A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

12/07/2013 10:11

As manifestações e o Dia Nacional de Luta

Por Alan Balaban (*)

As últimas semanas foram bem turbulentas no Brasil. Diversos movimentos sociais foram às ruas exigir melhores condições de saúde, transportes, educação e segurança, bem como o fim da corrupção e uma maior transparência nos Órgãos Públicos.

O direito a livre associação sem fins militares e os protestos pacíficos estão garantidos em nossa Constituição Federal e contra tal ato não há qualquer meio que possa ser utilizado para coibi-lo. São direitos de qualquer cidadão brasileiro e o Estado deve respeitar tal manifestação e entender de uma vez por todas qual o recado que o povo está passando e o que precisa ser mudado de imediato.

Porém, o que observamos é que outras manifestações com tons políticos e sindicais tomaram as ruas do Brasil – como ocorrido no último dia 11 de julho – onde diversos setores resolveram cruzar os braços por meio de uma greve geral.

Nesse ponto, torna-se importante conceituar o que é greve para que não paire qualquer dúvida em sua legitimidade e viabilidade nos termos da atual legislação brasileira.

A Constituição Federal em seu art. 9º, caput, assegura o direito de greve, competindo aos trabalhadores decidir sobre a oportunidade de exercê-la e sobre os interesses que devam por meio dela defender.

Assim, a greve é uma suspensão temporária do trabalho, por parte dos trabalhadores de um determinado segmento, onde a prestação de serviço é paralisada até que o pleito da greve seja adotado ou negociado.

Nesse ponto vale destacar que antes de qualquer greve é premissa que seja feita uma negociação entre as partes – empregadores e empregados – para que a paralização das atividades de um determinado setor seja a última possibilidade de resolver um determinado conflito.

Outra regra de suma importância e que valida à legalidade da greve é a informação por parte dos grevistas – por meio de notificação – no prazo de 48 horas em atividades comuns e no prazo de 72 horas para atividades consideradas essenciais. Caso essa comunicação não seja feita a greve poderá ser considerada abusiva.

Nesse aspecto vale destacar que são consideradas atividades essenciais a assistência médica e hospitalar, o transporte coletivo, compensação bancaria dentro outras. Assim, essas atividades em um período de greve devem manter um mínimo de efetivo para atender a população.

Ainda, importante destacar que a responsabilidade pelo movimento grevista é do respectivo Sindicato que através de seu estatuto – e cada Sindicato tem um estatuto – terá um tipo de quórum entre seus pares de categoria para verificar se a greve será feita ou não.

Dessa forma, torna-se claro que a paralização ocorrida no último dia 11 de julho de 2013 pode ser denominada de qualquer nome, menos de greve.

Um dado interessante é que a organização dessa manifestação – paralização geral - veio das centrais sindicais e essas não tem qualquer autonomia para convocar uma greve. E pior, esse tipo de manifestação tem um conteúdo vazio e sem qualquer proposito, senão a autopromoção de pseudo-lideranças que se auto intitulam defensores do povo.

Isso porque em diversos casos, várias cidades ficaram sem atendimento hospitalar ou transportes públicos o que é considerada greve abusiva.

Podemos citar a cidade de Porto Alegre onde diversas empresas de ônibus não puderam colocar seus veículos para circular – por conta desse “movimento” – e mesmo com multas pesadas do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região, nada foi feito. O mesmo ocorreu em Belo Horizonte onde o Tribunal Regional da 3ª Região aplicou multa por hora parada em face do transporte público e igual ao cenário do Sul do País nada foi feito pelos Sindicatos.

Em Curitiba o maior Hospital Público aderiu a manifestação e muitos pacientes ficaram sem qualquer tipo de atendimento.

Interessante o fato que essa paralização versa sobre o acesso do povo aos transportes público e a saúde – dentre outros temas – e são esses os setores que paralisam prejudicando o próprio povo.

Em que pese diversos direitos são garantidos aos grevistas, tais como a possibilidade de persuadir outros trabalhadores por meio pacifico a aderir a greve, arrecadação de fundos para patrocinar a greve dentre outros, observamos que nada disso foi respeitado ou feito no dia 11 de julho do corrente ano.

Dessa forma, é preciso deixar claro que essa tentativa de paralisar o Brasil não pode ser considerada greve geral, visto a falta de ordem, respeito a lei em vigor e pautas de reivindicações devidamente enviadas pelos Sindicatos aos setores que pretendiam paralisar.

Para que os Sindicatos tenham o mesmo respeito e força que os movimentos populares tiveram nas últimas semanas e que consigam melhorar suas atividades e profissões, é preciso que antes de mais nada ocorra respeito a atual legislação e saibam diferenciar o que é manifestação sem qualquer objetivo do que é greve, sob pena dessa última não ser considerada valida em um momento apropriado.

(*) Alan Balaban é advogado especialista em Direito do Trabalho.

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions