A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Outubro de 2019

14/11/2012 14:35

Ferrugem da soja: manejo preventivo ou calendarizado?

Por Alexandre Roese (*)

A partir da safra 2012/2013, o período de vazio sanitário inicia e termina 15 dias antes do que costumávamos observar em Mato Grosso do Sul, devido a publicação da Lei Estadual Nº 4.218/2012. Essa antecipação traz alguma consequência para o controle da ferrugem? Vejamos quais as possíveis implicações dessa mudança.

Como o início do vazio sanitário, que antes era dia primeiro de julho, passou para 15 de junho, o controle das plantas voluntárias de soja deverá ser realizado, no mínimo, 15 dias antes. Assim, antecipar o vazio sanitário significa retirar o inóculo (fonte de doença) das lavouras mais cedo. Isso contribui para o manejo da ferrugem.

No entanto, como o vazio sanitário também termina mais cedo (15 de setembro) e a semeadura da soja passa a ser permitida a partir dessa data, aumentam-se as chances de que a ferrugem chegue mais cedo na região. Para quem semeou a soja cedo, não há problema nenhum. Pelo contrário, facilita o manejo da doença. Mas essa condição pode aumentar a dificuldade de manejar a ferrugem nas lavouras semeadas mais tarde, pois maior quantidade de inóculo da ferrugem terá sido produzida, já que a soja foi semeada mais cedo nas lavouras próximas.Ou seja, é bom por um lado, mas pode dificultar por outro. O que importa é estar atento e realizar um adequado monitoramento da lavoura.

Esse é o principal motivo que nos leva a escrever este artigo: o produtor de soja deve monitorar a sua lavoura, procurando pela ferrugem, já a partir da fase vegetativa. Atenção: não é possível prever, estabelecer ou dizer, com antecedência, que se fará uma aplicação de fungicida preventiva em R1 ou R2, por exemplo. E se a ferrugem chegar antes disso na lavoura? As chances de que isso aconteça nas lavouras tardiassão maiores agora, com a antecipação do vazio sanitário. Não podemos confundir “alhos com bugalhos”. Controle preventivo é uma coisa, controle por calendário é outra.

O produtor que estabelecer previamente que fará a primeira aplicação de fungicida no florescimento (ou no fechamento das ruas, ou em outro momento) e não monitorar sua lavoura para ver se a ferrugem chegou lá antes dele, precisa assumir que fez aplicação calendarizada (confiou na sorte, na experiência, em alguém, etc.), e não preventiva. Prevenção exige monitoramento. A sugestão é que se estabeleça um limite e se monitore antes. Por exemplo: que a primeira aplicação seja, no máximo, no florescimento pleno, mas com monitoramentoconstante antes disso, e se a ferrugem for constatada durante o monitoramento, antecipa-se a aplicação.


(*) Alexandre Roese é engenheiro Agrônomo e fitopatologista da Embrapa Agropecuária Oeste

 

 

 

Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...
Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions