ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEGUNDA  15    CAMPO GRANDE 18º

Política

Projeto estadual que veta trans no esporte é inconstitucional, alerta advogada

Proposta do deputado Rafael Tavares (PRTB) teve parecer favorável na CCJR e foi aprovado em plenário

Gabriel de Matos | 15/05/2023 16:01
Fachada do Palácio Guaicurus, sede da Assembleia Legislativa de MS (Foto: Wagner Guimarães)
Fachada do Palácio Guaicurus, sede da Assembleia Legislativa de MS (Foto: Wagner Guimarães)

Projeto de Lei 59/2023, apresentado pelo deputado estadual Rafael Tavares (PRTB), deve entrar em segunda votação nesta semana na Alems (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul). O texto estabelece o sexo biológico como único critério para definição de gênero em competições esportivas em Mato Grosso do Sul. A votação em primeira discussão teve 19 votos favoráveis e 2 contrários.

Após aprovação em primeira discussão na Casa de Leis, a advogada especialista na defesa de pessoas trans, Bianca Figueira, atacou a proposta. Ela garante que o projeto fere preceitos e garantias da Constituição como a dignidade humana, promoção do bem sem preconceito e discriminação.

Pior, segundo ela, é inconstitucional, "Esse assunto extrapola a competência do Parlamento Estadual. Esse tema é regulado por entidades e organismos desportivos internacionais e nacionais que estipulam critérios objetivos para a/o atleta disputar em uma categoria", explica a advogada.

Ela ainda cita que o texto é contra o entendimento do STF (Superior Tribunal Federal) em diversos julgamentos, a Convenção Americana dos Direitos Humanos (Pacto de San José da Costa Rica, 1969 – Decreto Federal nº 678/1992).

Por fim, a advogada acredita que não há demanda de atletas transgêneros em Mato Grosso do Sul. Assim, a lei não seria aplicada, comprometendo a eficácia. "Torna-se uma lei retórica e sem eficácia", finaliza.

Projeto é de autoria do deputado Rafael Tavares (PRTB) (Foto: Divulgação/Alems)
Projeto é de autoria do deputado Rafael Tavares (PRTB) (Foto: Divulgação/Alems)

Caso aprovado em segunda discussão, o projeto seguirá para o crivo do governador Eduardo Riedel (PSDB) e caso sancionado, entidades que aceitarem transexuais em competições femininas poderão ser multadas em 30 salários mínimos.

O texto recebeu parecer favorável da CCJR (Comissão de Constituição de Constituição de Justiça) da Alems por unanimidade. Votaram a favor da  constitucionalidade: Mara Caseiro (PSDB), Antonio Vaz (Republicanos), João Mattogrosso (PSDB), Pedrossian Neto (PSD) e Junior Mochi (MDB) - que foi o relator.

As justificativas apresentadas no parecer de Mochi indicam que o Estado tem a competência de legislar o esporte assim como a União. Ele ainda apontou que não há "qualquer regulamentação sobre a participação de atletas trans" na Lei Pelé. Essa legislação regula o esporte no âmbito nacional.

Outra justificativa dada envolve a World Athletics, que proibiu atletas trans de competir no naipe feminino em eventos internacionais. Ainda no parecer, Mochi afirmou que é um tema controverso. "Abre margem para muitas outras discussões, em razão do conflito entre princípios do Direito".

A reportagem entrou em contato com o autor do projeto, o deputado Rafael Tavares (PRTB). Sobre os questionamentos à constitucionalidade, ele ressaltou que passou por unanimidade na CCJR e pela primeira votação no plenário.

A expectativa, segundo ele, é que o texto seja aprovado. "Projeto em defesa das mulheres esportistas será aprovado. Essa é a expectativa nossa".

Nos siga no Google Notícias