ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 23º

Política

Simone cobra apuração após conflito com morte de indígena em MS

Dez pessoas ficaram feridas em fazenda de Amambai após ação da Polícia Militar em Amambai

Por Adriel Mattos | 26/06/2022 09:47
Senadora Simone Tebet, do MDB de Mato Grosso do Sul. (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)
Senadora Simone Tebet, do MDB de Mato Grosso do Sul. (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)

A senadora Simone Tebet (MS), pré-candidata do MDB à Presidência da República, exigiu “investigação e punição rigorosas” sobre o conflito entre o BPChoque (Batalhão de Choque) da Polícia Militar e indígenas guarani-kaiowá em Amambai, na região sul de Mato Grosso do Sul, na sexta-feira (24). A comunidade alega que a polícia efetuou uma reintegração de posse sem mandado judicial.

“O Brasil está cansado de tanta violência. É preciso um governo que sinalize diálogo e tolerância para que o país encontre mecanismos mais eficientes para estabelecer e garantir os direitos dos povos originários e pôr fim aos conflitos”, publicou Simone na rede social Twitter no sábado (25).

No confronto ocorrido ontem de manhã, um indígena de 42 anos, identificado como Vito Fernandes, foi morto, e outros dez ficaram feridos. Dois deles foram transferidos do Hospital Regional de Amambai para unidade em Ponta Porã e terceiro para Dourados.

Os militares do BPChq permanecem na sede da Fazenda Borda da Mata. A situação no entorno da fazenda, distante cerca de 20 quilômetros da zona urbana, é considerada delicada e ainda de tensão entre policiais e indígenas. Na cidade, o clima é de tranquilidade e aparente costume com os embates recorrentes na região de fronteira com o Paraguai. “Vira e mexe aqui o couro come”, disse um morador.

Em nota, na sexta, a PF (Polícia Federal) informou que foi ao local para “avaliar a situação”. Hoje, a informação é que a equipe foi até lá por conta de denúncia de que funcionário da Funai (Fundação Nacional do Índio) havia sido mantido refém. A assessoria relatou que ele encontra-se fora de perigo. O policiamento continua, mas quem está no comando das ações é a Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública).

Confronto também deixou indígenas desaparecidos, que já foram localizados. (Foto: Divulgação/Cimi-MS)
Confronto também deixou indígenas desaparecidos, que já foram localizados. (Foto: Divulgação/Cimi-MS)


Nos siga no Google Notícias