A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 24 de Junho de 2018

21/07/2016 17:09

Estamos fora do jogo?

Por Júlio Correia Neto (*)

Tenho observado que muitos desempregados tentam ao máximo não aceitar qualquer tipo de trabalho, qualquer tipo de remuneração. É comum escutar frases do tipo: ‘por esse valor prefiro ficar em casa’.

As pessoas estão cansadas, saturadas de serem exploradas, de darem seu sangue, sua energia em jornadas muitas vezes insanas de trabalho de mais de 10 horas por dia, para receberem uma remuneração, que muitas das vezes, mal dá para sobreviver.

Por vezes, escutamos notícias de que o Brasil vai sofrer falta de mão de obra qualificada. Isso gera um espaço aberto para importarem os desempregados ‘gringos’, depois de estarem estimulando tanta gente boa a ir viver no exterior.

Ninguém está preocupado com a pressão social que está sendo gerada. Pelo contrário. A pressão está cada vez maior no sentido de gerar mais pobreza, mais pessoas arruinadas e dependentes da esmola desse sistema mesquinho e podre. Vivemos num antagonismo assustador entre uma minoria roubando descaradamente enquanto milhões e milhões vivem, literalmente, ‘na rua da amargura’.

Costumo sempre dizer que não adianta continuar vivendo dentro de uma bolha ilusória de ostentação sitiada pela violência à volta, com medo de tudo e de todos. E o mais engraçado disso tudo: a vaidade, a soberba, a indiferença, a arrogância, o orgulho continuam lá no primeiro lugar do pódio. A ignorância humana prepondera.

Quantos ‘líderes’ ainda vejo evitando ao máximo se misturarem com os funcionários ‘por se acharem, simplesmente, melhores’. Sendo que alguns deles são da mesma origem. A falta de humildade os fazem esquecer disso e de que a vida costuma pregar surpresas, de que nada é eterno, ao longo da caminhada. Por exemplo, subalternos que se tornam os chefes, doenças graves que aniquilam vidas e sonhos, falências, quebradeiras e negócios malfeitos.

É ilusão acharmos que estamos seguros em algum lugar do mundo. A degeneração social é global e ainda temos que assistir políticos propagando ainda mais divisionismo, intolerância e racismo.

Como muitos conseguirão fugir do desemprego formal através de atividades paralelas, se milhões estão seguindo pelo mesmo caminho? Fica claro que não termos demanda suficiente para satisfazer a oferta, principalmente considerando que a grande maioria trata-se de mão-de-obra desqualificada. O preço da ignorância alimentada por anos a fio, cobra o seu preço e muito caro. A falência é sistêmica.

Em muitos casos estou percebendo situações do tipo ‘tirar leite de pedra’. A concentração do poder e dos negócios está se intensificando em paralelo a um maior nível de automação de processos. Com isso, a tendência é que cada vez mais pessoas fiquem fora do jogo e sejam empurradas para a periferia.

(*) Júlio Correia Neto, coach e gestor de mudanças

Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...
Uma nobre atitude de cidadania e espiritualidade
A solidariedade é intrínseca à condição humana, um dever moral que vai além da dimensão religiosa, pois todos somos gregários e frágeis. A bondade é ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions