A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2017

29/08/2011 06:02

O império está ruindo?

Por Sibá Machado (*)

A ambição humana parece não ter limites para o poder. Tal sentimento é responsável por conflitos e guerras ao longo da história, que configura e reconfigura o espaço social entre os povos e nações.

A delimitação de territórios, ostenta de certa forma também o poder. Território e territorialidade acabam tornando-se um dos ramos da geografia que procura explicar as relações e os sistemas econômicos desde o período neolítico quando as mulheres inventaram a agricultura e com isso, assumiram também o poder sobres seus maridos.

A economia precisou realizar as trocas, as trocas geraram o comércio, este forçou a geração de excedentes, o excedente criou por sua vez a acumulação, que inevitavelmente foi parar na mão de DONOS e estes pegaram em armas para proteger suas fortunas que sempre lhes pareciam insuficientes. Isto ocorreu em todos os sistemas econômicos .

Bem, o comércio teve que se espacializar pelo mundo, ou por bem, ou por mal e tal fator forçou a criação dos impérios! Os impérios no período Feudal, eram na base da ocupação física e da anexação de territórios. Deste modo, para ocupar territórios declaravam guerras, saqueavam, nominavam representantes e ainda estupravam as mulheres dos soldados vencidos para assim destruí-los moralmente.

Se olharmos bem, o império, ao se instalar, cria quatro tipos de relações com o território ocupado: 1) aqueles entreguistas que aceitam o regime; 2) aqueles que ficam assustados e com isso imobilizados; 3) aqueles indecisos e sem uma liderança forte e 4) aqueles odiosos e com extrema dificuldade de reação. Portanto, o império precisa impor poder, riqueza, inteligência e medo aos dominados.

Assim, um império vai durar até o momento em que os odiosos conseguirem convencer os assustados e indecisos de que o império é como um tigre de papel, podendo ser enfrentado, vencido e enxotado de seu território.

Aos poucos o sistema capitalista modernizou a forma da ocupação de territórios principalmente após a II Guerra Mundial. A partir de então, preferiram dominar territórios novos com a “ameaça bélica”, o domínio cultural, o domínio tecnológico e principalmente o domínio econômico.

Ao centro do império o Bem Estar Social, aos dominados, o flagelo. Porém, nem tudo é eterno! O capitalismo tem em seu seio, segundo rigorosos estudiosos do sistema, o principio mor da contradição. Ou seja, o próprio sistema é a própria contradição e tal contradição gera as crises provocadas, não pela baixa capacidade produtiva, mas pelo contrário, se dá pela super producão e esgotamento de mercado e de lucro.

Cientistas apostam que as crises do capital são cíclicas e inevitáveis, e que dependendo de sua profundidade, culminará em guerras, ou no mínimo, depositar o prejuízo na conta de países e povos mais pobres do mundo, uma das razoes da globalização.

Voltando ao império, entendo que este, quanto mais cresce, mais reação provoca contra si, abreviando o seu fim. Haverá um esgotamento do modelo, haverá contradições internas e externas ao sistema e este devera fazer concessões ou ruirá mais rapidamente.

Isto é o caso dos EUA como farol do mundo? Hitler e outros tentaram isso a seu modo. Li vários textos sobre isso, mas não vi ninguém arriscar tal afirmação. Porém, há algo de novo no front. Até o final do século XX, as crises por menor que fossem em países do centro econômico era devastadora nos países subdesenvolvidos e em desenvolvimento. E agora? Os emergentes, em que pese a desgraça que assola a vida dos europeus e o medo de ficar pobre aterrorizando as famílias norte americanas. Os BRICS parecem estarem imunes a essa devastação.

Textos do Núcleo de Assuntos Estratégicos do governo brasileiro e o tal “Relatório da CIA” fizeram recomendações aos emergentes para ocuparem espaços mais avantajados no cenário econômico e político mundial nas três primeiras décadas do século XXI: forte distribuição de renda; forte investimento na produção, infraestrutura, educação, ciência e tecnologia; abertura de novos mercados; fortalecer o mercado interno, radicalizar na democracia; superar a miséria, o analfabetismo e demais desigualdades sociais, etc.

Aí eu pergunto: mas este não é exatamente o programa de governo dos governos Lula e Dilma? E os BRICS estão neste caminho? Se esta avaliação estiver correta (e eu acho que está), o império poderá até não ruir, mas terá que se readaptar e abrir novas concessões, como exemplo, o Conselho de Segurança da ONU.

Será? Eu aposto no Flamengo!

(*)_Sibá Machado é deputado federal (PT-AC).

A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...
O dilema das prisões brasileiras
No último mês de janeiro assistimos, estarrecidos, às rebeliões nos presídios de Manaus, Boa Vista e Natal. As cenas de corpos sem cabeças chocaram a...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions