A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

25/11/2015 18:20

Sessão que debate prisão de Delcídio é marcada por visível desconforto

Michel Faustino
Sessão é acompanhada por 74 senadores que se mantiveram em silêncio diante dos pronunciamentos. (Foto: Divulgação)Sessão é acompanhada por 74 senadores que se mantiveram em silêncio diante dos pronunciamentos. (Foto: Divulgação)

Os 74 senadores que participam na tarde desta quarta-feira (25) da sessão que pode manter ou relaxar a prisão do senador Delcídio Amaral (PT), líder do governo na Casa, não esconderam o constrangimento diante do ineditismo da situação. A sessão está sendo transmitida AO VIVO pela TV SENADO. (Clique)

"Isso não é prazeroso para ninguém", disse o senador Antonio  Reguffe (PDT-DF), um dos que pediram a palavra para defender o voto aberto na sessão.

O plenário do Senado segue cheio e, além dos senadores, acompanham a sessão deputados da base e da oposição. Os parlamentares consideraram elegante a forma como o líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima (PB), defendeu a transparência na votação, mas um deputado petista disse acreditar que os tucanos também temem a extensão da operação policial realizada hoje. "Você acha que o PSDB também não está preocupado com o André Esteves?", questionou.

Ao se manifestar no plenário, o senador Jader Barbalho (PMDB-PA) se posicionou a favor do sigilo da votação. "Não creio que nenhum senador ou senadora está confortável nesta sessão", disse.

Barbalho contradisse senadores da oposição e defendeu que, se fosse de fato vontade do legislador, ele teria especificado o voto aberto para apreciação de prisão de parlamentares. Segundo ele, ao deixar em aberto, a Constituição quer, na verdade, mostrar que a decisão cabe ao Senado e ao seu regimento.

"A maioria não precisa, neste momento, passar e reivindicar o atestado de que são incapazes de serem transparentes. O voto da autonomia, o voto da responsabilidade sobre esse episódio é o voto secreto", disse.
Destacando que todos os senadores estão desconfortáveis e que o momento é "profundamente dramático e profundamente difícil", Barbalho disse não estar na tribuna para discutir o mérito.

"Não é da nossa competência discutir, neste momento, o mérito. Nós estamos a examinar o expediente de outro poder da República, um dos mais importantes, que deve ser prestigiado, que é o Supremo Tribunal Federal", declarou.

Ele afirmou que o que está em jogo não é o drama pelo qual passa o senador Delcídio Amaral, e sim a vida do Senado, "que é mais importante do que todos nós". "O que está em jogo hoje não é o senador Delcídio Amaral, que eu creio todos nós lamentamos o fato acontecido com ele. O que está em jogo é o Senado da República", destacou.

Barbalho disse que não se prestaria a interpretar a Constituição. "Esse é o episódio de hoje, mas Deus poupe o Senado e o Congresso de viver outros episódios", disse. Ele afirmou que, ao interpretar a Constituição, estaria subtraindo o poder do Senado de decidir sobre o rito de votação.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions