A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018

29/12/2016 15:15

A baixa competitividade do Brasil

Por José Luiz Tejon Megido (*)

Tem sido alertado que um dos maiores obstáculos para o agro nacional será a baixíssima competitividade do Brasil e da indústria brasileira. E é fácil de entender. O maior cliente do agro nacional é a China, porém o maior inimigo da indústria nacional é a China.

De um lado a CNA (Confederação Nacional da Agropecuária) tem na China o motivo do crescimento do agro nacional, cliente número 1. De outro, a CNI (Confederação Nacional da Indústria) diz que é impossível competir com os produtos chineses.

Mas e então? Tudo seria fácil se não fossem as dificuldades. A China acaba de se declarar economia de mercado, e isso significa que somamos simplesmente 358 medidas antidumping do Brasil contra produtos chineses.

A nova posição chinesa abre período de confusão e tensão, pois os chineses irão pleitear reciprocidade comercial e o porta-voz do governo chinês, senhor Shen Danyang, disse: "as medidas necessárias serão tomadas" avisando que essas medidas deverão atender ao Ministério do Comércio chinês que exige uma declaração de que a China é uma economia de mercado, e isso daria à ela o direito de ser tratada como os demais países abertos do mundo, ou seja, sem discriminação comercial ou barreiras extras.

A indústria apregoa que, se o Brasil declarar aceitar a China como economia de mercado, perderemos 18 bilhões de reais e diminuiremos em 66 mil empregos por ano, caso as 52 medidas antidumping sejam levantadas.

E agora? Somos competitivos na agropecuária, não competitivos na indústria, logística, custos, regras trabalhistas. Mas em contrapartida, temos baixa inovação e produtividade industrial, comercial e de orquestração de cadeias produtivas.

Uma pororoca de interesses e conflitos surgem no horizonte. Competitividade na agropecuária, não competitividade na indústria. Com esse governo, com esses impostos e com essa incompetência de governança público privada, não vai dar. E poderemos ainda prejudicar o agro nacional por uma equivocada política de competitividade da nossa indústria.

Precisamos pensar na agroindústria como uma coisa só. Uma revolução e integração, com um ministério da cadeia produtiva do agronegócio, isso sim. Ciência, agropecuária, indústria, comércio e serviços. Tudo é Agro.

(*) José Luiz Tejon Megido é conselheiro fiscal do CCAS (Conselho Científico Agro Sustentável), dirige o Núcleo de Agronegócio da ESPM

Triste boa notícia
A leitura é um dos maiores prazeres da vida. Mergulhar fundo no mar de palavras de belezas naturais, que ficam maravilhosas quando juntadas com maest...
Fim do Ministério do Trabalho: avanço ou supressão de direitos?
Numa eleição marcada por antagonismos e forte polarização, todo ato do presidente eleito tem sido motivo de fortes críticas, com especial endosso e e...
Brasil — Vocação para o progresso
Nas comemorações dos 129 anos da Proclamação da República, reflitamos sobre o papel do Brasil no contexto mundial, que é também o de iluminar as cons...
Eu sou eu e...
A busca de orientação para nortear nossas vidas nos proporciona caminhos os mais variados. Na medida em que essa busca se realiza por meios que se ba...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions