A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 19 de Junho de 2018

29/12/2016 15:15

A baixa competitividade do Brasil

Por José Luiz Tejon Megido (*)

Tem sido alertado que um dos maiores obstáculos para o agro nacional será a baixíssima competitividade do Brasil e da indústria brasileira. E é fácil de entender. O maior cliente do agro nacional é a China, porém o maior inimigo da indústria nacional é a China.

De um lado a CNA (Confederação Nacional da Agropecuária) tem na China o motivo do crescimento do agro nacional, cliente número 1. De outro, a CNI (Confederação Nacional da Indústria) diz que é impossível competir com os produtos chineses.

Mas e então? Tudo seria fácil se não fossem as dificuldades. A China acaba de se declarar economia de mercado, e isso significa que somamos simplesmente 358 medidas antidumping do Brasil contra produtos chineses.

A nova posição chinesa abre período de confusão e tensão, pois os chineses irão pleitear reciprocidade comercial e o porta-voz do governo chinês, senhor Shen Danyang, disse: "as medidas necessárias serão tomadas" avisando que essas medidas deverão atender ao Ministério do Comércio chinês que exige uma declaração de que a China é uma economia de mercado, e isso daria à ela o direito de ser tratada como os demais países abertos do mundo, ou seja, sem discriminação comercial ou barreiras extras.

A indústria apregoa que, se o Brasil declarar aceitar a China como economia de mercado, perderemos 18 bilhões de reais e diminuiremos em 66 mil empregos por ano, caso as 52 medidas antidumping sejam levantadas.

E agora? Somos competitivos na agropecuária, não competitivos na indústria, logística, custos, regras trabalhistas. Mas em contrapartida, temos baixa inovação e produtividade industrial, comercial e de orquestração de cadeias produtivas.

Uma pororoca de interesses e conflitos surgem no horizonte. Competitividade na agropecuária, não competitividade na indústria. Com esse governo, com esses impostos e com essa incompetência de governança público privada, não vai dar. E poderemos ainda prejudicar o agro nacional por uma equivocada política de competitividade da nossa indústria.

Precisamos pensar na agroindústria como uma coisa só. Uma revolução e integração, com um ministério da cadeia produtiva do agronegócio, isso sim. Ciência, agropecuária, indústria, comércio e serviços. Tudo é Agro.

(*) José Luiz Tejon Megido é conselheiro fiscal do CCAS (Conselho Científico Agro Sustentável), dirige o Núcleo de Agronegócio da ESPM

A carne mais barata do mercado é a carne negra
Os números apresentados pelo Atlas da Violência de 2018 mostram a agudização nas tendências do perfil de assassinatos cometidos no Brasil: a vítima é...
O impacto da arte
Campo Grande foi agraciada neste fim de semana com um espetáculo de dança-teatro que, certamente, é digno de ser apresentado nas maiores cidades do m...
Promessas inviáveis
Nos próximos seis meses, assistiremos a três eventos: bons jogos de futebol, repetitivas eleições e promessas inviáveis. Os primeiros, em função da C...
É possível reduzir a carga tributária em processos de inventários e doações
Mesmo se tratando de uma taxa que também incide na comunicação de transferência de bens e imóveis, o ITCMD (Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doa...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions