A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017

27/07/2012 08:14

Carta-frete e caminhoneiros, por Ruy Sant’Anna

Por Ruy Sant’Anna (*)

Parece que a classe dos motoristas autônomos para transporte de cargas nasceu para amargar sofrimentos e angústias. Raramente consegue um pouco de oxigênio para respirar aliviado, a tranquilidade pessoal e principalmente da família.

Há pouco surgiu o que temiam: o diesel S50. Este combustível que veio no vácuo da proteção ambiental, por ser menos poluente que o diesel tradicional, é mais caro.

Outro complicador: essa novidade veio antes de um reajuste do preço do frete que está defasado.

Mais uma bomba de efeito imediato: o governo federal regulou a chamada “lei do descanso”. O que seria bom está atrapalhando a tranquilidade e luta pela sobrevivência desses valorosos homens e mulheres que transportam riquezas para todos os quadrantes no Brasil.

A “lei do descanso” também aparentemente boa para o motorista de transporte de cargas está sendo muito questionada.

Ouvi alguns profissionais. Um dos questionamentos é sobre a folga. As prestações vencem, a família precisa de melhorias e sobrevivência. Por essas e outras razões as posições teriam de ser mais técnica-profissional nesse quesito.

Nesse particular acredito que os assessores do governo não foram a fundo na questão. Não ouviram os interessados ou atingidos pela legislação. Tem de haver o meio termo, para dar certo.

Será que algum dia deputados, senadores e governo agirão com a razão, sem apenas o exibicionismo ou vaidade?

Qual a atitude do caminhoneiro que vem do nordeste brasileiro e estando perto de casa não poder prosseguir viagem por ter de cumprir a legislação?

O que falar do ponto de apoio ao caminhoneiro e as salas de espera... Pelas informações que tenho, não existem. Propaganda tem.

O País ainda precisa e muito do transporte rodoviário, principalmente pelas deficiências na logística e apoio que atrapalha a livre circulação de riquezas. Isso sem muito comentar sobre as deficiências de nossas estradas federais.

Mas, ampliemos o foco deste artigo.

“E aí quem quer carga pra Rondônia?” Essa pergunta que parece solução de alguma dificuldade no transporte de cargas, na realidade não é. E posso ser indagado, como assim? Os caminhoneiros não estão aí para transportar mercadorias?

Sim e não! Sim se a contratação fosse justa e com respeito à dignidade profissional, principalmente, do caminhoneiro.

E não, porque a regra a ser seguida pelo autônomo é a da carta-frete. Um particular: a carta-frete só não é detestada pelo motorista autônomo, que para não matar seu sonho profissional aceita-a para transportar mercadorias. E claro, quem aplaude ou se beneficia com ela são as transportadoras ou agentes.

A carta-frete é uma ordem de pagamento que é dada ao transportador autônomo pelo contratante do transporte, pelos serviços a serem prestados. O problema existe porque o autônomo praticamente viaja contando com esse recurso.

Via de regra, a carta-frete é trocada por combustível ou lubrificantes no caminhão, em postos de combustíveis. E estes atuam como se fossem verdadeiros bancos, descontando as tais cartas-frete. E claro, sempre com deságio no valor a ser pago ao caminhoneiro (deságio é a depreciação que sofre a carta-frete pagando sempre quantia menor). E mais, para o desconto o consumo do motorista tem de ser feito pelas ofertas no mesmo posto de combustível.

Também é comum que os postos pratiquem um preço diferenciado do diesel quando esse é pago via carta-frete, equiparando-se ao pagamento a prazo.

Após a troca da carta-frete por mercadorias, ocaminhoneiro recebe uma parte do pagamento do frete. Isto pode ocorrer através de dinheiro, depósito bancário ou cheque do posto (o qual costumeiramente é pré-datado, o que atrapalha ainda mais).

È importante dizer: esse papel é expedido sem maior formalidade legal porque o governo não o fiscaliza. E terá gente suficiente para agir?

A Resolução 3.658/11, de 19 de abril, entre outras determinantes, estabelece que o contratante que efetuar o pagamento do frete, no todo ou em parte, de forma diversa da prevista no documento, deverá ser multado em 50% do valor total de cada frete irregularmente pago, limitada ao mínimo de R$ 550 e ao máximo de R$ 10,5 mil. O texto prevê ainda multa (também de R$ 550 a R$ 10,5 mil) para quem realizar deságio no frete ou cobrança de valor para efetivar os devidos créditos.

O transportador autônomo que permitir o uso da carta-frete também será punido. Além de multa no valor de R$ 550, ele poderá ter seu registro nacional cancelado. A lei atinge também o transportador autônomo que poderá ter sua licença cassada ao não cumprir a Resolução.

O estranho é que existe essa Resolução 3658/11 de 19 de abril daquele ano que proíbe o uso da carta-frete. Tem até multa fixada, no caso do pagamento do frete, no todo ou parte, de maneira diferente da determinada pela carta-frete. Pretende essa Resolução evitar a perda do valor de face da carta-frete.

O texto prevê também multa de R$ 550 ao máximo de R$ 10,5 mil para quem fizer deságio no frete ou cobrança de algum valor para fazer os devidos créditos. Fiscalizará tais exigências?

O novo sistema permite ao governo recolher Imposto de Renda e outros encargos sociais.

Porém a regulamentação apesar de poder ser cobrada, está com sua validade provisoriamente suspensa. O pior é que a não aplicação da lei, tende torná-la uma “lei que não pegou”. Entre tantas. Gente, ela deveria ser executada desde 19 de abril de 2011...

Muitos autônomos são contra a carta-frete, pelo receio da falta de estrutura governamental na fiscalização da emissão e uso da mesma. Comentam que é praticamente impossível resistir à carta-frete, desde que não seja terminantemente proibida. O autônomo que não a aceita pode ficar mal visto no seu meio, e “ir pra geladeira”, sem transporte.

Os motoristas transportadores do progresso e desenvolvimento brasileiro merecem minha admiração e respeito. Na maioria pagam impostos e taxas sem nem saber pra onde vai o seu rico dinheiro, mas pagam. E “acho” que o governo acredita nisso: o medo do caminhoneiro ser multado.

Acompanho sua luta, caro caminhoneiro autônomo ou não e, tanto quanto você espero que seus sonhos sejam respeitados e realizados. Receba o meu bom dia, o meu bom dia pra você.

(*)Ruy Sant’Anna é advogado e jornalista.

A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...
O dilema das prisões brasileiras
No último mês de janeiro assistimos, estarrecidos, às rebeliões nos presídios de Manaus, Boa Vista e Natal. As cenas de corpos sem cabeças chocaram a...



dos patrões é zero, sem falar que fica sem dinheiro até para abastecer o caminhão, quando o patrão não manda o dinheiro do abastecimento, isso tem que ser revisto pois muitas das vezes eles são tratados como cachoro vira-lata, que se algues não der algo para comer morre de fome, onde esta o minist. transportes, que arrecada milhões de ICMS de tudo que é transportados pelo pais, acordem...
 
Marli P. Silva em 27/07/2012 11:12:21
Sou esposa de caminhoneiro, e meu esposo já passou fome por não tem um lugar para se alimnetar, hoje ele tem a cozinha e faz sua comidinha, muitas vezes chega em algum patio de posto para abrir sua cozinha e a poeita e tanta que nem consegue, cade o respeito com essa chasse, a alimentção nos rest. de posto e tao cara que se tiver que pagar o lucro fica que ganha fica nos rest. e aju de custa cont.
 
Marli P. Silva em 27/07/2012 11:07:35
Pobres caminhoneiros, roubos de cargas, roubos de pneus, um viagem que poderia ser feita em 1 h, leva 4, em algumas regiões dias devido a má qualidade das estradas, um país onde é um risco parar até nos sinais nos centros urbanos em determinadas hs, estradas sem acostamento. Parar onde na pista de rolamento e aguardar os assaltos. O brasileiro vai parar geral, o incentivo a vagabundagem é grande.
 
maria vieira em 27/07/2012 11:02:42
Dr. isso tudo e verdade inclusive aqueles que "fazem leis" sem consultar os interessados ex: onde os caminhoneiros vao descançar... posto de policia rodoviaria é proibido segundo eles o espaço e para fiscalizaçao, posto de combustivel a prioridade e para quem abastece, sanitarios, banhos etc... onde estao as AREAS DE DESCANÇO dai mais roubos e assaltos infelizmente.
Cade a policia e o governo.
 
roberto sinai em 27/07/2012 08:47:41
Excelente artigo senhor Ruy. É importante que as pessoas saibam, a que tipo de situação esses profissionais estão sujeitos. Se de fato ocorresse uma greve de caminhoneiros, que fosse por 5 dias apenas, imaginem como iriamos comer, abastecer nossos carros, ir trabalhar, etc. Conhecer e respeitar quem está diretamente ligado as nossas vidas, é de extrema importancia. Sem caminhão, o Brasil para!
 
Marineide Monteiro em 27/07/2012 08:39:00
O único profissional no BRASIL que será multado pela PRF se trabalhar 5 minutos a mais do que ELES estipularam, é o pobre do caminhoneiro: um ser humano que sustenta o ganha pão do agricultor, pecuarista, industrial, comerciante e funcionários públicos em geral. CAMINHONEIROS DO BRASIL, PAREM E DEIXEM TODOS SENTIREM NA PELE O VALOR QUE TEM O NOSSO TRABALHO.
 
edson navarini em 27/07/2012 08:04:39
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions