ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, SEXTA  19    CAMPO GRANDE 29º

Política

STJ mantém conselheiros fora do TCE por 180 dias

Também ficou mantido o uso das tornozeleiras nos investigados da Operação Terceirização de Ouro

Gabriela Couto | 15/03/2023 15:09
Reprodução da sessão extraordinária desta quarta-feira (15) do Superior Tribunal de Justiça. (Foto: Reprodução)
Reprodução da sessão extraordinária desta quarta-feira (15) do Superior Tribunal de Justiça. (Foto: Reprodução)

O STJ (Superior Tribunal de Justiça) negou, por unanimidade, todos os recursos dos conselheiros do TCE-MS (Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul), Iran Coelho das Neves, Waldir Neves e Ronaldo Chadid. A decisão foi tomada em sessão extraordinária, na tarde desta quarta-feira (15). Há pouco mais de 3 meses eles já estão longe do órgão, desde 8 de dezembro e devem ficar mais 3.

Dentre os pedidos estava a revogação de todas as medidas cautelares, incluindo o afastamento dos cargos e o monitoramento eletrônico. Com a negativa, os réus continuam afastados por 180 dias e impedidos de chegarem perto do prédio do tribunal desde a deflagração da Operação Terceirização de Ouro, da Polícia Federal.

“Triste a decisão; defesa continuará demonstrando que Iran Coelho das Neves é um Conselheiro justo e honesto; Justiça mais adiante certamente assim considerará”, disse o advogado do conselheiro André Borges. Ele e o advogado Julicezar Barbosa vão avaliar mais adiante se vão recorrer em outra instância.

Terceirização de Ouro - No dia 8 de dezembro do ano passado, a Polícia Federal deflagrou a Operação Terceirização de Ouro, na qual revelou esquema de desvio de dinheiro por meio de serviços prestados pela Dataeasy Consultoria e Informática Ltda.

O serviço prestado já estava suspenso há pouco mais de dois meses. O presidente do tribunal, conselheiro Jerson Domingos, assinou a ruptura. Para que as atividades não sejam prejudicadas, as ferramentas disponibilizadas pela companhia e toda sua extensão podem ser utilizadas até que haja contrato com nova especializada.

De acordo com o TCE-MS, a Dataeasy se comprometeu a repassar o código fonte dos sistemas e as informações pertinentes, repassar os licenciamentos e os pacotes de bibliotecas necessários para o correto funcionamento das aplicações, bem como documentação técnica do sistema e os conhecimentos básicos tecnológicos e de processo inerentes ao sistema.

A empresa, que tem sede em Brasília, tinha liberdade de cobrar de R$ 24,87 a R$ 1.194 pelo serviço de “atualizar informações”. De acordo com apuração policial, entre 2018 e 2022, houve gasto de R$ 102 milhões neste sentido.

Mineração de Ouro - A primeira fase da investigação, batizada Mineração de Ouro, realizada em junho de 2022, apontou que “a empresa é remunerada por tarefa, não havendo diferenciação de complexidade ou tempo efetivamente utilizado”.

À época em que tudo ocorreu, a eleição para escolha do novo comando do TCE-MS estava prestes a acontecer, sendo possível candidato à reeleição o conselheiro Iran. Após o afastamento ele renunciou e Jerson Domingos, que também disputaria, entrou como presidente interino.

Nos siga no Google Notícias