ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, SEGUNDA  15    CAMPO GRANDE 23º

Política

Ressuscitado, projeto que obriga placa em obra parada é aprovado na Câmara

Ex-vereador André Salineiro (Podemos) não conseguiu emplacar lei e "Prof. André" (Rede) faz 3ª tentativa

Caroline Maldonado | 30/08/2022 12:28
Obra, em maio de 2022, do Centro de Belas Artes em Campo Grande, que já ficou parada por 11 anos. (Foto: Henrique Kawaminami/Arquivo)
Obra, em maio de 2022, do Centro de Belas Artes em Campo Grande, que já ficou parada por 11 anos. (Foto: Henrique Kawaminami/Arquivo)

É a terceira vez, em cinco anos, que os vereadores aprovam projeto para obrigar a Prefeitura de Campo Grande a colocar placas em obra paralisada com informação do motivo da paralisação e a previsão de quando o serviço será retomado. Isso, porque a proposta já foi vetada duas vezes pelo ex-prefeito Marquinhos Trad (PSD).

O projeto 10.334/21 do vereador André Luís Soares da Fonseca, o "Prof. André" (Rede), aprovado na sessão de hoje (30), passará ainda por segunda votação e, se aprovado novamente, seguirá para a mesa da prefeita Adriane Lopes (Patriota), que pode sancionar a lei ou vetar a proposta.

Tentativas frustradas - Em 2017, o ex-vereador André Salineiro (Podemos) conseguiu apoio dos vereadores da época, mas a proposta foi vetada pelo então prefeito. Os vereadores poderiam ter derrubado o veto, mas a maioria resolveu mantê-lo.

Em 2019, o Salineiro tentou fazer a proposta virar lei novamente, pois tinha direito de apresentar o mesmo projeto em anos diferentes. Mais uma vez, o vereador não teve apoio da maioria dos parlamentares para derrubar o veto.

Transparência - Prof. André explicou que se o projeto virar lei a prefeitura terá que divulgar as informações tanto pelo Portal da Transparência, quanto por uma placa.

“A população tem direito de saber. É questão de transparência, de respeito ao cidadão e em função do princípio da publicidade. Toda vez que uma obra para, o pessoal depreda. Deveria ter um guarda municipal lá cuidando. Estamos perdendo dinheiro com isso”, argumentou durante a votação do projeto.

Outros projetos - Ao todo, os vereadores aprovaram 6 projetos de lei hoje. Também do Prof. André, foi aprovado o projeto de lei 10.613/22, que dispõe sobre a criação do “Programa Meu Velho Amigo”. A proposta visa incentivar a inserção, no mercado de trabalho, de pessoas idosas com boa saúde que ainda se sintam aptas a integrarem o mercado.

Em primeira discussão, foi aprovado o projeto 10.399/21, da vereadora Camila Jara (PT), para ampliar o rol de crimes previstos em lei para impedir que condenados por violência contra as mulheres assumam cargos públicos.

Foi aprovado ainda o projeto de lei n. 10.663/22, que altera o nome da “Escola Municipal Harry Amorim Costa” para “Escola Municipal Cívico-Militar Governador Harry Amorim Costa”. A proposta é do vereador Alírio Villasanti Romero, o “Coronel Alírio” (União Brasil).

Em segunda discussão, foi aprovado projeto de lei 10.508/22, de autoria do vereador Victor Rocha Pires de Oliveira, o “Dr. Victor Rocha” (PP), que inclui a Semana da Gastronomia Japonesa, de 25 de outubro a 1 de novembro, no calendário oficial de eventos. Segundo o parlamentar, o objetivo é valorizar a culinária japonesa e contribuir para o aprimoramento da gastronomia, para o incremento do turismo, empregos e crescimento econômico.

Também foi aprovado o projeto de lei 10.555/22, que dispõe sobre a criação do Passaporte Cultural. A proposta é do vereador Ronilço Cruz, o “Guerreiro” (Podemos) e abrangerá todos os alunos matriculados nas escolas públicas municipais do ensino fundamental.

A cada visita feita a bibliotecas, museus, parques ecológicos, teatros e outros espaços, o visitante terá o passaporte carimbado. Ele dará direito à entrada gratuita ou a descontos em todas as instituições credenciadas junto ao município.

Nos siga no Google Notícias