A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017

08/09/2011 10:39

Educação, políticas públicas e oportunidades

Por Ivo Campos (*)

Segundo dados do IBGE, 84% da população vive na zona urbana e, provavelmente, uma das maiores preocupações das famílias evidentemente é com relação à questão educacional e formação profissional dos filhos para tentar sobreviver na cidade.

No Brasil é comum ouvir coisas do tipo: “O problema dos jovens ficarem na rua, a mercê da própria sorte, é culpa das leis” (...) “As autoridades brasileiras proíbem adolescentes e jovens de trabalhar”. Esquecem, porém, que as leis foram criadas para coibir a exploração do trabalho infantil, principalmente nas carvoarias, pedreiras, olarias e evitar que crianças e adolescentes sejam submetidas a árduas jornadas de trabalho tanto no campo quanto na cidade.

Segundo o site “Brasil Escola”, no Brasil, aproximadamente 5,5 milhões de brasileiros, com idades que oscilam entre 5 e 17 anos, trabalham enquanto deveriam estar na escola.

O Estatuto da Criança e do Adolescente estabelece em seu artigo 2º que adolescente é a pessoa entre doze e dezoito anos de idade e criança é pessoa até doze anos de idade incompletos. A lei, no entanto, garante ao menor entre 14 e 16 anos ter algum vínculo empregatício desde que seja na condição de menor aprendiz.

As queixas dos pais são compreensíveis, na medida em que não admitem perder a batalha da criação e educação dos seus filhos para o submundo das drogas e da prostituição. Ao levantar essas problemáticas, no fundo desejam protegê-los. E uma das maneiras de ocupar a cabeça das novas gerações é envolvê-los em atividades saudáveis, sobretudo, no seu contra turno escolar.

Os que estudam pela manhã desenvolvem outras atividades à tarde e vice-versa. Ao poder público, cabe oferecer essas ocupações nas várias modalidades: esportivas, culturais, reforço escolar, dança, instrumentos musicais, artes, cursos profissionalizantes e outros.

Numa sociedade em que a rotina dos pais dificulta uma maior participação na formação intelectual dos filhos, cabe ao Estado assumir seu papel em conformidade com a Lei maior do país, Constituição Federal, que diz o seguinte, em seu artigo 205, “A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho”.

Recentemente, a presidente Dilma Rousseff anunciou a implantação de 120 unidades de Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia em todo o país, as chamadas Escolas Técnicas Federais, e nossa cidade será uma das contempladas com essa iniciativa. O Brasil está caminhando, são medidas dessa natureza que irão possibilitar ao jovem, melhor qualificação e oportunidades para ingressar no mercado de trabalho.

(*) Ivo Campos é professor da Rede Municipal de Educação de Dourados/MS. – campivo@hotmail.com

Desarranjo planetário
Enfrentamos um desarranjo global na gestão pública. Os líderes se afastam da ideia de que são responsáveis por imprimir melhora geral na qualidade hu...
Tudo pelo cliente
Muitas pessoas me perguntam como é o meu dia a dia, como é administrar uma das marcas mais valiosas e admiradas do Brasil. Posso dizer, sem falsa mod...
OMC: a derrota anunciada
Não deixa de ser curioso que, num momento em que a Organização Mundial do Comércio (OMC), com sede em Genebra, é dirigida pelo diplomata brasileiro R...
Os cuidados que os varejistas devem ter com as novas leis trabalhistas
No próximo mês de novembro entrará em vigor as novas regras trabalhistas. Empresas e trabalhadores de diversos setores, entres eles o varejista, prec...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions