ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, DOMINGO  21    CAMPO GRANDE 23º

Política

TSE derruba perfis e grupos com mais de meio milhão de pessoas

Presidente do TSE concedeu coletiva de imprensa nesta tarde

Jéssica Benitez | 30/10/2022 15:29
Alexandre de Moraes presidente do TSE (Foto Tribunal Superior Eleitoral)
Alexandre de Moraes presidente do TSE (Foto Tribunal Superior Eleitoral)

Nas últimas 36 horas a Justiça Eleitoral expediu 12 decisões que derrubaram 384 impulsionamentos de conteúdo publicados em redes sociais e sete sites. Além disso, 15 perfis que propagavam notícias falsas e cinco grupos do aplicativo de mensagens Telegram, que juntos tinham 580 mil participantes, saíram do ar pelo mesmo motivo.

As informações foram dadas pelo presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Alexandre de Moraes, durante coletiva de imprensa na tarde deste domingo (30).

As resoluções que permitiram a retirada das fakes news são fruto da força-tarefa feita pela Corte para intensificar o combate às informações falsas durante o segundo turno. “Não só a noticia falsa, como o discurso de ódio”, destacou. Também estava proibido o impulsinamento de conteúdo 48 horas antes da eleição.

PRF – Sobre as operações da Polícia Rodoviária Federal na região Nordeste, que estariam impedindo que eleitores que chegassem ao destino final para votar, o diretor da PRF disse ao TSE que todas foram embasadas no código brasileiro de trânsito. Moraes garantiu que não houve prejuízo à votação.

 “A alegação era de ver coisas como pneu careca, faróis. Mas não houve nenhum veículo obrigado a voltar à origem e nenhum prejuízo ao direito de exercer o voto”, justificou. Após o fim das eleições haverá investigação para detalhar o porquê de as operações terem sido ressaltadas justamente no dia da votação.

Apuração – Sobre o término da apuração, o presidente não quis fixar horário, já que pode ocorrer imprevistos e modificar o que é esperado. “E aí começam a questionar a lisura do processo (de apuração)”.

Nos siga no Google Notícias