ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  20    CAMPO GRANDE 17º

Política

Proposta de reajuste salarial dos servidores avança para votação na Assembleia

Elas receberam parecer positivo dos deputados da CCRJ e seguem

Por Cassia Modena | 15/05/2024 11:24
Comissão reunida nesta manhã, na Assembleia Legislativa (Foto: Wagner Guimarães/Alems)
Comissão reunida nesta manhã, na Assembleia Legislativa (Foto: Wagner Guimarães/Alems)

A CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação) da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul avaliou cinco projetos de lei nesta quarta-feira (15). Desses, quatro ganharam parecer positivo e um negativo.

O primeiro foi o 98/2024, enviado pelo Executivo. Ele propõe revisão geral anual dos salários bases ou subsídios dos servidores e comissionados estaduais. Foi considerado constitucional.

“O reajuste será concedido retroativo ao dia 1º de maio, e a proposta é um direito dos servidores públicos assegurado para promover as perdas da inflação no período de um ano”, disse o relator do projeto, o deputado Pedro Caravina (PSDB).

Os demais - O segundo foi o 93/2024, também do Executivo, que institui o "Novo Morar Legal". Se trata de um programa de renegociações de dívidas e regularização de imóveis. A proposta foi considerada constitucional.

O terceiro foi o 207/2023, enviado pelo deputado Roberto Hashioka (União), para criar uma política de resolução de conflitos nas escolas estaduais de Mato Grosso do Sul. Com emenda substitutiva integral, o projeto foi classificado como constitucional.

O quarto foi o 90/2024, de autoria do deputado Londres Machado (PL), com a proposta de batizar como Fernando Martins Mendes o anel viário que liga a MS-040 e MS-338, no município de Santa Rita do Pardo. É a última considerada constitucional no dia.

O quinto foi o 272/2023, que propõe criar o projeto “Produzindo na Terceira Idade” para ajudar idosos a encontrar vagas no mercado de trabalho e é de autoria do deputado Antonio Vaz (Republicanos). A matéria foi avaliada como inconstitucional por conter vício de iniciativa. “A competência de legislar sobre o assunto é do Poder Executivo, e verifica-se interferência na gestão de política pública”, declarou o relator, o deputado Junior Mochi (MDB).

Os projetos que receberam aval da CCJR irão à plenário.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias