ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEXTA  24    CAMPO GRANDE 18º

Capital

Após distribuição de pizzas, vereadores decidem ajudar professores em greve

Ricardo Campos Jr. e Antônio Marques | 08/07/2015 13:53
Professores levaram mais de 50 pizzas para distribuição na Câmara (Foto: divulgação)
Professores levaram mais de 50 pizzas para distribuição na Câmara (Foto: divulgação)

Após a distribuição de pizzas em tom de protesto na Câmara Municipal, vereadores decidiram contribuir para o fim do impasse entre a Prefeitura e os professores. Parlamentares aproveitaram que o secretário de Governo Paulo Matos estava na Casa, para promoverem reunião com ele e o presidente da ACP (Sindicato Campo-grandense dos Profissionais da Educação Pública), Geraldo Gonçalves Alves.

Este é o 14º encontro entre o representante da categoria e o poder público, segundo o sindicalista. Os educadores lutam pelo cumprimento da Lei 5.411/2014, que garante o reajuste de 13,01%, determinado por lei sobre o piso nacional.

Ao final do encontro na Câmara, Matos e os vereadores assumiram o compromisso de conversar com o prefeito Gilmar Olarte (PP) ainda nesta quarta-feira (8) para que uma nova proposta seja elaborada e apresentada antes da reunião entre os professores e o MPE (Ministério Público Estadual), marcada para amanhã de manhã. "Dessa vez penso que vamos convencer o prefeito", comentou Delei Pinheiro com Geraldo Alves, na saída da Câmara.

O secretário de Governo havia ido até a Câmara para uma reunião com os parlamentares da base aliada. Gonçalves ao ocupar a Tribuna aproveitou para criticar a postura dos vereadores, por não terem se envolvido no debate para acabar com a greve.

Paulo Pedra (PDT) anunciou ao Plenário da presença de Matos na Casa, e chegou a ser cogitado um convite para que ele falasse publicamente aos professores que estavam na sessão e que faziam pressão para que Matos aparece no local. Um dos parlamentares que estava na reunião fechada, Delei Pinheiro (PSD) convidou o presidente da ACP para participar com eles a portas fechadas e explicasse a proposta dos professores à prefeitura.

Em razão da reunião paralela à sessão, não houve número mínimo de vereadores para o início da votação de projetos de leis e requerimentos e os trabalhos foram encerrados. Mesmo com o fim da sessão, os professores permaneceram no local até que Geraldo Gonçalves retornasse com uma resposta da conversa com o secretário de Governo.

Manifesto – As pizzas foram usadas para simbolizar o impasse entre os educadores e o poder público. O alimento foi distribuído para os funcionários da Câmara e motoristas que passavam em frente ao local.

Segundo a professora Elimar Cristina, na profissão há 22 anos, a ACP comprou 50 pizzas e os professores também levaram algumas de casa. Com cartazes informando os sabores com nomes dos vereadores, os educadores entregavam pedaços às pessoas que chegavam ao local para participar da sessão e quem passava na rua em frente à Câmara.

"Temos pizzas sabor Chocolate, Edil, Saraiva. Só sabores indigestos", afirmou a representante sindical, acrescentando que a finalidade é chamar a atenção da população, uma vez que os vereadores não estão ajudando no processo.

Nos siga no Google Notícias