ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEXTA  24    CAMPO GRANDE 25º

Reportagens Especiais

Associação negra nasceu da fé de Maria Rosa e abriu as portas para Campo Grande

Associação atende 70 crianças com oficinas culturais e educação antirracista muito antes de o termo existir

Por Silvia Frias | 17/02/2024 08:00
Campo Grande News - Conteúdo de Verdade
Tradição religiosa em homenagem a São João Batista desde 1922 (Foto/Arquivo pessoal)
Tradição religiosa em homenagem a São João Batista desde 1922 (Foto/Arquivo pessoal)

Em 1922, José Soares Magalhães nasceu de cinco meses, em local afastado na zona rural de Coxim, a 253 quilômetros de Campo Grande. Mirrado, cabia dentro de caixa de sapato e a sobrevivência do bebê era considerada quase zero. A mãe, Maria Rosa da Anunciação, apelou pela vida do filho a São João Batista, iniciando tradição religiosa que atravessou os anos e, hoje, é resistência negra e serviço à comunidade em Campo Grande.

A Associação Familiar da Comunidade Negra São João Batista é localizada no Bairro Pioneiros, zona urbana da Capital. O endereço pode causar estranheza para quem imagina que comunidade quilombola tem relação somente com território em zona rural.

José Reginaldo (azul claro) organizou a festa a pedido da família, missão que cresceu ao longo dos anos (Foto/Arquivo pessoal)
José Reginaldo (azul claro) organizou a festa a pedido da família, missão que cresceu ao longo dos anos (Foto/Arquivo pessoal)

Pelos dados do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), essas comunidades se caracterizam por grupos étnicos, constituídos por população negra rural ou urbana, descendentes ou ex-escravizados que se autodefinem por relações específicas como território, mas também com a ancestralidade, as tradições e práticas culturais próprias.

A bisneta de Maria Rosa, Rosana Anunciação Franco, 50 anos, conta o caminho trilhado pela família para se autodefinir como quilombola. Ela é presidente de honra da associação, depois de ter comandado a entidade por 5 anos. Diz que a partir da sobrevivência do tio, Maria Rosa passou a cumprir a promessa, realizando terço seguido de festa típica, nos dias 23 e 29 de junho.

Em 1945, a família migrou para Campo Grande em busca de melhores condições de vida. De Coxim, vieram mais de 20 pessoas. “Só minha bisavó tinha 13 filhos; como tinha muita gente, cada um foi para um canto, ela foi morar no Bairro Monte Líbano”. A tradição religiosa continuou e a vizinhança chamava de “Festa dos Trindade”.

De branco e vermelho, os guardiães cuidam do altar de São João Batista (Foto: Arquivo familiar)
De branco e vermelho, os guardiães cuidam do altar de São João Batista (Foto: Arquivo familiar)

Depois de anos no comando da tradição, Maria Rosa passou o bastão. O filho, José Soares, considerado o milagre de São João, assumiu os trabalhos até o seu falecimento.

Maridalva Delfina Anunciação, 77 anos, mãe de Rosana e atual presidente da associação, diz que a viúva de José ainda organizou a festa tradicional por dois anos. Adoentada, pediu que José Reginaldo de Anunciação, neto de Maria Rosa, assumisse a festa. “Meu marido falou ‘vou ficar com essa missão’”, lembra Maridalva. A fé, segundo ela, fez a família toda continuar abraçando a causa.

Rosana e Maridalva na capela na associação: mãe e filha mantêm a tradição familiar (Foto: Marcos Maluf)
Rosana e Maridalva na capela na associação: mãe e filha mantêm a tradição familiar (Foto: Marcos Maluf)

Rosana diz que o pai começou a organizar a festa na década de 1980, mas foi somente entre 1997 e 1998, que Aleixo Paraguassu e outros integrantes do movimento negro de Mato Grosso do Sul os despertaram para a importância do reconhecimento do território quilombola.

Segundo Rosana, na São João Batista, o processo passou pelo autorreconhecimento e a certificação da comunidade. No caso deles, não caberia titulação, por não se tratar de posse histórica da terra. Da história da família, mapearam a vinda de Minas Gerais, e, antes, dos bantos, oriundos da África Central.

Desde 1990, passaram a ocupar imóvel no Bairro Pioneiros, de 90 metros quadrados. A associação nasceu juridicamente no dia 15 de novembro de 2000, formada por integrantes das famílias Anunciação e Bispo, estes vindos da comunidade Dos Pretos, de Terenos.

Seis anos depois, a comunidade recebeu a certificação da Fundação Cultural Palmares, que faz parte do processo de reconhecimento federal, podendo auxiliar para financiamentos e convênios.

Vanessa dança durante aula de percussão: "cria" da casa que voltou para auxiliar no projeto (Foto: Marcos Maluf)
Vanessa dança durante aula de percussão: "cria" da casa que voltou para auxiliar no projeto (Foto: Marcos Maluf)

Abrindo as portas - Desde a década de 2000, o comerciante José Reginado começou a realizar sonho de desenvolver projeto voltado para as crianças da comunidade, para que tivessem espaço livre de preconceitos. “Ele contava para a gente que, quando saía para brincar com os irmãos na praça, as mães tiravam os filhos de perto; isso para ele era o fim”. Sem ainda existir o termo, ele trabalhava a educação antirracista. “Ele queria tratamento igualitário e que pudesse ensinar as crianças com respeito”.

Com o passar dos anos, a família viu a necessidade de abrir as portas da comunidade quilombola. “Quando colocavam as nossas músicas na dança, algumas pessoas passavam e jogavam pedra, falavam que a gente estava fazendo macumba, sem nem ao menos entender, saber ou respeitar as religiões de matriz africana”. Para a família de Rosana, um sinal do medo gerado pelo desconhecimento.

Crianças durante oficina no período de ferias, em fevereiro (Foto: Marcos Maluf)
Crianças durante oficina no período de ferias, em fevereiro (Foto: Marcos Maluf)

Os associados começaram a dar cursos abertos no bairro. Um dos irmãos dava aulas de futebol; outra irmã atuava com recreadora e uma tia palestrava sobre diversos temas.

O trabalho formiguinha deu certo e hoje se tornou o Projeto Social Curumim Pé de Ouro, que atende 70 crianças e adolescentes, de 6 a 15 anos, em diversas oficinas, como dança afro, cidadania, sustentabilidade, desenho, percussão, artesanato, violão, libras e fotografia, esta para pessoas de até 20 anos.

Também há assistência psicológica e apoio familiar, já que há casos de crianças que vêm de lares fragilizados. Uma das exigências é que os atendidos estejam regularmente matriculados em escolas públicas.

Sede da associação, no Pioneiros, espaço conquistado em 2000 (Foto: Marcos Maluf)
Sede da associação, no Pioneiros, espaço conquistado em 2000 (Foto: Marcos Maluf)

O projeto já teve apoio do Criança Esperança, da Unicef e hoje conta com parceria da prefeitura da Capital, Sesc Mesa Brasil, Senac e Associação Espero. Hoje, as contribuições são bem-vindas para os novos projetos ou retomadas de trabalhos que tiveram que ficar pelo caminho: o ônibus usado pelo coral, por exemplo, hoje é sucata encostada no gramado da associação.

No dia da visita à comunidade, estavam em funcionamento as oficinas de férias, que iriam durar até início de fevereiro. De um lado, os pequenos brincavam com balões; do outro, os jovens estavam na aula de percussão. Vanessa Dias Nascimento, 22 anos, acompanhava o batuque para entrar no ensaio, com passos de dança afro.

A jovem participou do projeto dos 6 aos 13 anos. Voltou dando apoio voluntário, depois, como educadora. “Me ajudou a ter conhecimento, perder timidez, me tornei pessoa sociável”, diz. Vanessa se formou em Pedagogia e hoje atua como dançarina no projeto. A abordagem histórica e social da cultura negra também a despertou para a luta contra o racismo e o preconceito. “Isso não tinha na escola regular”, lembra.

O patriarca, José Reginaldo, morreu em abril de 2020, mas teve o trabalho perpetuado pela esposa, pela filha e, agora, pelo neto. João Trindade Delfino Anunciação, 24 anos, é coordenador das oficinas do Projeto Curumim Pé de Ouro.

Filho de Rosana, João foi criado vendo a tradição e o trabalho da associação, sendo mais uma geração participando ativamente da comunidade. “Antes de eu ter idade, já estava no meio de tudo, faz parte de mim”. Diz que a intenção é ampliar o atendimento para idosos e cursos profissionalizantes para adolescentes acima dos 15 anos.

João, tataraneto de Maria Rosa, nascido e criado dentro da tradição familiar (Foto: Marcos Maluf)
João, tataraneto de Maria Rosa, nascido e criado dentro da tradição familiar (Foto: Marcos Maluf)

Invisível – Assim como São João Batista, outras comunidades também não passam pela titulação do Incra, mas tem a certificação da Fundação Cultural Palmares, sendo Ourolândia, de Rio Negro; Dos Pretos, de Terenos e Santa Tereza/Família Malaquias, de Figueirão.

O coordenador estadual da Fenaq (Federação Nacional das Associações Quilombolas de MS), Valdecir Amorim, explica que todas são associações, cada uma trabalhando com algum direcionamento, como projetos culturais. Ter a certificação ou titulação garante a acessos a créditos em projetos de agricultura familiar, por exemplo. “Sem isso, é invisibilizado, é como ter um bem imóvel e não ter a garantia”.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.


Confira a galeria de imagens:

  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
Nos siga no Google Notícias