A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 14 de Agosto de 2018

24/08/2017 13:45

O ovo da serpente

Por Vladimir Miguel Rodrigues (*)

Não é novidade a manifestação de atos nazistas nos EUA, principalmente no sul do país. Não se esqueçam, os sulistas pegaram em armas e defenderam o separatismo para manter a escravidão na segunda metade do século 19. A Virgínia, estado onde se encontra Charlottesville, local da exibição da barbárie de dias atrás, tem uma história de horror racial, de Nat Turner, líder negro de uma revolta contra a escravidão no século XIX, até Martin Luther King Jr, o qual deu a vida na luta contra o racismo na década de 1960.

As mais variadas formas de preconceito, com destaque para o racismo, estão enraizadas nessa região. Representam uma narrativa que passa de geração para geração. Esperava-se que os netos não fossem como os avós que esbravejaram ódio contra negros, defendendo as leis Jim Crow, que cercearam direitos civis dos negros até 1964. Entretanto, parece que a "humanidade" não chegou até ali em pleno século XXI. Mandela sempre esteve certo: "ninguém nasce odiando outra pessoa, mas é ensinado" e isso é lei para muitos delinquentes que fizeram aula com a Ku Klux Klan, tão bem representados pelas "famílias de bem cristãs" do "sul profundo" e que não aceitam a igualdade em um pais que, assim como o Brasil, também custou a aceitar a abolição. Se o Estado não tivesse interferido e decretado o fim da escravidão, no Brasil e nos EUA, os bem-aventurados senhores teriam feito por conta própria?

Há grande orgulho para muitos sulistas sobre o que houve na defesa da Secessão (1861-65): são inúmeros símbolos, locais, bandeiras, hinos, "heróis", como o general racista, Robert Lee, cuja estátua estava sendo retirada de um parque municipal de Charlottesville, dando início à marcha de supremacistas brancos, cujos manifestantes não aceitam que seus ícones sejam retirados: é o "orgulho sulista". Toda essa simbologia é evocada como uma identidade que, para eles, funda-se no nascimento da nação, "terra da liberdade". Chamei isso de "mito fundador americano" em meu livro "O X de Malcolm e a questão racial norte-americana" (Editora Unesp) porque, é verdade, os "pais pioneiros" fundaram uma sociedade baseada em uma suposta "liberdade", mas que valia só para os brancos, já os negros deveriam seguir a "lógica" da inferioridade racial, logo, escravizados. Que país da liberdade é esse que até 1964 excluía, institucionalmente, a população negra? Essa liberdade não passa de um mito se posta às provas históricas!

Esses quasímodos morais travestem o racismo de liberdade de expressão, e tem o apoio do federalismo e da legislação norte-americanos que não punem o comportamento animalesco e permitem que esse tipo de manifestação criminosa seja permitida, apoiando-se na 1ª Emenda da Constituição, a qual defende a "liberdade de expressão". Não é crime defender bandeiras nazistas em manifestações nos EUA: a KKK funciona normalmente, principalmente no sul, tem uma forte hierarquia, elege políticos e apoiou abertamente o make America great again de Trump, como vimos nas ações de David Duke, ex-Mago Imperial da organização, reconhecidamente um racista de carteirinha, que afirmou após um Trump hesitando em criticar às manifestações, "foi o esmagador voto branco que o colocou na Casa Branca, e ele deveria se lembrar disso", emendando: "Trump nos empoderou". Alguém perguntaria sobre a "liberdade" norte-americana: e se for uma passeata em favor do Estado Islâmico o que acontece? E se fossem árabes carregando armas em Charlotesville, como ocorreu na manifestação com supremacistas brancos? E se fosse um motorista árabe que atropelasse manifestantes na cidade? Como eles seriam chamados? Por que o tratamento é diferente? O fator cor da pele ainda pesa na hora de decretar quem é o terrorista? Como os Panteras Negras e Malcolm X foram vistos na década de 1960?

Em uma democracia toda e qualquer manifestação é válida, desde que lute por direitos para todos, não por privilégios, exclusividade que, consequentemente, neste caso, estão em defesa do racismo e da desumanização. Desde Kant, no final do século XVIII, com sua razão prática, temos a ética do dever: "age de tal maneira que tua ação seja exemplo para todos". A ação racional-moral para Kant insistiria: "só posso defender algo caso eu seja exemplo de minha ação". Brancos do sul aceitam ser vistos como inferiores? O filósofo francês Edgar Morin está certo, segue o baile dos supremacistas que "caminhamos para o abismo".

Momentos de crise econômica sempre estimularam o racismo, "o inferno são os outros" destacaria Sartre, e daí os débeis afirmarem a superioridade sobre negros, judeus, indígenas e homossexuais. Em tempos de Trump, "desglobalização" e culpabilização de imigrantes, esse sentimento acéfalo tende a aumentar com os chamados das redes sociais, as quais deram "vozes aos imbecis", como dissera Umberto Eco. Quantos exemplos históricos são necessários lembrar? Estou com a brilhante Hannah Arendt: se a democracia permitir esse tipo de comportamento, entendido como "liberdade de expressão" é o início de seu próprio fim e poderá estar chocando um novo "ovo da serpente", referência ao filme do mestre Bergman, que analisava o contexto da emergência do nazismo na Alemanha da década de 1920.

(*)Vladimir Miguel Rodrigues, doutorando em Letras na Unesp de São José do Rio Preto, é professor e escritor, autor de "O X de Malcolm e a questão racial norte-americana" (Editora Unesp) e "Filosofia em Tempos Inquietos" (Chiado Editora").

Vilões do século 21
Em 14 de julho de 2007, o Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo/SP, recebeu milhares de pessoas do Brasil e Exterior, que participaram do 32o Fórum Int...
Pagando por erros passados
Dados da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) mostram que as exportações de produtos manufaturados dos últimos três anos são menores do qu...
Pelo direito de saber
A informação adequada e clara sobre produtos é um pilar fundamental dos direitos do consumidor em qualquer parte do mundo. Do pioneiro discurso de Jo...
Alienação parental, o mal do século
Realidade presente em milhares de lares, a problemática da alienação parental, interpretada como a interferência na formação psicológica da criança o...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions