A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

02/12/2018 07:35

Haverá garantia dos direitos para crianças e adolescentes?

Por Reginaldo de Souza Silva (*)

Após 28 anos da implantação do Estatuto da Criança e do Adolescente no Brasil – ECA/90, que incorporou a doutrina da proteção integral, visando assegurar o acesso a políticas sociais básicas, tais como, direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação e ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além da obrigação de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. Quem deve assegurá-los?

Segundo o art. 227 da CF/88, é dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, seus direitos fundamentais. Isto implica um conjunto articulado e intersetorial de ações governamentais e não governamentais, da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, que apesar dos avanços identificados, ainda existem políticas publicas fragmentadas e desarticuladas, que oneram e/ou não atingem os objetivos propostos pela falta de intersetorialidade na ação.

É preciso deixar claro sempre, que crianças e adolescentes são sujeitos de direitos, civis humanos e sociais. A luta contra a erradicação do trabalho infantil, a exploração sexual de crianças e adolescentes que insistem em permanecer na cultura brasileira, a manutenção da política de assistência social deve ter reforço triplicado. Com uma população estimada em 204,9 milhões, a desigualdade permanece. Segundo dados da (PNAD/2015), 21% são menores de 14 anos. Destes, 35,6% ainda residiam em domicílios cujo rendimento mensal per capita é de até ¼ do salário mínimo, ou seja, extremamente pobres. E ainda existem defensores da extinção e/ou redução da Bolsa-Familia!

A educação, um dos pilares da cidadania plena, revela que, 2,8 milhões de crianças e adolescentes, de 4 a 17 anos, estão fora da escola, agravado pelos altos índices de repetência, evasão e falta de domínio dos conhecimentos. Exclusão concentrada na população de pobres, negro(a)s, indígenas, quilombolas, parcela que tem algum tipo de deficiência e significativa parte vive nas periferias dos grandes centros urbanos, no Semiárido, na Amazônia e na zona rural, incluídas também aquelas em situação de rua.

Desde 2005, o Brasil garante o acesso das crianças e dos adolescentes à educação, com uma taxa de atendimento escolar de 94,2% em 2015, longe da universalização determinada na CF/88 que deveria ser atingida até 2016. Segundo o Censo Escolar/MEC 2016, o atendimento escolar a crianças de até 3 anos de idade foi de 25% e, na faixa etária adequada à pré-escola (4 e 5 anos), foi de 84,3%. As matrículas em tempo integral do ensino fundamental caíram 46% em 2016, de 16,7%, em 2015, para 9,1%, em 2016.

Como garantir educação integral com infraestrutura escolar precária, desvalorização dos profissionais da educação e a busca de sobrevivência de muitos adolescentes? A meta do Plano Nacional de Educação - PNE/14, é “triplicar as matrículas da educação profissional técnica de nível médio”, a ampliação da qualificação para o trabalho em escolas públicas não esta sendo atingida. Além da educação profissional, o direito ao trabalho protegido a partir da idade permitida deve ser assegurado aos adolescentes.

As metas previstas no PNE/14, NÃO ESTAO SENDO CUMPRIDAS, tais como: 1 – Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 a 5 anos de idade e ampliar a oferta em creches de forma a atender, no mínimo, 50% das crianças de até 3 anos; 2 – Universalizar o ensino fundamental de 9 anos para toda a população de 6 a 14 anos e garantir que pelo menos 95% dos alunos concluam essa etapa na idade recomendada; e 3 – Universalizar, até 2016, o atendimento escolar para toda a população de 15 a 17 anos e elevar, até o final do período de vigência do PNE, a taxa líquida de matrículas no ensino médio para 85%. Com as Diretrizes do Ensino Médio recém-homologadas pelo MEC o caos estará estabelecido.

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), assumidos pelo Brasil a serem cumpridos até 2030. Como ex, ODS-4, há um conjunto de 10 metas que visam a assegurar educação inclusiva, equitativa e de qualidade, e a promover oportunidades de aprendizado ao longo da vida para todo(a)s. Um olhar atento a educação no campo, quilombola, indígena, privado(a)s de liberdade, agravado pela supressão ao respeito aos direitos humanos, exemplo, o conceito de gênero e do termo ‘orientação’ na Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

A mortalidade infantil, em que a maioria é indígena, o retorno de doenças consideradas extintas e/ou controladas, a subnotificação da HIV/Aids, o extermínio da juventude. Dados do Boletim Epidemiológico HIV/Aids do DVS-Ministério da Saúde, indicam aumento de 130% nos casos de HIV notificados, de 327 em 2007 para 752 em 2016, foram notificados 29 casos de menores de 5 anos, cinco, de 5 a 9 anos, 21, de 10 a 14 anos e, 703, de 15 a 19 anos. Em relação às gestantes infectadas, os dados indicam que, em 2016, foram notificados 27 casos de 10 a 14 anos e 547 de 15 a 19 anos, totalizando 574 notificações, um aumento de 150% em relação ao ano 2000.

Em 2016, computou-se 607 casos de Aids em menores de 19 anos, uma queda de 42% em comparação com 2003, destes, 152 casos em crianças menores de 5 anos, 37 de 5 a 9 anos, 33, de 10 a 14 anos e 385, de 15 a 19 anos. Registrou em 2015, 206 óbitos de menores de 19 anos por Aids, 131 na faixa etária de 15 a 19 anos. Comparado a 2003, houve uma redução de 35% nesta faixa etária.

Lamentavelmente, a discussão sobre direitos sexuais e reprodutivos ainda não avançou para provocar as mudanças culturais necessárias, no contexto de um país onde a erotização é explorada frequentemente pelos meios de comunicação. Um olhar mais atento em relação à gravidez na adolescência, dados do Relatório de Monitoramento dos Direitos da Criança e do Adolescente – CADÊ? Brasil 2016 revelam que, em 2014, houve 278.667 registros de mães adolescentes, das quais 28.177 na faixa etária de 12 a 14 anos, e 250.490, de 15 a 17 anos.

Resta à sociedade brasileira em cada estado e municípios, como subsidio as políticas a serem elencadas nas conferencias municipais, estaduais e nacional dos Direitos das Crianças e Adolescentes refletir sobre: Como garantir a articulação intersetorial entre as políticas públicas? O respeito à diversidade na elaboração e implantação das políticas de educação, saúde e assistência social, entre outras? A proteção integral de crianças e adolescentes de grupos em situação de vulnerabilidade social, considerando suas especificidades locais, regionais, culturais e identitárias?

(*) Prof. Dr. Reginaldo de Souza Silva é coordenador do Núcleo de Estudos da Criança e do Adolescente da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – NECA/UESB; Prof. Dr. Paulo Paes - UFMS

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions