A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 24 de Junho de 2017

29/01/2012 12:16

A coragem de um homem

Andrea Brunetto*

O soldado Emerson Leandro da Silva tinha 19 anos e não sabia nadar. Estava com a namorada e amigos em um pesqueiro à beira do Rio Aquidauna. Sua namorada, que também não sabia nadar, escorregou em uma pedra e caiu dentro do rio. Imediatamente, seu namorado Emerson pulou no rio - esquecendo que não sabia nadar - a empurrou para perto da margem. Os amigos a puxaram e ele foi puxado pela correnteza. Isso aconteceu no final de semana, mas seu corpo foi encontrado somente ontem.

É isso o que a psicanálise define como um ato. Um ato não é algo pensado, decidido em ruminações e ruminações. Aliás, a ruminação impede o ato. Mas, ainda assim, um ato é uma escolha. Ainda que inconsciente.

A grandiosidade do ato de Emerson é maior quando nos lembramos do que Freud escreveu no O mal-estar na civilização. Freud retomou a frase de Plauto, "o homem é o lobo do homem", para sustentar que um ser humano se coloca sempre em primeiro lugar. É sua primeva, narcísica, atitude. Depois, com muita sublimação, e construção simbólica, consegue fazer laço social com seus próximos. Mas lá, em seu imaginário, ele está em primeiro lugar. Então, se um navio vai afundar, se agir pelo seu narcisisimo, ele corre antes, "que afunde os outros, eu escapo". Vocês já perceberam que contraponho a coragem de Emerson à covardia do comandante Schettini?

Emerson sabia que ia morrer? Provavelmente não pensou isso na hora, correu o risco de salvar quem amava, agiu e isso, claro, teve consequências. Sua família deve estar sofrendo muito. Mas sua coragem, esse ato que surgiu em um segundo e tomou sua vida, salvou a vida de uma pessoa.

Só escrevo para sua coragem não ficar anônima, afinal tanto se fala da covardia nesse momento.

Não esqueçam: Emerson Leandro da Silva. Quando alguém vir até vocês com teorias fatalistas de que as pessoas estão cada vez mais egoistas, autistas, ensimesmadas, que o mundo não é mais o mesmo, pensem que existem Emersons por ai. Não muitos, claro. O lugar-comum pode ser o comandante italiano, mas os homens que fazem a diferença no mundo são os Emersons.

*Andréa Brunetto é psicanalista e diretora do Ágora Instituto Lacaniano.

Lembranças e esquecimento
xcertos de cartas preteridas por outros veículos de comunicação refletem o que se pretendeu opinar, discutir e comentar. No âmbito cultural e em rela...
Brasil potência no mundo da ciência: entre o intelectual e o manicomial
Não se pode dizer ao certo se por conta de uma "cultura da avaliação" – seja lá o que isso signifique – ou se por um instinto de vaidade, quando são ...
O círculo de todos nós
São inúmeros os estudos que tratam da distinção entre o público e o privado. No entanto, estamos vivendo um novo momento da humanidade em que essa fr...
O Segredo da Juventude
Quem quer ser jovem? Sabe-se que as pessoas buscam a cada dia uma supra valorização da aparência, principalmente nos dias atuais. A cantora Madonna (...



Não julgando se foi certo ou errado, mas a atitude dele foi louvável, se não foi um grande homem em vida se tornou um pós morte, parabéns Emerson que estejas em um lugar melhor que esta terra de homens á qual o egoismo é posto em primeiro plano na maioria das vezes.
 
Carlos Alexandre em 29/01/2012 12:50:47
Bela e merecida homenagem!! Esse ato de coragem e determinação não pode ser esquecido!!
 
Ari Lopes da Rosa em 29/01/2012 12:33:57
BRAVO,SERÁ QUE DAQUI,01 ANO,O EMERSON VAI SER LEMBRADO.FOI UM GESTO DE HEROI.
 
HILDEMAR CASTRO SOBRINHO em 29/01/2012 12:32:48
Pois é....enqto uns matam por nd, outros morrem por amor...amor por seu amor, amor pelo proximo,amor simplesmente por ser gente com amor no coração....Parabens a familia que teve em seu meio um HOMEM tão CORASO e digno.
 
Marcia Oliveira em 29/01/2012 01:16:57
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions