A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 27 de Maio de 2017

27/05/2016 18:01

Economia Criativa seria a solução para renovar o mercado da moda?

Por Fábio Uehara (*)

Paixão pela profissão, criatividade e sensibilidade são motores que fazem um estilista criar. Porém, tais características são pouco valorizadas pelo mercado atual, direcionado pela maximização do lucro, a velocidade da produção e uma moda baseada no “copia e cola”. Frente a esse contexto, um estilista bem sucedido é aquele que consegue equilibrar criação artística com as ansiedades da sociedade e necessidades mercado.

Existem casos que são exemplos de sucesso, mas a realidade nos mostra que a grande maioria dos profissionais da moda, que como qualquer outro precisa sobreviver de seu trabalho, acaba tendo que se render ao mercado convencional. Talvez isso seja reflexo da visão de mundo predominante em nossa sociedade, que infelizmente só aspira àquilo que é consagrado pelo “mass media”.

Mas a moda, desde sempre foi expressão de cultura de um povo, sendo que diferentes etnias exprimem sua identidade através das vestes. No entanto, a industrialização iniciada há pouco mais de 200 anos, nos tirou o direito de construir roupas utilizando cores, matérias-primas e processos produtivos desenvolvidos pelos artesãos locais.

Em contrapartida, potencializado por diversas crises socioambientais, nacionais ou internacionais, estão surgindo em diferentes partes do mundo soluções criativas para combater problemas causados pela lógica vigente. Tais iniciativas vão desde repensar o processo produtivo, o consumo, o uso de matéria-prima e o descarte de roupas.

A grande indústria, apesar de estar ciente dos problemas por ela gerados, infelizmente abre pouco espaço para que se de desenvolvam inovações capazes de impactar positivamente na sociedade. Por outro lado, surgem iniciativas, que já estão começando a gerar reflexão no mercado convencional e aos poucos começa a absorver o potencial transformador da Economia Criativa.

Estamos entrando na era do compartilhamento, criando sinergia para que todos se satisfaçam. O acesso às máquinas e ao mercado deve se abrir para os estilistas criativos e às pequenas confecções. A nova tendência que surge pode ser percebida através dos coworkings de moda que estão surgindo e costureiras que estão se organizando em cooperativas.

De encontro a isso, diversas soluções estão sendo gestadas, como centrais de compras que podem solucionar problemas relacionados à aquisição de tecidos e aviamentos; market places, que solucionam o problema de venda digital; e os co-shops ou lojas colaborativas físicas para a venda de produtos.

Trata-se de uma rede que está sendo construída para permitir que o profissional de moda possa atender suas necessidades criativas, de encontro às necessidades da sociedade e não apenas seguir as diretrizes mercadológicas focadas no lucro individual.

(*) Fábio Uehara é sócio-fundador do LAB Fashion, um escritório de coworking, que, além do espaço, compartilha ideias para a evolução do mercado da moda no Brasil.

A reforma do gás natural
A agenda da competitividade é imprescindível para o desenvolvimento do país. Precisamos de reformas que reduzam o custo Brasil por meio da melhora do...
Tendência da Justiça do Trabalho e os reflexos no seu negócio
Não é novidade que a Justiça do Trabalho tem como objetivo facilitar a busca de direitos por parte dos trabalhadores. Ela faz parte de uma rede de pr...
O futuro da educação começa agora
Você, com certeza, já se pegou perguntando, em tom de curiosidade, para onde as mudanças desse mundo vão nos levar e qual será o destino das próximas...
Capitalismo de compadrio e corrupção sistêmica
Reza o bom senso que o Estado não deve tratar empresas nem bondosa nem cruelmente demais. Naquilo que tem de bom, a sabedoria proverbial vislumbra os...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions