A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Setembro de 2017

04/12/2012 15:55

Liberdade e mudança

Por Telmo Schoeler (*)

O artigo de James Hagerty no Wall Street Journal que mostra a melhoria e eficiência de companhias americanas retrata um cenário que merece meditação. Sem paixão, nele vemos a vida se descortinando e inexoravelmente traçando o caminho dos que tem a capacidade de sobreviver e dos condenados à morte por inflexibilidade.

É a lei de Darwin aplicada ao meio empresarial, onde na evolução das espécies, sobrevivem não os mais fortes, mas os que se adaptam como nos ensinam os dinossauros que se foram e as baratas que continuam por aí há milhões de anos. A crise financeira e econômica mundial de 2008/09 pegou a todos, indistintamente, sem poupar continentes, antiguidades ou estágios de desenvolvimento, ainda que alguns marketeiros espertos e de plantão por aqui a descrevessem como “marolinha”.

A partir dela alguns países e empresas encararam a crua realidade e mudaram, ajustando-se ao novo cenário. Outras comunidades e organizações continuam por aí, debatendo-se enquanto sangram, numa hemorragia que ainda levará muitos à morte.

Esta realidade generalizada sugere a pergunta: por que os USA e as empresas americanas saíram menos chamuscadas, tiveram perdas menores e se recuperaram mais rápido? Mais que isso, por que a Europa continental – salvo raras exceções tipo Alemanha – continua mergulhada num atoleiro de onde não sabe (ou não quer?) sair?

A explicação não está na ideológica e retrógrada visão que culpa a lógica “individualista, desumana, movida por organizações de objetivos excusos do regime capitalista”, nem em visões de fatalidade, destino ou falta de sorte, mas sim na presença e sustentação de dois grandes pilares conceituais: a Liberdade e a Mudança. Enquanto a Liberdade é um princípio, de respeito ao indivíduo, sem adjetivos, a Mudança é uma postura, uma atitude, um estado de espírito, uma visão de mundo, sendo a ligação entre ambas umbilical: a segunda não existe sem a primeira. E ambas não existem se estivermos focados no que passou, olhando pelo retrovisor.

Aqui reside uma fenda abissal e cultural: enquanto a Europa olha para trás, os USA o fazem para frente. Aquela usa leis, conceitos, hábitos e tradições do passado, enquanto a América analisa os fatos, aceita a inexorabilidade da vida e muda, para sobreviver. Não todos, pois a evolução das espécies produz sempre e apenas a sobrevivência da maioria. A renovação pela morte parcial é salutar em todas as instâncias da vida, o que pode soar duro, mas é realista e depurador.

Esta diferença basilar de enfoque se reflete no dia a dia das empresas: enquanto a Europa – e o Brasil por ela colonizado – é especialmente focado num conceito patrimonialista do imóvel, da loja, das terras que se “tem”, o Novo Mundo segue a visão rentista, perguntando-se quanto “rendem” ou “produzem” o imóvel, a loja ou as terras. Se a resposta for “nada”, o que adianta tê-las. Para simplificar, é a percepção de que a sobrevivência se dá pelo caixa e não pelo patrimônio.

Quando a Harley Davidson e a Caterpillar detectam mudanças necessárias de operações e gestão, observa-se que os sindicatos e os operários esmagadoramente entendem, acompanham e aderem à lógica, fazendo com que todos ganhem com isso, inclusive o país, por decorrência. Contrariamente, na Europa – e nos seus colonizados – fazem-se piquetes, greves, manifestações e passeatas para manter o status quo e direitos adquiridos, como se a vida fossa feita de passado e não de futuro. A história do passado é boa como reconhecimento do mérito do que foi, é válida como memória e respeito e merece ser preservada nos museus físicos ou espirituais.
Sabemos que viver não é fácil, mas com Liberdade e Mudança, no frigir dos ovos, a América sofre menos e avança mais. Inexoravelmente. Teve razão Alvin Tofler quando sentenciou que “os analfabetos do século XXI não serão os que não souberem ler e escrever, mas os que não souberem aprender, desaprender e reaprender”.

(*)Telmo Schoeler é administrador (UFRGS), Master of Business Administration – MBA – (Michigan State University – USA), com diversos cursos de extensão em gestão, governança corporativa, planejamento, finanças, marketing e qualidade, no Brasil, USA (Southern Connecticut University e Yale University) e Inglaterra (City of London). 

Às vezes, temos de magoar alguém para salvar a nós mesmos
Poderemos ter que romper com um parceiro que ainda nos ame, que dizer não a alguém muito querido, que ser antipáticos, pois sempre haverá a necessida...
Por que participar do Comitê dos Usuários de Serviços de Telecomunicação
Desde a polêmica das franquias de dados na Internet fixa, a Agência Nacional de Telecomunicações vive uma crise de imagem e de legitimidade. Na época...
A Guerra de 100 anos: poupadores vs bancos
Há 680 anos, a Europa ocidental testemunhava o início de uma de suas mais longas guerras. A versão mais conhecida entre historiadores é de que o conj...
As deformações sobre o conteúdo (ataques e defesas) da reforma trabalhista
Recentemente li uma matéria no Jornal Valor Econômico, de 11 de setembro de 2017, que me deixou muito intrigado. Na verdade, perplexo. Com argumentaç...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions