A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

14/11/2012 14:35

Ferrugem da soja: manejo preventivo ou calendarizado?

Por Alexandre Roese (*)

A partir da safra 2012/2013, o período de vazio sanitário inicia e termina 15 dias antes do que costumávamos observar em Mato Grosso do Sul, devido a publicação da Lei Estadual Nº 4.218/2012. Essa antecipação traz alguma consequência para o controle da ferrugem? Vejamos quais as possíveis implicações dessa mudança.

Como o início do vazio sanitário, que antes era dia primeiro de julho, passou para 15 de junho, o controle das plantas voluntárias de soja deverá ser realizado, no mínimo, 15 dias antes. Assim, antecipar o vazio sanitário significa retirar o inóculo (fonte de doença) das lavouras mais cedo. Isso contribui para o manejo da ferrugem.

No entanto, como o vazio sanitário também termina mais cedo (15 de setembro) e a semeadura da soja passa a ser permitida a partir dessa data, aumentam-se as chances de que a ferrugem chegue mais cedo na região. Para quem semeou a soja cedo, não há problema nenhum. Pelo contrário, facilita o manejo da doença. Mas essa condição pode aumentar a dificuldade de manejar a ferrugem nas lavouras semeadas mais tarde, pois maior quantidade de inóculo da ferrugem terá sido produzida, já que a soja foi semeada mais cedo nas lavouras próximas.Ou seja, é bom por um lado, mas pode dificultar por outro. O que importa é estar atento e realizar um adequado monitoramento da lavoura.

Esse é o principal motivo que nos leva a escrever este artigo: o produtor de soja deve monitorar a sua lavoura, procurando pela ferrugem, já a partir da fase vegetativa. Atenção: não é possível prever, estabelecer ou dizer, com antecedência, que se fará uma aplicação de fungicida preventiva em R1 ou R2, por exemplo. E se a ferrugem chegar antes disso na lavoura? As chances de que isso aconteça nas lavouras tardiassão maiores agora, com a antecipação do vazio sanitário. Não podemos confundir “alhos com bugalhos”. Controle preventivo é uma coisa, controle por calendário é outra.

O produtor que estabelecer previamente que fará a primeira aplicação de fungicida no florescimento (ou no fechamento das ruas, ou em outro momento) e não monitorar sua lavoura para ver se a ferrugem chegou lá antes dele, precisa assumir que fez aplicação calendarizada (confiou na sorte, na experiência, em alguém, etc.), e não preventiva. Prevenção exige monitoramento. A sugestão é que se estabeleça um limite e se monitore antes. Por exemplo: que a primeira aplicação seja, no máximo, no florescimento pleno, mas com monitoramentoconstante antes disso, e se a ferrugem for constatada durante o monitoramento, antecipa-se a aplicação.


(*) Alexandre Roese é engenheiro Agrônomo e fitopatologista da Embrapa Agropecuária Oeste

 

 

 

Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...
Uma nobre atitude de cidadania e espiritualidade
A solidariedade é intrínseca à condição humana, um dever moral que vai além da dimensão religiosa, pois todos somos gregários e frágeis. A bondade é ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions