ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEGUNDA  26    CAMPO GRANDE 26º

Política

Prefeitura faz acordo com Ministério Público para demitir comissionados

Aline dos Santos | 22/06/2015 09:43
Gilmar firma compromisso com o Ministério Público Estadual (Foto; Marcelo Calazans/Arquivo)
Gilmar firma compromisso com o Ministério Público Estadual (Foto; Marcelo Calazans/Arquivo)

A Prefeitura de Campo Grande vai reanalisar as nomeações dos comissionados nos próximos 30 dias e exonerar no prazo de 48 horas quem não se enquadrar na Lei da Ficha Limpa. A determinação consta em TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) firmado entre o MPE (Ministério Público Estadual) e a administração municipal.

O acordo, assinado pelo prefeito Gilmar Olarte (PP), é resultado do inquérito civil 046/2014, instaurado em janeiro de 2015 para apurar denúncia de que 1.044 comissionados foram contratados sem a observância da Lei da Ficha Limpa.

Conforme o TAC, publicado hoje, após o prazo de 30 dias, caso constate a existência de nomeação de pessoas que incidam nas hipóteses de inelegibilidade a prefeitura procederá, no prazo máximo de 48 horas, à exoneração do respectivo servidor.

Ainda segundo o termo, o poder público assume a obrigação de exigir, desde já, documentos para as próximas nomeações em cargos de provimento em comissão.

A pessoa deverá apresentar certidões cíveis e criminais expedidas pela Justiça Federal, pela Justiça Eleitoral e pela Justiça Estadual dos locais de residência dos últimos 5 anos; comprovante de que não teve contas relativas ao exercício de cargos ou funções públicas rejeitadas; comprovante de que não renunciou ao mandato desde o oferecimento de representação ou petição capaz de autorizar a abertura de processo por infringência a dispositivo da Constituição Federal, da Constituição Estadual, da Lei Orgânica do Distrito Federal ou da Lei Orgânica do Município, na hipótese de ter exercido mandato no Poder Executivo ou Legislativo.

A prefeitura exigirá que os servidores ocupantes de cargos de provimento em comissão ratifiquem, anualmente, até 28 de fevereiro, o preenchimento das condições impostas pela Lei da Ficha Limpa. No caso de descumprimento de qualquer das cláusulas do TAC, a multa diária será de 30 Uferms (Unidade Fiscal Estadual de Referência de Mato Grosso do Sul) por cada servidor. O dinheiro será recolhido para o Funles (Fundo Estadual de Defesa e de Reparação de Interesses Difusos Lesados). Atualmente, uma Uferms corresponde a R$ 21,27. Ou seja, R$ 638 por servidor. 

Além da multa, o poder público pode ajuizar ação civil pública e por improbidade administrativa. O TAC é assinado por promotores da 29º Promotoria de Justiça e pelo prefeito Gilmar Olarte (PP), pelo procurador-geral Fábio Castro Leandro e pela procurador-geral adjunta Kátia Silene Sarturi.

Nos siga no Google Notícias