A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

19/10/2010 10:20

Para Famasul, greve e fechamento é reflexo de mercado

Redação

O presidente da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul), Eduardo Riedel, avaliou nesta manhã o problema enfrentado pelo setor frigorífico do Estado, o que, para ele, tem relação com as mudanças na cadeia produtiva.

No início do mês, o Independência anunciou o fechamento de sua unidade em Nova Andradina. Foram demitidas mais de 750 pessoas, que ocupavam funções de porteiro a gerente.

A unidade de Campo Grande do JBS/Bertin está em greve há mais de duas semanas. Há previsão de que os funcionários da mesma empresa cruzem os braços a partir de quinta-feira em Naviraí.

"O setor vive um momento delicado. Não falo do preço da arroba pago ao produtor, mas da pecuária de corte como uma cadeia. Hoje temos dezenas de frigoríficos em recuperação judicial e um apoio maciço do governo a grandes empresas, como Marfrig e JBS. Enquanto isso, outros frigoríficos ficam em um ambiente muito difícil", avaliou.

Para o presidente da Famasul, há uma concentração grande de mercado no varejo.

"Na outra ponta, há grandes compradores como o Walmart, Carrefour, Pão de Açúcar, que trazem uma mudança de perfil à cadeia. Eles têm um instrumento de pressão muito maior, têm um poder de barganha muito grande", comentou.

Com apoio do governo às maiores empresas e domínio dos grandes compradores no mercado, os pequenos frigoríficos terminam "achatados", na avaliação de Riedel.

Momento político

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions