teixeira (DEM), o deputado federal Geraldo Resende (PMDB) e o senador Waldemir Moka (PMDB) fizeram coro nesta quarta-feira para que o governo federal mantenha a base da Força Nacional no assentamento Itamaraty, em Ponta Porã.

O Ministério da Justiça anunciou na semana passada que as tropas seriam remanejadas até amanhã. Eles consideram a retirada da base uma decisão contraditória ao Plano Estratégico de Fronteira lançado pela União.

“Como pode um Plano anunciar reforço da segurança nas fronteiras, em uma ação coordenada entre as Forças Armadas, Polícia Federal, Força Nacional e Polícia Rodoviária Federal, quando há uma decisão de desmobilização de um dos braços do centro de operações conjuntas? Para enfrentar a violência e o crime organizado o correto seria ampliar os efetivos, não só em Ponta Porã, mas também em Corumbá, uma das portas de entrada de drogas e armas no País”, questionou o deputado Geraldo Resende.

O coordenador da bancada federal enviou ofício, nesta quarta, ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, com cópia à secretária nacional de Segurança Pública, Renina Miki, em que pede que a medida seja revista.

Já o senador Moka fez pronunciamento na tribuna do Senado para falar que a retirada da base pode enfraquecer a segurança e aumentar a criminalidade na fronteira com o Paraguai.

O senador disse que o indício de que a força estaria sendo desmobilizada na região é o fato de o prédio que serve de base para as operações do grupo estar sendo devolvido à Prefeitura de Ponta Porã.

“Todos conhecem a vulnerabilidade das nossas fronteiras, em especial a do Paraguai, por onde entra a maior parte da droga consumida no Brasil e que serve também de porta de entrada para armas contrabandeadas que abastecem o crime organizado”, argumentou.

O deputado estadual Zé Teixeira, por sua vez, destacou dados da Polícia Federal que revelam que as apreensões representam apenas cerca de 20% da droga, armas e contrabando que entram no país através das áreas fronteiriças, para pedir a mobilização em torno da permanência da base.

Em Mato Grosso do Sul, a Força atua desde fevereiro do ano passado, com sucessivas prorrogações de permanência. Essa base é uma das oito existentes em todo o país.

Assembleia recebe prestação de contas e fará limpeza de pauta antes do recesso
A última semana de trabalho do Poder Legislativo de Mato Grosso do Sul em 2017 será aberta com a audiência pública para prestação de contas do govern...
Assembleia vota prorrogação de adesão a fundo que regula incentivos fiscais
A prorrogação até 30 de dezembro do prazo para que empresas beneficiadas com incentivos fiscais concedidos pelo governo do Estado se inscrevam no Fad...


É se o Minitério da Justiça tira a base da Força Nacional de Ponta Porã, que será de nosso Estado ? Pois com a base lá já é um caos imgina sem a criminalidade vai toma conta de vez. Corumbá e Ponta Porã vai ser cobiça novamente dos maiores traficantes de nosso país. Todos temos que nos protestar ... vamos nessa galera ... Afinal tinhamos que ter 2 bases dessa e vamos ficar sem nenhuma.

É brincadeira né !!!!
 
Leonardo Midon em 30/06/2011 12:31:56
Por favor, vejamos os índices de crime por onde a Força Nacional passou. Saibam! não baixaram. Eles sequer conhecem as cidades onde vão trabalhar, nem os vagabundos que por lá transitam. Imaginem, se os policiais da área, mesmo conhecendo os ladrões, traficantes, pistoleiros e outros delinquentes mais, não conseguem prende-los, imaginem esses policiais convocados Brasil afora. Não creio que os políticos do nosso Estado estejam realmente preocupados com a Segurança Pública em MS.
 
Rinaldo Ribeiro em 30/06/2011 09:18:09
Será hipocrisia novamente um grande projeto para a segurança nas fronteiras ou já é de costume ficar só no papel.
 
alicio lima rodrigues em 30/06/2011 08:30:46
Com essa decisão, o governo federal demonstra total desconhecimento da realidade do nosso estado, eximindo-se de sua responsabilidade maior de intensificar a segurança de nossas froteiras, sabidamente vulneráveis.
 
sebastiao dos reis em 30/06/2011 08:26:29
Me digam UMA, mas apenas UMA ação de vulto, grande apreensão ou impacto sobre a bandidagem que a Força Nacional tenha tido. Não houve NADA, mas NADA mesmo, que eles tenham feito, especialmente se comparado a relação custo/benefício com outras corporações policiais. A dinheirama gasta nessa Força Nacional aqui no Estado (centenas de milhões de Reais) para manter por alguns meses algumas dezenas de homens deveria servir de reflexão sobre como é possível desperdiçar o dinheiro público e de como e porque a Segurança Pública brasileira é uma das piores do mundo. Esse pessoal da FN passava o dia andando a esmo, para lá e para cá, luzes intermitentes das viaturas ligadas, e os olheiros, informantes, batedores e etc., com seus (ilegais) radios VHF passando a posição em tempo real para a bandidagem, que trabalhava em segurança em outro local. E mais, todo o mundo que mora na área de fronteira sabe: a única polícia que trabalha sério, que é respeitada e temida pelos bandidos, que tenta contra tudo e contra todos (inclusive outras corporações policiais) combater os crimes de fronteira, é a Polícia Federal.
 
Adriano Roberto dos Santos em 30/06/2011 07:36:47
Na quarta feira da semana passada , dia 21 de julho , já cobrava em plenário do Sr Ministro da justiça que explicasse aas razões para o fechamento da unidade de segurança em Ponta Porã. Como membro da comissão de defesa nacional e Relações Exteriores também solicitei explicações ao Ministro da Defesa . Agora , o que mais preocupa é a questão das drogas , de cuja Comissão também faço parte , que cobra do governo mais atenção á fronteira. Neste sentido , realizaremos nos dias 1 e 2 de julho , sexta feira e sábado , audiência pública em Corumbá , com a presença de Deputados de outros estados , para chamar atenção do descaso que o país tem com suas fronteiras. Dizem que nosso Estado é porta de entrada das drogas no país . Isso só acontece porque não se coloca porteiros na fronteira . A Polícia Federal e a Polícia Rodoviária Federal fazem o que podem , mas estão sub dimensionadas e mal equipadas para fazer frente ao crime organizado. Fechar a base é mais um ato de cinismo e despreparo deste governo.
 
luiz henrique mandetta em 29/06/2011 06:30:00
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions