A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Junho de 2018

16/06/2017 15:10

Caminhar juntos

Por Paulo Afonso Ferreira (*)

Um país se desenvolve por meio de empresas consolidadas e produtivas. O empreendedorismo é a base sustentadora da economia, pois cria postos de trabalho, gera renda e torna o país mais competitivo e sustentável.

A soma desses fatores resulta em ganhos sociais para todos. Empresário e empregado devem andar juntos pelo desenvolvimento do país. Para muitos, ser empregado é ter tranquilidade e garantia de salário no fim do mês.

Empresário também trabalha e muito, convive com incertezas, riscos, insegurança jurídica, instabilidades econômicas e outros desafios. Tantas regras e leis fazem muitos desistirem.

A inflexível e arcaica legislação trabalhista brasileira amedronta, desmotiva e desestimula o empreendedorismo e a inovação. Com uma legislação que gera conflito e, na maioria das vezes, é predominada pela subjetividade de quem a interpreta e julga, fica mais difícil ser empresário.

O maior amparo que um trabalhador pode ter é a formalização do trabalho e a modernização da legislação, que passou por poucas mudanças desde a sua criação, há mais de 70 anos.

Movimentos contrários ao projeto de reforma trabalhista estão atuando em benefício próprio e sem a preocupação de garantir a redução do desemprego no Brasil. Incitam o conflito, usam de violência e argumentos que não representam a realidade.

Prós e contras à parte, é preciso que empregados e empregadores convivam em harmonia, numa relação de confiança, entendam as dificuldades de cada um, pois estão no mesmo “barco” e lutem pelo mesmo ideal: a sobrevivência da empresa, do emprego e o desenvolvimento do Brasil, que só virá por meio de investimentos, geração de postos de trabalho e renda à sociedade.

Estamos perdendo competitividade e muitas empresas estão migrando para outros países. Nos últimos 40 anos chegamos a pouco mais de 1% de participação no comércio internacional, enquanto outros países até quintuplicaram seu desempenho.

No cenário crítico em que vivemos são necessárias mudanças amplas e urgentes. O caminho a ser trilhado é a busca de consenso e soluções a partir da livre negociação coletiva das condições de trabalho. Por isso, modernizar as relações trabalhistas é imprescindível.

Que possamos somar e unir esforços nesse sentido, independentemente de que lado está: empregando, trabalhando ou até mesmo fazendo os dois.

(*) Paulo Afonso Ferreira é vice-presidente da CNI (Confederação Nacional da Indústria)

A liberdade está sob ameaça dos insensatos
A contundente e oportuna defesa da liberdade de imprensa feita, em seminário recente, pela Presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministra Cármen Lú...
Importa que a coisa ande
Independente do resultado de sua votação em plenário, o Projeto de Lei 3200 (sobre o registro de defensivos agrícolas) deu um passo importantíssimo c...
A Rússia que você não vai ver na Copa
‘Sob nuvens elétricas’ é um filme que, ambientado em 2017, um século após a Revolução Bolchevique, mostra uma Rússia que não aparecerá na Copa do Mun...
Analgésico esférico
A história se repete. Nesta semana de abertura da Copa os olhos mundiais se voltam para a Rússia, um país que esconde enorme população vivendo abaixo...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions