A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

03/09/2013 16:44

Vídeo mostra confronto entre funcionários e policiais em frigorífico Beef Nobre

Lidiane Kober

Vídeo encaminhado por leitor do Campo Grande News, nesta terça-feira (3), mostra detalhes da confusão de funcionários do Frigorífico Beef Nobre e sindicalista com policiais, no início da manhã de ontem (2). O confronto resultou na prisão de quatro pessoas, lideradas nesta terça-feira.

Com ânimos exaltados, houve empurra-empurra entre funcionários e policiais, além de troca de provocações. “Pode atirar, pode atirar, nós estamos aqui para isso, estamos vendo quem são vocês”, disse um trabalhador aos policias. “Queremos greve, queremos greve”, emendaram os funcionários, em coro.

No início da gravação, disparos são ouvidos, mas não é possível identificar de onde eles partiram. “Ta machucando”, dizia uma mulher. “Palhaçada”, reclamava outro trabalhador. Os policiais, por sua vez, seguiam em silêncio e apenas continham os funcionários.

Clima esquenta - No meio do vídeo, surgem dois trabalhadores, supostamente alvos de tiros de bala de borracha. Eles apontam ferimentos e se aproximam dos policias, que pedem licença e, sem sucesso, atiram contra o chão. O clima esquenta e eles trocam empurrões e insultos.

Na sequência, um dos trabalhadores, supostamente alvo de tiro de bala de borracha, é carregado pelo pescoço por um policial. O trabalhador acaba detido no camburão, ao lado de outro funcionário. Os policiais afirmavam que um deles estava “embriagado”. Em resposta, uma mulher dizia: “Somos trabalhadores, acordamos às 4h da manhã”. “Essa é a Justiça do Brasil, tem um monte de vagabundo aí fora”, afirmava outro funcionário.

Livres – Além dos dois funcionários, Fabiano Pereira Alves e Cristiano Rodrigues Duarte, acabaram atrás das grades por conta do confronto, Alexandre Costa, vice-presidente da Cassems e presidente do Sintss (Sindicato da Seguridade Social), e Ricardo Bueno, presidente do Conselho Estadual de Saúde e representantes da CUT. Na manhã de hoje, a Polícia Civil liberou os quatro.

Desde a manhã de segunda-feira, os trabalhadores do frigorífico cruzaram os braços, e iniciaram negociação salarial com os dirigentes da empresa. No fim da tarde, a conversa entre patrões e empregados se encaminhava para um acordo, quando a ação policial teria atrapalhado.

Os trabalhadores pedem um aumento salarial de 9%, além do valor do vale refeição que subiria de R$ 60 para R$ 100, participação dos lucros da empresa de R$ 430 para R$ 700 e folga aos sábados, já que eles folgam somente uma vez ao mês, sendo o único frigorífico da Capital que trabalha dessa maneira. 



Eu acho um absurdo chamar policias para os trabalhadores que estão reivindicando seus direitos com tanta criminalidade na rua onde eles deveriam estar, cuidando dos cidadãos no entanto estão lá passando bala de borracha nos trabalhadores.
 
Marcos Veiga Alfonso em 26/09/2013 10:55:56
Parabéns a equipe de Força Tática, pois é difícil lidar com pessoas que só pensam nos direitos e esquecem os deveres de cidadão.Fazer reivindicação com bebida na cabeça e proferindo um monte de palavrão,com certeza não é a melhor escolha, muito menos desrespeitar o serviço policial.
 
luiz fernando rodrigues em 03/09/2013 22:30:14
Que atuação dos policiais militares. Em nenhum momento aceitaram os xingamentos e agressões dos manifestantes. Cumpriram a risca a função de retomar a ordem pública. Esses comentários deveriam chegar aos seus comandantes. Em outros tempos teríamos mortes. Parabéns aos PMs. Todos ali são soldados, demonstrando que o treinamento está sendo bem feito.
 
João Silvestre em 03/09/2013 19:41:05
Com poucos policiais e poucos recursos materiais a PM fez o que deveria fazer sem criar uma tensão maior diante da situação. Parabéns aos policiais que atuaram nesta ocorrência!
 
Airton Santos em 03/09/2013 17:48:47
não trabalho em frigorifico, nem tenho nenhum ente lá mas me revolta a forma que esses policiais trataram esse grupo de trabalhador pois até a policia faz greve para rever seus direitos, e isso é direito do cidadão se organizar e pedir melhoria. isso foi um crime contra todos os trabalhadores. reage cut e prova que voces valem alguma coisa ou só presta para pegar o dinheiro do sindicato reage.
 
leandro rodrigues garcia em 03/09/2013 17:25:08
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions