A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

29/11/2017 07:15

Advogado tem que escrever menos

Por André Borges (*)

O TJ/MS vem divulgando projeto dos mais interessantes: Petição 10, Sentença 10.

Ideia é insistir com os profissionais do direito sobre algo que, na atualidade, é bastante elementar: “extensos arrazoados geram dificuldade na análise do direito controvertido, prejudicando a celeridade processual”; “objetividade e concisão não interferem na qualidade do trabalho”.

Nós advogados cobramos bastante uma maior eficiência do Poder Judiciário, especialmente quanto à celeridade na tramitação dos processos. Há sinais claros de avanço.

Uma forma boa (excelente na verdade) de colaborar é escrever menos, condensar as ideias, reduzir o tamanho dos textos que diariamente enviamos para serem examinados por juízes e desembargadores.

Cito um exemplo: há poucos dias fiz uma defesa preliminar onde a peça da acusação tem exatas 214 páginas ! Embora o processo seja complexo e com vários acusados, trata-se de um exagero. Nenhuma acusação ou tese exige um número tão grande de páginas para ser desenvolvida. Fica parecendo que o autor da peça sequer acredita no que sustenta, dada a enorme extensão do texto.

Lembro de algo dito por um professor: “falar e escrever difícil é fácil; falar e escrever fácil é difícil”.

Realmente dá mais trabalho escrever pouco. Mas é algo necessário. 200 páginas é tamanho de um livro, não de um arrazoado forense.

O uso descalibrado do Ctrl c/Ctrl v (copia e cola) precisa ser controlado. Já vi jurisprudência dizendo que petição com 49 páginas deve ser considerada um “livro”, segundo classificação da Unesco.

Vale citar Carlos Drummond de Andrade: “Escrever é cortar palavras”.

Admiro jornalistas e profissionais do marketing, que com poucas palavras contam uma história inteira, com graça e leveza.

Precisamos nos adaptar à nova realidade: buscar a síntese, dizer tudo escrevendo pouco, o que deve chamar a atenção dos magistrados, muito mais do que embaralhar ideias, exagerar nas citações etc.

Ou mudamos a forma de atuar ou não demorará até surgirem regras limitando o trabalho do advogado: o TJ/MS lembra que “a Suprema Corte dos Estados Unidos estabelece a concisão como norma e limita as petições de 3.000 a 15.000 caracteres, conforme o tipo de pedido”.

Num país de tantas leis e obrigações, quase sempre descumpridas, melhor será que a mudança ocorra de maneira voluntária, pela educação e apoio a projeto como o citado, que surge em boa hora.

(*) André Borges é advogado em Campo Grande.

Agrotóxicos como arma química: a permanente guerra agrária no Brasil
Os conflitos no campo brasileiro se assemelham à guerra. Guerra agrária que sempre foi latente e cuja base é calcada na formação socioeconômica depen...
O embate entre o conhecimento e a ignorância
O matemático e filósofo britânico Bertand Russell, um dos mais influentes pensadores do século XX, dizia que o maior problema do mundo moderno é que ...
10 artistas plásticos em filmes ( e um bônus)
Lidar com a vida e a obra de artistas plásticos sempre é um desafio. Esta lista, incompleta como qualquer outra, apresenta filmes realizados com os m...
Síndrome de Burnout: do entusiasmo ao esgotamento profissional
Na década de 70, o psicólogo Herbert J. Freudenberger foi um dos primeiros a observar alterações significativas de humor, atitude, motivação e person...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions