A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

26/01/2015 09:26

Irlanda muda regras para intercâmbio

Por Ana Luisa D'Arcadia de Siqueira (*)

A Irlanda é um país que atrai muitos intercambistas. As belezas naturais, escolas de qualidade, facilidade de visto e permissão de trabalho levam estudantes de várias nacionalidades, inclusive muitos brasileiros, para a famosa ilha esmeralda.

Com o aumento de estudantes estrangeiros trabalhando no país, a fiscalização foi se tornando cada vez mais complicada de se exercer, sendo muitas vezes quase impossível controlar se a quantidade de horas que o estudante estava trabalhando ultrapassava o limite do permitido.

Ao mesmo tempo, muitos estudantes ao começar a trabalhar, deixavam de frequentar as aulas. Com salas vazias, as escolas recebiam mais alunos do que a capacidade, já que grande parte deles não ia às aulas e estava matriculado apenas para conseguir o visto. Com tudo isso, a qualidade das escolas foi caindo e a Irlanda viu a sua fama de país de alta qualidade de ensino, ir se perdendo.

Foi então que o governo decidiu criar novas regras para imigração. A primeira seria a de fechar todas as escolas que não tivessem o selo Acels, que é um órgão que regulamenta as escolas e só aprova quem se encaixa em diversas exigências. Foi lançada uma lista provisória, em dezembro de 2014, com a promessa de que uma nova lista sairia no começo de janeiro. A data foi prorrogada para 21 de janeiro, mas essa exigência foi cancelada devido a uma ação movida pelas escolas que não possuem creditação. Isso significa que, por enquanto, mesmo as escolas que não possuem a certificação poderão continuar recebendo alunos estrangeiros.

Então o que mudou? Até agora, apenas a regra do período de trabalho. Antes, os alunos com visto de estudante de um ano na Irlanda podiam trabalhar 20 horas semanais durante o período de curso (part time) e 40 horas semanais durante o período de férias (full time). Era o chamado ano acadêmico, onde 25 semanas eram de curso e 25 semanas de férias.

Já agora, o aluno só poderá trabalhar 40 horas semanais nos meses de férias irlandesas (maio, junho, julho, agosto e durante o recesso de final de ano, 15 de dezembro a 15 de janeiro). Assim, o governo terá mais controle.
Muitas outras mudanças podem vir mas, no momento, as únicas mudanças reais são nas regras dos períodos de trabalho. Para quem vai embarcar para a Irlanda nos próximos meses, o melhor conselho é procurar uma agência séria, com consultores educacionais qualificados que possam indicar colégios de qualidade e dar todo o suporte necessário em qualquer situação.

(*) Ana Luisa D'Arcadia de Siqueira é diretora de marketing da Global Study, franquia de intercâmbios.

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions