ACOMPANHE-NOS    
DEZEMBRO, SÁBADO  05    CAMPO GRANDE 22º

Política

Prefeitura vai pagar bônus a sitiantes que preservarem córrego Guariroba

Por Edmir Conceição e Wendell Reis | 24/11/2011 20:03

Projeto prevê remuneração a 62 propriedades para garantir o abastecimento de 280 mil imóveis que poderão ficar sem água em 10 anos caso não seja feita nenhuma ação de preservação.

Córrego Guariroba, fonte de abastecimento de 50% da Capital. (foto: Arquivo)
Córrego Guariroba, fonte de abastecimento de 50% da Capital. (foto: Arquivo)

Uma das mensagens do pacote de projetos enviado à Câmara prevê pagamento de incentivo a proprietários que contribuírem com a conservação do manancial do Guariroba, que abastece ao menos 50% da população de Campo Grande. Outra fonte de captação ao abastecimento de água na Capital é o córrego Lageado, que também é uma área de proteção ambiental. O projeto prevê remuneração a 62 propriedades para garantir o abastecimento de 280 mil imóveis que poderão ficar sem água em 10 anos caso não seja feita nenhuma ação de preservação.

A conservação das áreas de proteção ambiental (APAs) dos córregos Guariroba e Lageado hoje é feita por meio de ações conjugadas entre a iniciativa privada, organizações não-governamentais e poder público. A concessionária Águas Guariroba também desenvolve programas de conservação do córrego.

O incentivo proposto pela Prefeitura leva em conta a necessidade de recuperação de áreas no entorno das represas e sob influência dos dois mananciais, que já tem dois planos de manejos, para compensação ambiental e evitar a degradação.

Tramitação - O prefeito Nelsinho Trad enviou dois projetos ligados à área ambiental. O que prevê pagamento de incentivos a 62 proprietários de terras no entorno do Guariroba e o que regulamenta a inspeção veicular, dentro da norma do Contran de controle da emissão de monóxido de carbono.

O projeto fixa o incentivo em R$ 130 ao ano por hectare preservado. Segundo o secretário municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano, Marcos Cristaldo, os terrenos da região têm área total de 36 mil hectares, divididos em pequenos lotes com 1 hectare. De acordo com o projeto, não basta ter o terreno para receber o dinheiro. Os produtores terão que comprovar a recuperação e só receberão pelo que for de fato preservado.

O secretário lembra que o projeto vai remunerar 62 propriedades, mas atenderá a 280 mil imóveis que poderão ficar sem água em 10 anos caso não seja feito nenhum trabalho de preservação. A preservação consiste em retirar o gado e cercar a área, recompondo a vegetação. A expectativa é de que sejam investidos, aproximadamente, R$ 600 mil anuais para o incentivo aos produtores.

Segundo consta, no entanto, R$ 700 mil do primeiro ano, em 2013, já estariam garantidos por meio de um Termo de Ajustamento de Conduta firmado com o frigorífico JBS, após a constatação de algumas irregularidades em seus empreendimentos.

A Área de Proteção Ambiental do córrego Guariroba foi criada em 1995. Ela ocupa uma área de 360 km². O Guariroba é o manancial mais importante de Campo Grande, sendo responsável por cerca de 50%da água que abastece a Capital e pode ser acessada por meio da BR-262.

A Área de Proteção Ambiental do córrego Lageado é responsável por 17% da água que abastece Campo Grande e ocupa 52,37 km², divididos entre áreas urbanas e rurais. A APA foi criada em 2001 com o objetivo de recuperar e conservar os recursos hídricos e proteger o ecossistema da região. Distante 10 km do centro da Capital, ela pode ser acessada pelas BR 262, BR 163 ou MS 060.

Inspeção Veicular - Outro projeto ligado á questão ambiental é o da inspeção veicular, que pretende reduzir a emissão de CO2 (gás carbônico) na atmosfera. As regras estabelecidas pelo Contran (Conselho Nacional de Trânsito) devem ser regulamentadas para entrar em vigor em 2012.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário