A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

03/08/2014 08:55

A pensão alimentícia e os alimentos compensatórios

Por Phelipe Martins (*)

É comum confundir como conceito de pensão alimentícia convencional os alimentos compensatórios, entretanto, não se trata de outra pensão alimentar. Tal denominação constitui a entrega de um capital, em dinheiro ou em bens, àquele cônjuge que viveu em benefício do papel profissional do outro, durante o período de união conjugal.

Não se custeia as despesas de sustento e sobrevivência do outro cônjuge, mas, sim, indeniza e reequilibra a eventual desigualdade econômica, observada na condição de vida de um cônjuge em relação à do outro, por ocasião do divórcio.

As diversas decisões e doutrinas estão aos poucos aderindo à teoria dos alimentos compensatórios, teoria esta que já é aplicada em diversos países e garante alimentos para o consorte que, trabalhando ou não, não consegue manter o padrão de vida que possuía durante o casamento, face à maior remuneração do outro cônjuge.

Entrementes, vale salientar que essa indenização não é uma maneira de punir o outro conjugue frente ao rompimento dos deveres da coabitação, e sim, um meio de equilíbrio da situação quando desfeita a convivência por um dos cônjuges, assim como, uma indenização para aquele que se sentiu financeiramente prejudicado pela separação.

Neste diapasão, entendam-se como compensatórios a prestação pecuniária devida por um dos cônjuges a outro, referente à quebra do casamento ou da união estável, visando restabelecer o equilíbrio econômico que vivia antes da dissolução conjugal, quando existe regime de separação total de bens, estipulado no artigo 1.687 do Código Civil de 2002.

Urge esclarecer que a referida prestação geralmente é requerida pelo cônjuge dependente e que não possuí bens ou condições para alcançar a qualidade de vida nos parâmetros que se acostumou durante a união conjugal.

Assim como os alimentos transitórios, os alimentos compensatórios possuem como objetivo a eficácia do dever de assistência e de solidariedade ao ex-cônjuge, restabelecendo o equilíbrio econômico-financeiro causado pelo fim do relacionamento.

Nesse vértice, os alimentos compensatórios surgem como uma boa e única opção para que o cônjuge, com menor patrimônio, possa romper um relacionamento psicologicamente debilitado, todavia sem abandono financeiro por força de arranjos jurídicos, seja regime de separação total de bens ou outros.

A utilização da teoria em várias decisões vem para afirmar o direito à sobrevivência financeira condigna com o padrão dividido ao longo do tempo, como um usufruto de padrão social, aproveitado ao lado do parceiro durante anos.

A divisão entre a pensão alimentícia e os alimentos compensatórios é cada vez mais debatida e conhecida, com razão, eis que esse assunto tutela a introdução da responsabilidade civil nas relações afetivas, gerando enérgicos debates jurídicos.

Tal olhar pode causar estranheza e até mesmo repulsa para algumas pessoas, porém, objetiva estabelecer a solidariedade social, onde a dignidade humana é a intenção primária, sendo o indivíduo o mais importante neste conceito.

Quando quebramos paradigmas, tornamos o direito, além de uma ciência social, uma imagem da vontade emanada pela sociedade. Mesmo sendo ainda este assunto causa de descrédito entre os mais tradicionais, com o passar do tempo talvez o conceito se torne mais aceito.

Figura-se a teoria explanada como um barro se moldando nas mãos de artesãos observadores do direito, ainda que a resistência seja grande, a evolução social obriga o operador jurídico a ter uma visão a frente de seu tempo, notando os valores e alicerces que se criam face às mutações sociais e que ecoam na ordem jurídica.

(*) Phelipe Martins, escritório Mascarenhas Barbosa Advogados Associados.

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions