ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, TERÇA  16    CAMPO GRANDE 23º

Política

Riedel diz que rateio proposto na reforma tributária é “extremamente injusto”

Governadores do Centro-Oeste se unem contra critério de divisão do novo Fundo de Participação dos Estados

Por Gabriela Couto | 28/10/2023 09:20
Governador de Mato Grosso do Sul, Eduardo Riedel (PSDB), respondendo perguntas durante coletiva de imprensa em agenda pública (Foto: Arquivo/Marcos Maluf)
Governador de Mato Grosso do Sul, Eduardo Riedel (PSDB), respondendo perguntas durante coletiva de imprensa em agenda pública (Foto: Arquivo/Marcos Maluf)

Uma operação ofensiva contra o relatório do senador Eduardo Braga (MDB-AM) para a reforma tributária começou a ser articulada pelos governadores do Centro-Oeste. A mudança no rateio do FNDR (Fundo Nacional de Desenvolvimento Regional) deixa Mato Grosso do Sul em penúltimo lugar na fila.

Em entrevista ao Estadão, o governador Eduardo Riedel (PSDB) afirmou que a proposta de distribuir 70% dos tributos pelo critério do FPE (Fundo de Participação dos Estado) e 30% pelo tamanho da população é “extremamente injusta”. Riedel promete se unir com os estados mais prejudicados para que a fatia seja distribuída igualmente entre as federações.

“Nosso Estado é um dos últimos no FPE porque tem baixa população e PIB per capita alto. Mas isso não nos tira a necessidade de um grande aporte de investimentos para tornar o Estado cada vez mais competitivo”, disse Riedel.

Ele também disse que vai advogar por um valor total de R$ 75 bilhões para FDR, ou seja, R$ 15 bilhões a mais do que está proposto no relatório. “Mais fácil a União absorver esse montante por ano do que os Estados abrirem mão de um porcentual disso para o seu desenvolvimento”.

Outra medida que o governador irá defender é que o relator deixe explícito no texto que a arrecadação da cobrança hoje feita pelos estados do Centro-Oeste faça parte do cálculo do futuro IBS (que vai unificar o ICMS e o ISS). A nova forma de arrecadação pretende centralizar o recurso e dividir entre as unidades federativas, levando em consideração a média da arrecadação entre 2024 e 2028.

Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

A intensão do governador é garantir uma forma do recurso continuar entrando no caixa do Estado. “Aí passa a ser uma questão do gestor do momento. Nós recebemos todo o dinheiro hoje do fundo de infraestrutura e direcionamos para investimentos. Quem gerir o orçamento do Estado (no futuro) vai ter que ter a responsabilidade de direcionar para investimentos. Mas você não perde a receita”, justificou.

Já o governador de Mato Grosso, Mauro Mendes (União Brasil), destacou que se o relatório proposto for aprovado vai “destruir” seu Estado. “Como pode o relator colocar grandes privilégios tributários para Manaus (estado de origem de Braga) e querer acabar com um programa de desenvolvimento regional que existe há anos?”, disparou.

Mendes é totalmente contra a proposta de mudar a arrecadação dos impostos da origem, como ocorre hoje, para o destino final. “O agronegócio exportador não vai pagar absolutamente nada de imposto no país, em nenhum Estado. Você acha justo que o agronegócio não pague nem o ICMS do diesel e use as estradas que serão mantidas com o imposto dos outros?”.

Entenda - Conforme noticiado, a previsão do repasse leva em conta os critérios de divisão da verba estipulados pelo relator, o senador Eduardo Braga. O texto aponta que 30% do valor, estimado em R$ 8 bilhões, sejam divididos colocando à frente os que têm maior população. Com 2,7 milhões de habitantes, Mato Grosso do Sul é o 21º na lista dos estados, conforme Censo de 2022 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Na proposta, o FNDR será usado pelos estados para conceder incentivos locais dentro do novo sistema tributário, que vai unificar PIS, Cofins, IPI, ICMS e ISS em dois novos tributos: a CBS (Contribuição sobre Bens e Serviços) federal e o IBS (Imposto sobre Bens e Serviços), de estados e municípios.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias