ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEXTA  23    CAMPO GRANDE 31º

Política

Simone lista cinco pontos, mantém críticas, mas declara apoio a Lula no 2° turno

Emedebista almoçou com o presidenciável antes do pronunciamento

Jéssica Benitez | 05/10/2022 15:30
Simone Tebet confirma apoio a Lula no 2° turno das eleições (Foto Assessoria)
Simone Tebet confirma apoio a Lula no 2° turno das eleições (Foto Assessoria)

A senadora sul-mato-grossense, Simone Tebet (MDB), que concorreu à Presidência da República e obteve o terceiro lugar nas urnas com 4,2% dos votos, declarou apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no segundo turno das eleições presidenciais.

Em manifesto à nação, ela manteve as críticas que teceu ao petista enquanto candidata, listou cinco pontos de seu plano de governo que devem ser aderidos pelo ex-presidente e justificou que tomou decisão de apoiá-lo porque não acredita que a atual gestão, do presidente e candidato à reeleição, Jair Bolsonaro (PL), respeite de fato a democracia.

“Por tudo isso, ainda que mantenha as críticas que fiz ao candidato Luiz Inácio Lula da Silva, em especial nos últimos dias de campanha, quando cometeu o erro de chamar para si o voto útil, o que é legítimo, mas sem apresentar suas propostas para os reais problemas do Brasil, depositarei nele o meu voto, porque reconheço seu compromisso com a Democracia e a Constituição, o que desconheço no atual presidente”.

A emedebista se desculpou amigos e companheiros que, segundo ela, imploraram que se mantivesse neutra com medo que perda capital político devido ao tom hostil instalado nas ruas devido à polarização no último confirmada no domingo (2).

Mas, após citar que foi às ruas pelas Diretas Já, disse que “seria desonrar a história de vida pública de meu pai e de homens históricos do meu partido e da minha coligação. Não anularei meu voto, não votarei em branco. Não cabe a omissão da neutralidade”.

Também citou o uso do evangelho na guerra política que se colocou no Brasil, o movimento negacionista que atrasou a chegada da vacina contra a Coivd-19 aos brasileiros e a banalização da liberação das armas de fogo.

“A mentira feriu a verdade. O ouvido conciliador deu lugar à voz esbravejada. O conceito de humanidade foi substituído pelo de desamor. O Brasil voltou ao mapa da fome. O orçamento, antes público, necessário para servir ao povo, tornou-se secreto e privado”.

Após ressaltar que mantém as críticas que fez aos dois candidatos que disputam o comando do País, afirmou que seu apoio não é por adesão e sim por um Brasil fora do mapa da fome, inclusivo, com saúde e educação.

“Um Brasil com reformas estruturantes, que respeite a livre inciativa, o agronegócio e o meio ambiente, com comida mais barata, emprego e renda”. Por fim elencou os cinco pontos que devem ser respeitados pelo eventual governo do PT.

Confira-os abaixo:

Educação: ajudar municípios a zerar filas na educação infantil para crianças de três a cinco anos e implantar, em parceria com os estados, o ensino médio técnico, com período integral e conectividade, garantindo uma poupança de R$ 5 mil ao jovem que concluir o ensino médio, como incentivo para que os nossos jovens voltem à escola;

Saúde: zerar as filas de cirurgias, consultas e exames não realizados no período da pandemia, com repasse de recursos ao SUS.

Endividamento: resolver o problema do endividamento das famílias, em especial das que ganham até três salários mínimos mensais;

Equidade: sancionar lei que iguale salários entre homens e mulheres que desempenham, com currículo equivalente, as mesmas funções. Esse projeto já foi aprovado no Senado Federal e encontra-se parado na Câmara dos Deputados.

Paridade: um ministério plural, com homens, mulheres e negros, todos tendo como requisitos a competência, a ética e a vontade de servir ao povo brasileiro.

Simone e Lula almoçaram antes do anúncio e na manhã desta quarta-feira (5) a executiva nacional do MDB liberou correligionários a tomarem acerca de apoio na segunda etapa das eleições.

Nos siga no Google Notícias