A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

15/12/2010 10:19

PMs vão à Assembleia na tentativa de reverter projeto sobre efetivo

Angela Kempfer

Associação quer que projeto do governo seja votado só em 2011

Representantes da Associação de Cabos e Soldados da PM participam hoje de sessão da Assembleia Legislativa para pressionar os deputados contra aprovação de projeto do Executivo que fixa o número de efetivo a ser contratado em Mato Grosso do Sul para os próximos 4 anos.

Segundo a entidade, a proposta enviada pelo governo do estado não contempla

o que foi negociado com o Comando da Polícia Militar. “Tínhamos acertado que o efetivo iria aumentar 32%, mas o projeto só prevê 18% de soldados e cabos a mais”, reclama o presidente da Associação, Edmar Soares da Silva.

Os PMs apresentaram números do censo do IBGE de 2010 que justificariam maior investimento na tropa da Polícia Militar. A entidade reclama que depois de aceita proposta feita pelo Comando, "houve interferência da Sejusp (Secretaria de Segurança" e tudo mudou".

No início das negociações, a associação contestava a ampliação de 60% apenas as promoções dos oficiais para o posto de coronel, cujo número deve subir de 10 para 16, mas ao analisar a proposta enviada, a categoria decidiu aceitar percentual menor, levando em conta a proporcionalidade , já que hoje o número de soldados e cabos já é bem maior que de oficiais.

Pelo acordo com o Comando, garante a associação, nos próximos quatro anos o quadro da Polícia deveria subir dos atuais 7.523 para 9.300 policiais. O contingente de bombeiros militares que hoje é de 3.209 deveria aumentar em mais 500.

Com a nova proposta, o aumento em vagas de cabos será de 1690, 191 a menos que o contingente acertado anteriormente.

A entidade pediu aos deputados que barrem a votação hoje e joguem a questão para o próximo ano, depois de uma discussão mais abrangente sobre o assunto.

O líder do governo na Assembléia, deputado Youssef Domingos (PMDB) não comentou a reivindicação.



Concordo com o josé, tem cidade pequena que tem apenas tres bombeiros de serviço por dia, para 3, 4 ou até mais viaturas, a população que padece... e ninguem faz nada.
 
Junior Mascarenhas em 15/12/2010 09:52:12
Como diz um 010 da PM, quando tudo começa errado, acaba errado... Não me comove isso que o Governo fez com a tropa... Era de esperar isso do Executivo, que não tem a tropa ao seu lado.. por outro lado os oficiais sim que sempre são promovidos não importa como... A PM num tem efetivo, num tem farda, sem gasolina e pistolas novas que nem funcionam... Aí o "Doutô Governador" diz que bandido do Rio se vir pra cá vai ser recebido a bala... Ahhh se não fosse o recurso do Senasp, que agora o prefeito pegou pra ele, com a criação da Guarda "meia-boca" Municipal... Com menos recursos federais nem viatura nova não vem... Aguenta "praça-velha" um dia sua sorte muda.....
 
Hudson Caetano em 15/12/2010 06:10:22
Interessante, assim como todo o funcionalismo público está com o quadro defasado vale salientar que na PM vemos que em algumas cidades como a princesinha do pantanal policiais militares se trompam e as vezes até falta serviço para tanto efetivo concentrado, ao contrário de ponta porã por exemplo que o efetivo tem que se desdobrar para dar conta da segurança pública, portanto, há uma certa distorção na distribuição do efetivo. Eu queria saber o porquê!?!
 
Fábio Barbier em 15/12/2010 01:32:50
Informações equivocadas. O contingente de bombeiros é bem metade que isso. Com certeza esse número todo devem estar contando com os que estão aposentados.
 
Jose Igatoro em 15/12/2010 01:20:42
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions