A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 18 de Novembro de 2018

15/05/2011 07:00

A hora da Reforma Tributária

Por José Dirceu (*)

A hora da Reforma Tributária

Vamos acompanhar qual será a reação da oposição à nova proposta de reforma tributária que o Governo da presidenta, Dilma Rousseff, enviará ao Congresso Nacional até o mês que vem.

É talvez a aproximação mais cuidadosa que o Executivo já adotou para tratar do tema, sustentando-se em ampla consulta a sindicatos, governos estaduais e setores produtivos para convencer os parlamentares de que, ainda que haja mudanças, o país não pode demorar mais a ter um novo modelo tributário.

Os quatro eixos a serem discutidos serão: ampliação do SuperSimples; agilizar a devolução de créditos do PIS/Cofins; e, principalmente, mudanças no regime do ICMS e desoneração da folha de pagamentos. São avanços cruciais para o desenvolvimento do Brasil.

Ampliar o SuperSimples é fundamental para fortalecer o empreendedorismo, qualidade presente nos brasileiros. É preciso, portanto, facilitar que essa característica se transforme em multiplicação de micro e pequenos negócios que possam dinamizar ainda mais a criação de empregos e até se voltar à exportação.

Nesse capítulo entra também a necessidade de adotarmos mecanismos ágeis de devolução dos créditos de PIS/Cofins.

Além disso, a proposta do governo reduz gradualmente, até 2014, a alíquota interestadual do ICMS para 2%. Hoje, existe uma legislação por Estado, o que estimula a oferta de benefícios aplicados sobre o imposto, como créditos presumidos e financiamentos, para atrair empresas que, de outra forma, investiriam em outros destinos.

Mudar o regime do ICMS, portanto, significa pôr fim à “guerra fiscal”, disputa que tem resultado em grandes perdas ao país, inclusive com favorecimento à produção estrangeira.

As mudanças são ainda o início de um movimento de transição entre o critério de cobrança atual do ICMS, cuja arrecadação vai para os cofres do Estado onde os produtos são produzidos, para um modelo em que os Estados consumidores passem a receber também.

Essas mudanças no ICMS devem também ter como perspectiva a formatação, no futuro, de um IVA (Imposto de Valor Agregado), de cobrança mais simples e que seja menos oneroso à produção que agregue valor ao produto.

Já a desoneração da folha de pagamento é uma iniciativa importante para sustentar o crescimento econômico médio de 5% nos próximos anos com ainda mais geração de empregos e distribuição de renda.

Nos oito anos de Governo Lula, invertemos as estatísticas e levamos as vagas formais de trabalho a ser maioria (51,2% com carteira assinada em 2010; e 56% dos postos de trabalho informais em 2001), mas é necessário investir na continuidade desse processo.

Ainda não há proposta fechada, mas já circula a ideia de deslocar o peso da contribuição ao INSS para uma alíquota sobre o faturamento, com a intenção de reduzir a carga dos atuais 20% sobre a folha de pagamento para algo em torno de 14%, podendo haver percentuais diferentes a depender do setor.

De todo modo, é saudável que a construção dessa parte da reforma se dê por meio do diálogo com os trabalhadores, representados pelas centrais sindicais no trato com o governo. Sabemos, de antemão, que as contribuições à Previdência, que não pode perder caixa, não sofrerão mudanças.

Afinal, nas palavras de Nelson Barbosa, secretário-executivo do Ministério da Fazenda, a Previdência não pertence ao governo brasileiro, mas a todos os trabalhadores.

Quando o Governo Lula apresentou propostas nesse sentido, a resposta da bancada de oposição —PSDB, PFL (hoje, DEM) e PPS— foi, a partir da orquestração do então governador de São Paulo, o tucano José Serra, barrar a votação. Conseguiram impedir que esse salto para o futuro fosse dado antes.

Hoje, o cenário parece mais animador, já que as peças do tabuleiro econômico mundial mudaram radicalmente de lugar e nós não podemos abrir mão da posição vantajosa em que estamos por conta da intolerância política de uns poucos.

O Governo Dilma se mostra empenhado nessa reforma tão falada, mas de difícil consenso. Conta, para isso, com o apoio dos partidos aliados no Congresso, mas, igualmente, de toda a sociedade, já que o tema é complexo, mas fundamental para o desenvolvimento do Brasil.

E a oposição, como se comportará desta vez? É esperar para ver.

(*) José Dirceu é ex-deputado federal e ex-ministro da Casa Civil da presidência da República.

O espaço do negro no mercado de trabalho
É comum as pessoas usarem a seguinte frase: “somos todos iguais e todos temos as mesmas oportunidades.” Depende de como e de que lado você está fazen...
Lina Tâmega Peixoto: uma grande escritora da literatura brasileira
Historicamente, as mulheres presentes na literatura brasileira sempre contribuíram enormemente para a cultura do país. Uma delas é Lina Tâmega Peixot...
Por que o Brasil não está caminhando para a expansão da Internet?
A privatização do Sistema Telebrás, em 1998, foi o embrião para as empresas investirem na universalização das redes de telecomunicação, tornando-se u...
Triste boa notícia
A leitura é um dos maiores prazeres da vida. Mergulhar fundo no mar de palavras de belezas naturais, que ficam maravilhosas quando juntadas com maest...


Parabens pelo artigo, somente gostaria de expressar meu descontentamento com o sistema tributario. Ate quando os Governos vao deixar de explorar o povo com tantos impostos que chega a ser um crime, ante sua incapacidade de desonerar suas financas com diversos gastos expressivos e injustificados. nao podemos aceitar mais essa farra e massacre da populacao, de um lado estao os comerciantes sufocados e cada vez mais injusticados e de outro os Governos querendo cada vez mais uma parcela dos lucros daqueles sem fazer nada.

obrigado
 
Rodrigo Casadei em 15/05/2011 09:14:03
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions