A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

10/05/2013 19:28

Protestos de ruralistas em MS podem gerar queda da chefe da Funai

Zemil Rocha
Protesto de produtores rurais durante a visita de Dilma a Campo Grande (Foto: Marcos Ermínio)Protesto de produtores rurais durante a visita de Dilma a Campo Grande (Foto: Marcos Ermínio)

Os protestos de ruralistas no Mato Grosso do Sul na última semana, durante a visita da presidente Dilma Roussef a Campo Grande, detonou uma crise que poderá resultar na queda da presidente da Funai (Fundação Nacional do Índio), Marta Azevedo. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, não garantiu, nesta sexta-feira, a permanência dela no cargo.

A crise foi agravada na quarta-feira durante audiência na Câmara Federal, com a participação da ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, e de uma caravana de lideranças ruralistas. Na audiência ficaram patentes falhas nas demarcações de terras indígenas promovidas pelo Incra. "A atuação da Funai tem se pautado pelo que ela é: protetora envolvida com questões indígenas. A intervenção do Estado brasileiro como garantidor e mediador de direito resta comprometida. Muitas vezes no processo de demarcação é baixa em estratégia e informação", declarou Gleisi.

Durante entrevista hoje, o ministro evidenciou que Marta Azevedo já está, na prática, afastada da Funai. "A Marta tem tirado sucessivamente licenças de saúde e me informou da possibilidade de tirar uma nova licença. Isso quer dizer que ela vai ficar de licença. Acho que em respeito a situação dela não vou falar sobre isso (demissão). Licenciado permanece no cargo até que, obviamente, reassuma ou deixe", afirmou Cardozo.

Marta Azevedo já teria deixado claro que não pretende pedir demissão e revelado estar confiante em apoios no Planalto para permanecer no cargo, citando apoio do ministro da Secretaria Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho.

Nesta sexta-feira, o ministro da Justiça Cardozo informou sobre mudanças que o governo promoverá na demarcação de terras indígenas, com as novas regras sendo editadas até o final do próximo mês. Tais medidas também valerão para os cerca de 100 processos demarcatórios que estão em andamento.

Deverá cair a exclusividade da Funai em opinar judicialmente sobre essas demarcações, com novos atores públicos passando a se manifestar, como o Incra, o Ministério do Meio Ambiente e o Ministério da Agricultura.

A ampliação do debate processual, na avaliação do ministro, dará maior segurança às decisões judiciais sobre demarcações de terras indígenas, encurtando o tempo desses processos, que hoje duram décadas.

As mudanças que estão sendo propostas, segundo o ministro, não visam enfraquecer a Funai em benefício dos interesses ruralistas. "É bom para os índios, para os ruralistas e para o Estado brasileiro porque o processo será mais rápido", argumentou ele.

 

Temer diz que adiamento da reforma da Previdência foi 'ótimo' para ganhar votos
O presidente Michel Temer procurou mostrar otimismo ao falar sobre a reforma da Previdência ao dar posse ao deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) c...
Diretor da PF entrega ao STF relatório de investigação sobre ministros
O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, entregou hoje (15) à ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), um re...
TRE realiza plantão para cadastramento biométrico neste sábado na Capital
O TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) realiza neste sábado mais um plantão para atender eleitores de Campo Grande que ainda nã...


O governo Federal quer ver o circo pegar fogo . Só fica dando o nosso dinheiro para quem não trabalha: bolsa craque, bolsa prostituta, bolsa móveis, bolsa preso, bolsa índio, bolsa sem terra.... Ninguém mais quer trabalhar. Agora quer pegar nossas terras documentadas e pagas nas mãos de quem vai deixar a terra virar mato, e alugar para os donos da terra de direito. Daqui a pouco os documentos das casas, das lojas , da industria, também vai parar nas mãos de bandidos e todo mundo vai morrer de fome.
Fora PT, já deu que chega......
Quem quiser terra que vai trabalhar e comprar.
Vamos fazer uma tratorada de Minas a Brasilia e parar com a venda de soja, milho, feijão,boi... Com uma semana as terras voltam para os legítimos donos.

 
Glorinha coelho em 18/06/2013 08:22:13
Parabéns Ministro. A insegurança dos produtores alimentos já nos faz importar feijão.
 
João Brasileiro em 11/05/2013 11:02:54
É preciso entender que o chefe da Funai não é responsável pelos problemas entre índios e produtores rurais. O problema é da responsabilidade do Governo Federal. É inadmissível que não haja sensibilidade da parte mais interessada pela solução desse impasse. O chefe do órgão é subordinado ao Governo Federal, portanto, ele faz o que lhe é ordenado. Quem tem que solucionar o problema é exatamente o Governo Federal. Não adianta culpar o subalterno, a culpa é de quem comanda a nação. Índio não precisa de terra, quem precisa de terra é quem trabalha e produz alimentos. Pelo amor de Deus, será que não tem ninguém sensível nesse governo popular?
 
Olices Trelha em 11/05/2013 10:02:44
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions