ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SÁBADO  22    CAMPO GRANDE 28º

Política

TCE aprova contas de 2023 do Governo do Estado, com alerta à Previdência

Conselheiro relator cobrou repasse maior à habitação e ciência e tecnologia

Por Maristela Brunetto | 22/05/2024 12:15

Conselheiros aprovaram parecer das contas do Executivo; representantes do Governo e Assembleia assistiram votação (Foto: Reprodução)
Conselheiros aprovaram parecer das contas do Executivo; representantes do Governo e Assembleia assistiram votação (Foto: Reprodução)

Os conselheiros do TCE/MS (Tribunal de Contas do Estado) aprovaram em sessão do pleno desta manhã parecer sobre a prestação de contas do Governo Estadual referentes ao ano de 2023, a primeira da gestão de Eduardo Riedel (PSDB). A ressalva ficou com a preocupação com o déficit da previdência.

O parecer formulado pela Corte Fiscal será encaminhado para os deputados estaduais, que julgarão a prestação de contas do Executivo. O primeiro a falar sobre os dados repassados pelo Governo foi o procurador João Antônio de Oliveira, que mencionou o trabalho de técnico de análise dos dados contábeis. Aliás, parte dos membros do corpo técnico participou do julgamento como conselheiros substitutos, diante do afastamento de três membros do TCE: Waldir Neves, Ronaldo Chadid e Iran Coelho das Neves. Integraram o julgamento Patrícia Sarmento, Leandro Lobo e Célio Lima.

O procurador  mencionou “efetivo cumprimento de metas fiscais”, equilíbrio entre receitas e despesas e cumprimento dos percentuais de investimentos em saúde e educação. Disse ter recebido informações suficientes e detalhadas sobre as receitas do Estado, assim como da situação patrimonial, indicando cumprimento de metas da Lei de Responsabilidade fiscal com folha de pessoal e endividamento.

Mas destinou boa parte de sua fala para lamentar sobre o desequilíbrio das contas da previdência dos servidores estaduais, gerida pela Ageprev. Ele apontou uma falta de medidas efetivas por diferentes autoridades, incluindo o próprio Ministério público de Contas do TCE, na solução do déficit atuarial.

Em debate recente com aposentados, o Governo apontou rombo de R$ 11 bilhões, tanto que apontou a impossibilidade de reduzir descontos, que correspondem a 14% dos vencimentos, e compensou os menores salários com um auxílio de R$ 300. Os deputados criaram uma comissão na Assembleia para debater a dívida da previdência.

Oliveira disse que é preciso reverter a dívida, como compromisso com as futuras gerações, que viu sob “grave risco de desassistência”.

Ressalvas – Após a apresentação do parecer, o relator das contas no TCE, conselheiro Osmar Jerônymo apresentou voto com ressalvas e recomendações. Cobrou do Governo maior detalhamento dos aspectos contábeis da prestação de contas para seguir padrão da LRF e também falou sobre o desequilíbrio entre receitas e despesas da previdência. Entre as ressalvas, apontou que o Executivo deve ampliar recursos para cumprir legislações estaduais que fixam investimentos mínimos de 1% da arrecadação em habitação popular e meio por cento em ciência e tecnologia, via Fundect.

O texto teve aprovação unânime e seguirá para a Assembleia. A votação foi acompanhada pelo secretário Rodrigo Perez, que representou o governador, pelo deputado Paulo Corrêa, que representou o presidente da Assembleia, Gerson Claro – ambos participavam de reunião no Legislativo; de representantes do Ministério Público, Procuradoria e Controladoria do Estado.

Nos siga no Google Notícias