A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 25 de Setembro de 2016

26/08/2016 08:13

Investimentos param com a crise e Capital amarga anos de promessas

Priscilla Peres
Centro da Capital é o berço  do comércio. (Foto: Gabriel Marchese/Fly Drones)Centro da Capital é o berço do comércio. (Foto: Gabriel Marchese/Fly Drones)

De Capital do desenvolvimento a estagnação. Campo Grande que já foi promessa de emprego e crescimento econômico, hoje vive dias de espera. Espera por novos investimentos, parceiros e empresas. Que tragam de volta a geração de emprego e renda e o status de 'economia pujante'.

Veja Mais
Após dois anos de planejamento, TCU aprova implantação do Porto Seco
Há 9 anos no papel, porto seco não tem nem infraestrutura pronta

Na última década, a cidade que hoje completa 117 anos, recebeu vários investimentos que não só encheram os polos industriais, como levaram esperança para empresários e trabalhadores. Porém, com o passar dos anos muitos projetos foram ficando pelo caminho e hoje se resumem ao passado.

É fácil enumerá-los. O Outlet Premier concluiu este ano as obras em um terreno do Indubrasil, com a proposta de oferecer produtos com 70% de desconto, mas o prazo de inauguração é adiado mês a mês. A fábrica de tablets da empresa Uninter, nem saiu do papel.

Obras foram concluídas, mas não há prazo para inauguração do Outlet. (Foto: Arquivo Campo Grande News)Obras foram concluídas, mas não há prazo para inauguração do Outlet. (Foto: Arquivo Campo Grande News)

Em 2012, as obras foram anunciadas com toda a pompa e circunstância que merece uma empresa que promete alto impacto na economia local. Mas, quatro anos depois, a empresa afirma que busca maneiras de viabilizar o projeto com recursos próprios. "A empresa almeja começar o mais rápido possível, porém, ainda não tem data prevista para o início das obras".

Ainda tem o no projeto feito para revolucionar a logística da Capital. As obras do intermodal de cargas começaram em 2007, com a ideia de alavancar as exportações estaduais, mas nove anos depois nem a infraestrutura foi concluída. A empresa responsável por comercializar e operar o intermodal de cargas, a Park X, não tem previsão para concluir as obras.

O que fazer - Tais projetos, se concluídos, seriam capaz de mudar a matriz econômica campo-grandense. Hoje, os empregos se dividem em poucas industrias, muitas empresas e comércio decadente. Para o presidente do Corecon/MS (Conselho Regional de Economia), Thales Campo, "Campo Grande precisa urgentemente um planejamento industrial".

O economista explica que atualmente o setor de Serviços "sustenta a cidade" devido a grande demanda, porém é necessário iniciar o processo de industrialização. "Se você analisar os últimos 10 anos, houve um grande processo de desenvolvimento na região do Bolsão de MS, onde se instalaram grandes industrias. O mesmo não aconteceu com a Capital".

Presidente do Conselho de Economia fala sobre os desafios da cidade. (Foto: Corecon MS)Presidente do Conselho de Economia fala sobre os desafios da cidade. (Foto: Corecon MS)

Ele lembra que muita coisa ocorreu nesse período, mas que é preciso evoluir nesse processo, com a vinda de industrias que agreguem mais valor aos produtos locais, por exemplo. "Não temos densidade demográfica suficiente para consumir o que é produzido aqui, então precisamos agregar valor e enviar para outros estados e países", destaca.

Thales ainda lembra que o Porto Seco seria ideal nesse processo de industrialização. "É fundamental para a logística ferrovia e rodoviária ter um intermodal desse porte. É de extrema importância que ele saia do papel".

Ponto a ponto - Detalhista, o economista e consultor Pedro Pedrossian Neto, afirma que é necessário sair da venda de produtos in natura, para dar outro passo na cadeia industrial. "Campo Grande tem que ser inserido nesse contexto de desenvolvimento econômico pelo qual passa o Estado".

Projeto do intermodal de cargas de Campo Grande, que não foi concluído até agora.  (Foto: Park X)Projeto do intermodal de cargas de Campo Grande, que não foi concluído até agora. (Foto: Park X)

Para ele, a inauguração da fábrica de tablets seria a oportunidade da cidade avançar por novos ares. "É preciso investimentos em inovação, tecnologia, pesquisa e essa empresa seria a porta de entrada para outras do segmento. Ia ser um simbolo dessa invocação tecnológica".

Pedro que já trabalhou na secretaria de Desenvolvimento Econômico estadual ressalta ponto a ponto de como a cidade poderia crescer. Assim como o economista Thales, Pedrossian concorda que é preciso agregar valor a produção local. "Grandes indústrias deveriam estar aqui, a Nestlé é uma delas, por exemplo".

Trazer empresas não é uma tarefa fácil, depende de vontade política e trabalho para vencer as guerras fiscais. "A disputa entre estados é ruim, mas tem o seu lado positivo, podemos ganhar espaço com isso e conquistar novos investimentos", afirma o consultor.

Em Campo Grande, o órgão responsável por captar novos negócios é o Codecon (Conselho Municipal de Desenvolvimento Econômico), ligado a prefeitura municipal. Porém, desde abril não realizada reuniões. O que, na prática, significa que empresários dispostos a investir aqui estão a espera de uma posição do município há quatro meses.

As reuniões foram remarcadas diversas vezes, ora por falta de quórum, ora por algum erro dos conselheiros. Mas, desde junho, a prefeitura não marca novas reuniões e o motivo é desconhecido. A administração municipal também foi procurada para falar sobre os projetos de desenvolvimento econômico municipal, porém preferiu não se manifestar.

Do alto, é possível ver desenvolvimento da cidade em prédios e lojas. (Foto: Gabriel Marchese/Fly Drones)Do alto, é possível ver desenvolvimento da cidade em prédios e lojas. (Foto: Gabriel Marchese/Fly Drones)



Vejo essa situação se repetindo na cidade desde meus 10 anos de idade, emprego some e renda cai; base no agronegócio dá nisso, realmente precisa de polo industrial forte e urgentemente!
 
Carlos Alberto Barbosa Corrêa em 26/08/2016 14:07:43
O problema de campo grande vai muito além da estagnacao economica....sabe..eu fico assustado...nunca vi um sujeito mais desqualificado e incompetente que esse Bernal....a cidade parou...empresas fantasmas criadas pra vencer licitacao...criancas recebendo nervo pra comer na merenda...cidade toda esburacada...cupins tomando conta dos canteiros....e fica a pergunta: como canpo grande nao tem dinheiro se em momento pararam de descontar os inumeros e pesados tributos?!-resposta é simples...mesmo com a queda na arrecadacao (o que é suspeitavel, basta ver o impostometro), esse prefeito desqualificado inchou a maquina publica..enfiou uma massa de apoiadores em cargos de confianca, alem de enfiar nosso dinheiro sei la onde...e ainda tem a cara de pau de tentar reeleicao. Basta disso!
 
DS em 26/08/2016 09:52:31
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions