ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
DEZEMBRO, SÁBADO  02    CAMPO GRANDE 26º

Política

Sob pressão dos professores Câmara Municipal realiza sessão relâmpago

Antonio Marques | 09/07/2015 11:59
Vereadores conversam com professores durante a sessão relâmpago de hoje na Câmara Municipal. Eles querem apoio dos vereadores para resolver o impasse nas negociações com a prefeitura e encerrar a greve que passou de 45 dias (Foto: Antonio Marques)
Vereadores conversam com professores durante a sessão relâmpago de hoje na Câmara Municipal. Eles querem apoio dos vereadores para resolver o impasse nas negociações com a prefeitura e encerrar a greve que passou de 45 dias (Foto: Antonio Marques)
Pelo 15º dia os professores estiveram na Câmara solicitando apoio dos vereadores para intercederem ao prefeito Gilmar Olarte para negociar e por fim à greve (Foto: Antonio Marques)
Pelo 15º dia os professores estiveram na Câmara solicitando apoio dos vereadores para intercederem ao prefeito Gilmar Olarte para negociar e por fim à greve (Foto: Antonio Marques)

Sob a pressão dos professores no 15º dia de participação nas sessões da Câmara Municipal, que seguravam nas mãos embalagens de pizzas com as fotos dos parlamentares, a sessão de votação de hoje, 9, durou menos de 15 minutos. Foram votados três requerimentos ao prefeito Gilmar Olarte (PP) e a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) – Projeto de Lei nº 8.021/15, de autoria do Poder Executivo Municipal, em segunda discussão.

A LDO, apresentada pela prefeitura, prevê aumento de apenas R$ 2 milhões no orçamento para 2016, comparado ao desse ano, de R$ 3,672 milhões, crescimento de 0,05% no orçamento do próximo ano, que deve chegar a R$ 3,674 milhões. Foram acatadas 55 emendas ao projeto original. O projeto foi aprovado em votação simbólica, sem questionamentos, como ocorreu na primeira votação, na última terça-feira.

O presidente da Casa, vereador Mário Cesar (PMDB) encerrou a sessão relâmpago por volta das 10h30min sob a revolta dos professores, que esperavam a votação de um requerimento da oposição, apresentado à mesa nessa quarta-feira, 8, pedindo o comparecimento do prefeito para explicar a razão do impasse nas negociações da greve dos professores, que já passou de 45 dias. Os parlamentares saíram do plenário sob vaias e falas de ordem dos educadores. “No ano que vem tem eleição. Não tem nada não”, gritavam eles,

Dois projetos do Executivo solicitando crédito adicionais suplementar no valor de quase R$ 63 milhões, sendo um de R$ 2,5 milhões e outro de R$ 60,4 milhões, apresentados na sessão itinerante da última terça-feira, 7, não foram votados hoje. Os professores também têm pressionados aos vereadores para não votarem projetos de autoria do prefeito.

Nessa quarta-feira não houve sessão deliberativa em razão do número insuficiente de parlamentares no plenário para realização de votação dos projetos. O vereador Chiquinho Teles (PSD) disse que os professores não queriam a votação da LDO. “A Câmara não pode parar para atender apenas uma categoria”, comentou ele, dizendo que a greve está judicializada e os parlamentares ficam de mãos atadas.

O vereador Paulo Pedra (PDT) disse não entender o motivo de a sessão ter sido encerrada mais cedo. Ele questionou a presidência da Casa sobre a votação do requerimento de convocação do prefeito à Câmara, mas a resposta de Mário Cesar foi que todos os requerimentos que estavam à mesa foram votados e nada mais havia para análise. Por isso, estaria encerrando a sessão. “Talvez os professores estejam mesmo incomodando alguns colegas”, declarou Pedra.

Nos siga no Google Notícias