A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 19 de Outubro de 2019

24/05/2016 08:44

Negociado sobre o legislado: o que temer?

Por Laura Rodrigues Benda e Renan Bernardi Kalil (*)

O atual momento político e econômico vivenciado pelo Brasil trouxe à tona a expressão de insatisfações e reivindicações por parte de determinados grupos sociais.

No mundo do trabalho, empresários, políticos e sindicatos patronais têm defendido, dentre outras medidas, a introdução do negociado sobre o legislado.

Isso significaria que a negociação coletiva, ou seja, o instrumento advindo do consenso obtido entre representantes dos trabalhadores e empresas, substituiria o que está previsto em lei.

O sistema jurídico atual já prevê essa possibilidade. Há, no entanto, um limite muito claro, de que a negociação coletiva só se sobreporá à lei no caso de ser mais benéfica à classe trabalhadora do que as previsões legais.

Isso porque o objetivo primordial dos direitos trabalhistas é buscar a promoção de justiça social, considerando a desigualdade material entre trabalhador e empregador.

Não é outro o motivo de terem sido alçados, pela Constituição Federal, ao patamar de direitos fundamentais, servindo como mínimo de contrapartida à validade da exploração do trabalho humano.

A assertiva está expressa no art. 7º, o qual determina que “são direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social”. Não há, portanto, no sistema jurídico brasileiro, a possibilidade legal de criação de situações que tornem as condições de trabalho mais precárias.

Isso dito, parece evidente que, sob o pretexto de se modernizar as relações de trabalho ou ampliar-se a competitividade de empresas, o que se procura com a previsão ampla do negociado sobre o legislado, é, na verdade, uma brecha para se reduzirem os direitos trabalhistas.

Para se ter uma ideia da gravidade do quadro, com isso será possível, por exemplo, que trabalhadores sejam contratados sem o registro na Carteira de Trabalho; que o pagamento do salário ocorra em períodos maiores que um mês; que intervalos para descanso sejam reduzidos e mais de duas horas extras por dia permitidas, em prejuízo de condições básicas de preservação de saúde e segurança.

Deve-se ainda ponderar a dimensão do poder que se pretende dar aos sindicatos, tendo em vista o estágio de desenvolvimento dessas entidades.

No Brasil, é proibida a criação de mais de um sindicato para representar uma categoria em determinado local e todo trabalhador e toda empresa, independentemente de sua vontade, são obrigados a pagar o imposto sindical uma vez ao ano.

Em função disso, alguns sindicatos –representantes de empregados e de empregadores – são fundados não para representar os interesses de seus filiados, mas, sim, para arrecadar o referido imposto. Qual a legitimidade dessas entidades para negociar até mesmo a redução de direitos?

Nos momentos de crise, a classe trabalhadora é sempre a primeira a ser sacrificada. Retiram-se as garantias e os direitos, sem que estejam assegurados o emprego e a subsistência. O negociado sobre o legislado, da forma como proposto, nada mais é do que outro capítulo dessa história.

(*) Laura Rodrigues Benda é Juíza do Trabalho e membro da Associação Juízes para a Democracia (AJD) e Renan Bernardi Kalil é Procurador do Trabalho e doutorando em Direito do Trabalho pela Universidade de São Paulo (USP).

Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...
Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions