A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017

30/01/2012 11:00

Enchentes e obras de ficção

Por Marcos Alex Azevedo de Melo (*)

Todo ano a situação se repete, marcada por um rito natural. Basta chover acima do previsto e do céu surgir uma tormenta ultrapassando a média pluviométrica prevista, a nossa cidade se vê mergulhada no caos.

É aí que surge a “operação abafa”, geralmente iniciada com uma entrevista às tevês e takes de um prefeito ocupado e preocupado percorrendo pontos críticos, em cujo cenário ao fundo, sempre se vendo uma massiva presença de garis e patrolas.

E assim vão brotando as explicações e a declaração oficial, timbrada pelo hábito de oferecer mais do mesmo, detalhando manjadas desculpas:

“já estamos providenciando tudo”, “a situação ocorreu porque choveu”, “a chuva foi muito forte”, “a obra tal ainda não está pronta”..o repórter questiona, avido por uma resposta, e quando será resolvido o problema? "ja estamos trabalhando" "contra Deus e a natrureza não se pode fazer nada".

O que Deus tem a ver com essa situação? em dezembro de 2011, um menino morre soterrado pelo lixão, agora, um motoqueiro perde sua vida, tragado pelo bueiro de uma rua de nossa cidade. Cade a responsabilidade civil, humana e administrativas para essas mortes?

De uma coisa o prefeito não poderá jamais reclamar: é da boa vontade dos seus concidadãos, de uma maneira geral, e em especial dos órgãos fiscalizadores e que monitoram - do ponto-de-vista social e institucional - as ações da administração publica, da imprensa, da Câmara, do Ministério Publico.

Uma blindagem absurdamente bem acima dos limites. Passou-se uma gestão de oito anos e não se resolveu o problema da Avenida Afonso Pena. Quanto de dinheiro foi aplicado nessa obra?

Neste mais recente temporal as águas desciam sobre e sob a camada do asfalto recapeado, denunciando a absoluta falta de drenagem numa via que esperou décadas por uma cirurgia reparadora que custou 8 milhões de reais, inaugurada como se fosse a principal obra de um governo, muita propaganda, placas, fotos e imagens festivas. Porém, mal acaba o foguetório e o pavimento já começa a esfarelar. Pura obra de ficção.

Os saquinhos das galerias na Ricardo Brandão, vergonhosamente colocados, após o seu desmoronamento, fizeram a opção de recomeçar tudo de novo. Quanto tempo demorou essa obra? Quanto de recurso publico ali foi investido? Obra de ficção.

Na Ernesto Geisel (a Norte-Sul) tentou-se arrumar a erosão asfáltica improvisando antigos trilhos de ferro usados para escorar placas de concreto. A ação, amadora, sugere uma analogia com a construção da primeira casa dos três porquinhos da fábula infantil. Anote-se: R$ 42 milhões! Esta é a pedida oficial da prefeitura para que possa arrumar a via, sinceramente...a barragem (!!??) construída no Sóter, denotam e evidenciam a ausência total de preparo técnico e até mesmo do bom senso na sua execução, supervisão e liberação, um verdadeiro escarnio.

Nos bairros, em asfaltos feitos e entregues há menos de seis meses, a única coisa que resta e que não esfarelou é o totem alaranjado anunciando, com requintes de crueldade, a entrega de mais uma obra de ficção e a chegada do carnê de contribuição de melhorias, a famigerada taxa de asfalto.

O fato e um dado concreto: todas as obras publicas em Campo Grande duram uma eternidade pra se concretizar, quanto tempo demorou pra ser entregue vias como a Ceara- a propria via Park- a Mato Grosso com a Via Park? e geralmente, todas, pequenas, médias e as grandes obras sempre reclamam e precisam de recall, é dinheiro publico sendo gasto duplamente, triplamente. E o engraçado é que ainda posam de competentes e se fazem se passar por sérios, infelizmente muitos incautos ainda acreditam nessa competência "fictícia".

Diante dessa situação a melhor coisa que a atual administração poderia fazer nesse momento em relação às enchentes é o não fazer. Se não deu conta e não teve competência técnica e gerencial para, nesses oitos anos, resolver tais problemas, não será agora em 6 meses – pois o calendário eleitoral é super-apertado – que conseguirá a solução miraculosa. É melhor, mais barato, e certamente deixar essa tarefa para o prefeito ou prefeita que vier. Chega de obras de ficção. Dinheiro publico merece respeito.

(*) Marcos Alex Azevedo de Melo - Alex do PT - é vereador em Campo Grande.

A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...
O dilema das prisões brasileiras
No último mês de janeiro assistimos, estarrecidos, às rebeliões nos presídios de Manaus, Boa Vista e Natal. As cenas de corpos sem cabeças chocaram a...



as pessoas de campo grande deveriam contribuir mais com a adiministração publica, fazendo sua parte nas eleições que estão chegando, ou seja: não jogar lixo dentro da urna!!!!
 
marcio willians em 30/01/2012 12:51:23
Acredito que as obras iniciadas pela gestão do PMDB (1996 a 2012) serão quase todas concluídas com êxito. Não vejo motivos para tanto alarde em relação as chuvas torrenciais desses últimos dias. O fato é que ninguém tem um manual ou o controle do que a NATUREZA pode ou não. Os que estão aí "criticando" no mínimo jamais tentaram ou fizeram algo melhor.
 
Mario Cesar Ferreira Lima em 30/01/2012 05:28:08
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions