A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

14/12/2014 09:00

Mensagem à equipe que dirigirá o Brasil em 2015

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

No ano de 1889, uma ação de forças criou a República. Um século depois o Brasil permanecia atrasado em situação ainda mais crítica, pois a dívida externa era bem maior. Durante longo período, somente menos de 3% da população tinha direito de votar. O governo de poucos para poucos, permitia aos dirigentes fazer o que queriam para o bem deles mesmos.

Se os governantes tivessem agido com seriedade, provavelmente teríamos obtido melhores resultados, com mais produção, qualidade e menores preços. As repúblicas do dinheiro estão promovendo a decadência ao invés do progresso real. A chamada “lei de Gerson” acabou superando todas as demais, suplantando a ética e a moral.

Em 2014, a situação geral apresenta poucas mudanças. O populismo não logrou grandes melhoras na qualidade humana e de vida. Faltam estadistas comprometidos com o desenvolvimento humano. Falta preparo para as novas gerações. O momento é de suma importância para consolidarmos um futuro de seriedade e progresso. A riqueza gerada pelas reservas de petróleo deveria ter sido empregada para contribuir para o desenvolvimento do Brasil e sua população, mas acabou caindo nas mãos dos predadores.

O país está atravessando um apagão mental porque as pessoas, em geral, não se preocupam com seus próprios pensamentos e, com isso, agem de forma confusa e sem clareza na solução dos problemas. Isso é alarmante, ainda mais se considerarmos que não tem havido a preocupação de ensinar às novas gerações como raciocinar com lucidez. É preciso afastar o negativismo e ter uma visão mais positiva da vida. Conviver com a natureza e aprender a sua lógica é essencial para a boa formação pessoal.

O dinheiro público deve promover o progresso real. Os países têm sido geridos com desvios e desequilíbrio nas contas internas, nas contas externas e na balança comercial. O déficit no comércio exterior é altamente prejudicial porque o dinheiro remetido para fora deixa de recircular na economia, travando-a, indo gerar empregos em outras regiões.

Atravessamos um momento complicado na economia global agravado por crise financeira, ambiental e superpopulação. Temos uma abundante oferta de produtos nem sempre essenciais, enquanto faltam moradias, saneamento, alimentação adequada, educação que prepare as novas gerações para uma forma de viver humana. Não é só uma questão financeira, mas de gestão dos recursos com eficiência e equilíbrio. Faltam disposição e o estabelecimento de metas que humanizem o sistema.

Atualmente a corrupção adquiriu grande amplitude contaminando tudo inclusive o mundo empresarial. Porém junto a ela surgiu um envenenamento que entorpece e embrutece a sociedade. Nesse mar de lama, o Brasil enfrenta o risco de decair a níveis de tirania e exploração como ocorre nos países africanos, como se fosse uma nau sem rumo à disposição dos predadores. Basta dos prejuízos causados pela especulação. Falta planejar o Brasil forte, independente, educado e bem preparado para uma forma de viver sadia e pacífica com progresso para todos.

Chega de conflitos estéreis e imediatismo oportunista. O Brasil precisa sair do jogo dos predadores e entrar no rumo certo. Agora enfrentamos a estagnação econômica que avança pelo mundo, e fica mais difícil sair do subdesenvolvimento com desindustrialização, inflação e aumento da dívida. Durante décadas temos sido expostos ao pior negativismo. Basta de críticas destrutivas; precisamos de união visando a construção de uma vida digna para todos.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, e associado ao Rotary Club de São Paulo. Realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros “ Conversando com o homem sábio”, “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”, “O segredo de Darwin”, e “2012...e depois?”. E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions