A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2017

04/12/2014 09:45

Ensinando com Shakespeare

Por Ronaldo Mota (*)

Nascido na Inglaterra em 1564 e tendo vivido até 1616, Willian Shakespeare foi contemporâneo da descoberta do Brasil pelos portugueses em 1500. Raros deixariam de citá-lo como maior poeta e dramaturgo de todos os tempos no idioma inglês, bem como entre aqueles poucos que decifraram de forma tão profunda a alma humana, tendo escrito peças que capturaram de forma completa as emoções associadas aos eternos conflitos humanos.

Shakespeare, sendo eterno e universal, pode ser muito útil ao processo ensino-aprendizagem, especialmente no Brasil atual. No Reino Unido, a Royal Shakespeare Company, baseada em sua terra natal, Stratford-upon-Avon, desenvolve programas educacionais com resultados surpreendentes, especialmente como estímulo à criatividade na educação básica. Mas há algo mais no que diz respeito às metodologias educacionais, indo além dessa iniciativa, e que tem motivado abordagens inovadoras e plenamente compatíveis com o mundo contemporâneo.

Shakespeare escreveu mais de 30 peças teatrais sobre temas e ambientes os mais variados, tendo um ponto em comum em todas elas: não há mocinhos e bandidos; ao contrário, os anjos e demônios habitam e influenciam cada um de seus personagens. Tal característica propicia um conjunto de experiências educacionais inovadoras e transformadoras. A relativização do bem e do mal extremos ajuda na construção do caráter do educando, especialmente naquilo que a educação pode contribuir no complexo processo de formar cidadãos, colaborando em moldar comportamentos e hábitos.

Um exemplo de procedimento educacional com tal inspiração seria adotar na abordagem de temas complexos e polarizadores uma metodologia que explorasse extremos ao avesso para estimular tolerância e combater intransigência. A título de ilustração, o tema aborto (ou política), que, em geral divide ao meio opiniões, permitiria ser tratado de tal forma que os estudantes que tendem a discordar do aborto apresentassem os argumentos consistentes que justificam ser a favor. Da mesma forma, caberia ao grupo de alunos que tende a reprovar o aborto explicar os mais plausíveis raciocínios e circunstâncias específicas que levassem a admiti-lo. Tal abordagem não tem nenhuma intenção de demover alguém de sua convicção, mas, sim, de propiciar a vivência de raciocínios e caminhos que levem a posições distintas das suas.

Ao longo desses exercícios educacionais, o educando percebe que a imensa maioria dos assuntos que dividem a sociedade permite múltiplos, legítimos e consistentes enfoques que levam, eventualmente, a posicionamentos finais bastante divergentes. Ou seja, por mais que alguém esteja convicto de algo, é respeitável que, à luz de argumentos diversos, chegue a conclusões bastante diferentes da sua. E isso não o faz mais certo ou menos errado, mas certamente o torna alguém mais tolerante, flexível, menos intransigente e mais bem preparado para enfrentar, de forma saudável, o mundo contemporâneo.

(*) Ronaldo Mota é reitor da Universidade Estácio de Sá e professor titular aposentado da Universidade Federal de Santa Maria

A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...
O dilema das prisões brasileiras
No último mês de janeiro assistimos, estarrecidos, às rebeliões nos presídios de Manaus, Boa Vista e Natal. As cenas de corpos sem cabeças chocaram a...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions