A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 17 de Agosto de 2017

13/02/2015 10:48

Secretário pode pedir prazo extra para entrega de contratos de tapa-buraco

Kleber Clajus
Valtemir Brito admite que prazo pode ser estendido devido ao grande número de documento a serem entregues à Câmara (Foto: Alcides Neto / Arquivo)Valtemir Brito admite que prazo pode ser estendido devido ao grande número de documento a serem entregues à Câmara (Foto: Alcides Neto / Arquivo)

O titular da Seintrha (Secretaria Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação), Valtemir Alves de Brito, pode pedir um prazo extra para apresentar respostas aos vereadores sobre operações tapa-buraco, em Campo Grande. A justificativa considera grande volume de documentos e a proximidade do feriadão de Carnaval.

“É muita cópia, cada processo tem 11 volumes. A intenção é cumprir [o prazo]. Se não conseguir podemos solicitar prorrogação de um, dois ou alguns dias”, pontuou o secretário, que havia prometido em reunião, na segunda-feira, envio de dados até este fim de semana.

Luiza Ribeiro (PPS) se apresenta cética quanto ao cumprimento do prazo e até aposta no atraso para conseguir duas assinaturas faltantes para abertura de CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que investigue valores, contratos e metodologia de fiscalização das operações tapa-buraco. O processo, que exige ratificação de dez parlamentares, já conta com apoio de Paulo Pedra (PDT), Ayrton Araújo (PT), Marcos Alex (PT), Thaís Helena (PT), Cazuza (PP), Chiquinho Telles (PSD) e José Chadid (sem partido). Porém, ainda há expectativa da entrega dos documentos até quarta-feira a tarde.

Líder da base aliada do Executivo, Edil Albuquerque (PMDB) admite ser um dos mais interessados em terminar com o “carnaval” promovido pela oposição, após denúncias de supostos tapa-buracos fantasmas. O peemedebista ainda afirmou que o acordo para as resposta foi do “mais rápido possível e não tem data”, uma vez que leva tempo para atender a individualidade dos questionamentos de cada parlamentar.

Já o vice-presidente da Comissão Permanente de Obras e Serviços Públicos, Edson Shimabukuro (PTB), acredita que as respostas apresentadas pelo secretário podem apaziguar os ânimos ou desencadear de vez na abertura da CPI. Ao cobrar mais fiscalização e planejamento da Prefeitura, o petebista ressalta que os trabalhos de tapa-buraco sempre vão existir por não ser possível recapear uma rua por conta de um buraco.

Estima-se que o investimento em operações tapa-buraco custe mensalmente R$ 13 milhões aos cofres públicos. Os contratos com as empresas são firmados por período de 12 meses, podendo ser aditados ou prorrogados por até 60 meses.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions